“O Brasil vai virar os EUA”: a fake news de Damares sobre aborto

A pastora-ministra costuma assombrar fieis com a possibilidade de o Brasil virar os Estados Unidos onde, segundo ela, a lei permite que abortos eletivos sejam realizados até 1 dia antes do parto. A informação não se sustenta se confrontada com as leis dos estados americanos

Jornal GGN – Já não é novidade que o governo Bolsonaro é contra o aborto e abriu caminho para tentativas de transformar convicções conservadoras em políticas de governo ao alçar a pastora Damares Alves ao comando do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos. Mas é preciso lançar luz sobre o método que Damares vem utilizando, há alguns anos, para influenciar a opinião pública contra a descriminalização da interrupção da gravidez em “qualquer circunstância”.

É com informações falsas e uma boa dose de diversionismo sobre como funciona o acesso ao aborto nos Estados Unidos que a missionária introduz o tema em cultos evangélicos que estão disponíveis no Youtube, como este abaixo:

https://www.youtube.com/watch?v=O2bJI_W10vI&t=67s height:394]

Damares costuma adotar um tom alarmante ao apresentar aos fiéis projetos de lei estacionados no nosso Congresso e que supostamente transformariam o Brasil nos Estados Unidos – onde o aborto, segundo ela, é permitido até o nono mês de gestação.

“Nos EUA há estados em que o aborto pode ser feito até 1 dia antes do parto. Vocês conseguem imaginar o aborto de uma criança de 8 meses? Eu tive que assistir à cena”, relata no vídeo, a partir dos 30 minutos.

“A legislação lá diz que o bebê tem que morrer dentro da barriga da mãe. Os médicos aplicam injeções e esperam a criança morrer [dentro da barriga]. Eles tiram só a cabecinha da criança e escutam se há batimento. Se houver, eles cortam a veia [no pescoço] para a criança morrer dentro do útero, se não é assassinato.”

A pastora faz seu público crer que o aborto eletivo no País de Donald Trump é facilitado e sem restrições quando, na prática, é legalizado mas vem se tornando cada vez mais inacessível.

Ao contrário do que denota a fala de Damares, 43 dos 50 estados americanos impõem limite de tempo para o aborto ser realizado. Só 1 dos 50 estados, aliás, permite aborto no terceiro trimestre de gestação, e apenas no caso excepcional de o parto, se levado a termo, virar risco à vida da gestante. Segundo levantamento do Instituto Guttmacher, este estado é o da Virgínia. Os demais, em geral, permitem aborto no limite das 24 semanas, e cada local cria sua exceção para avançar sobre esse teto, como em caso de estupro ou de anomalias genéticas.

Leia também:  Alunos de colégio que foi "vistoriado" dizem que foram intimidados e ameaçados por deputados

É possível conferir o quadro da situação dos estados aqui.

A AUTONOMIA DOS ESTADOS

Damares passa longe de esclarecer que nos Estados Unidos não existe uma lei única sobre as condições específicas em que o aborto pode ser realizado.

Por decisão da Suprema Corte no caso Roe x Wade, julgado em 1973, cada estado tem autonomia para aprovar leis que regulam o serviço, desde que tenham em vista que o aborto deve ser tratado como um direito constitucional da mulher.

Em tese, elas podem abortar por razões que não cabem a terceiros. A realidade, porém, é que as últimas decisões da corte formaram jurisprudência no sentido de proteger o feto considerado “viável” fora do útero. Por isso, a maioria dos estados convencionou o teto nas 24 semanas.

Mas quanto mais conservador é o governo local, mais dura e distante de Roe x Wade é a lei aprovada e mais difícil é para uma mulher submeter-se legalmente ao aborto assistido.

No Iowa, por exemplo, contrariando a decisão da Suprema Corte, se o médico conseguir detectar um batimento cardíaco, o aborto eletivo não é autorizado. A questão é que isso ocorre por volta das 6 semanas de gestação, muito antes da imensa maioria das mulheres ter conhecimento da gravidez. Funciona como uma proibição efetiva. Ohio, recentemente, aprovou lei semelhante.

Damares ainda esconde de seu público que, nos Estados Unidos, está em curso uma verdadeira cruzada, patrocinada por evangélicos com a ajuda de políticos do Partido Republicano, para acabar com o direito ao aborto.

O objetivo maior é derrubar Roe x Wade e criminalizar o aborto em âmbito nacional, mas para atingir esse fim, é preciso ter influência na Suprema Corte. Por isso lideranças evangélicas penetraram com tudo na disputa presidencial nas últimas décadas.

Trump – que antes de ser candidato era “pró-escolha”, mas acabou dando um cavalo de pau a la Ronald Regan e virou “pró-vida” da noite para o dia – comprometeu-se com os evangélicos que, em troca de votos, nomearia para a Suprema Corte um juiz “pró-vida”. Indicou não um, mas dois conservadores, mais uma dúzia de juízes de tribunais federais alinhados com a direita e um procurador-geral da República de mesmo perfil. A Planned Parenthood, uma rede de clínicas que realiza abortos dentro da lei mas também presta inúmeros outros serviços de saúde e prevenção, emitiu uma nota protestando contra a indicação

A ESTRATÉGIA DOS REPUBLICANOS

Roe x Wade foi aprovado na década de 1970 por 7 votos a 2. Desde meados de 2018, a imprensa estadunidense discute se as nomeações de Trump para a Suprema Corte formarão uma maioria conservadora capaz de derrubar a norma e quando isto deve ocorrer.

Leia também:  Nota em razão das graves notícias de tortura no sistema prisional brasileiro

Até lá, os estados conversadores, mais pragmáticos, adotaram como estratégia criar regulações e exigências técnicas excessivas e exclusivas para clínicas de aborto legal, que acabam por estrangular as finanças desses estabelecimentos. Aprovar leis que contrariam o entendimento de Roe x Wade, inclusive, é arrastar essas clínicas para uma batalha judicial dispendiosa, pois elas são obrigadas a judicializar a questão se quiserem continuar trabalhando. O resultado: dezenas fecharam as portas em todo o País nos últimos anos.

Há atualmente 7 estados americanos com apenas 1 clínica. O Mississipi, onde o aborto foi proibido a partir das 15 semanas, é um deles. A título de comparação, a Califórnia, que está na contramão da escalada conservadora, chegou a ter 154 clínicas em 2014.

Se Roe x Wade for derrubado pela Suprema Corte, metade dos estados americanos proibiriam imediatamente o aborto, pois eles são considerados “hostis” ao procedimento e já têm leis chamadas de “gatilhos” que foram aprovadas à revelia de Roe. Há casos em que a mulher não chegaria a ser penalizada com a nova lei, mas para o médico que realizar o aborto está previsto 10 anos de prisão e multa de 100 mil dólares.

O New York Times publicou reportagem mostrando o passo a passo para fazer um aborto em 2 estados, um conservador e outro mais liberal. São gritantes os inúmeros obstáculos que foram colocados no caminho da mulher que decide recorrer a um direito constitucional. Leia aqui.

DAMARES REPETE ERRO DE TRUMP

A fake news de Damares sobre a possibilidade de o aborto nos EUA ocorrer sem empecilhos á véspera do parto, apenas por “capricho” da mulher, não é sequer original.

No último debate da disputa presidencial entre Trump e Hillary Clinton, o então candidato, ao comentar sobre um projeto de lei que penalizava o aborto tardio (rejeitado por Hillary enquanto senadora) afirmou que concordar com a adversária era concordar que está “ok” arrancar um bebê do útero da mãe e desmembrá-lo às vésperas do parto.

À época, viralizou nas redes o artigo da médica canadense Jennifer Gunter explicando que Trump estava equivocado e apegado a uma bandeira conservadora que não tem a intenção de reduzir abortos, mas de criar leis de controle e punição. “Não há aborto de nono mês. Mesmo. Um nono mês de aborto é um unicórnio e é ridículo discutir isso. As interrupções após 24 semanas são para anomalias fetais graves.”

Segundo levantamento do Instituto Guttmacher, apenas 1,2% dos abortos realizados em 2016 ocorreram depois das 21 semanas da gestação. Mais de 80% ocorrem no primeiro trimestre.

Leia também:  “Ô, Marielle, quero justiça, não aceitamos deputado da milícia”, gritam alunos

Os números que tornam a discussão mais racional ficam à margem, tanto no discurso de Trump como no de Damares, e o público fica sujeito à visão de que “desmembramento de bebês” no nono mês, por motivo nenhum, é consequência de leis que descriminalizaram o procedimento. E isso precisa ser revertido começando, no caso dos Estados Unidos, pela reversão de Roe x Wade.

Aqui no Brasil, a descriminalização até a 12ª semana de gestação é discutida no Supremo Tribunal Federal, sob a relatoria da ministra Rosa Weber.

OS NÚMEROS BRASILEIROS

Damares também já disparou frases inquietantes para quem assumiu um ministério em defesa da mulher:

“Nós defensores da família não podemos aceitar o abortamento em nenhuma situação.”

“Aborto não é direitos humanos, não é saúde pública, é assassinato.”

Mas a sentença que mais que põe a capacidade da pastora de confiar em números oficiais em xeque é:

“Em 9 anos, menos de 390 mulheres morreram em decorrência de aborto. (…) Manipulam números para convencer a sociedade a aprovar o aborto. (…) Aqui vai um argumento para você que defende a vida: quando falarem para você que milhares de mulheres morrem por aborto, peça para ver os túmulos.” 

Segundo a ministra, sua fonte é o “DataSUS”.

[video:https://www.youtube.com/watch?v=CiaO8cCUcoQ

Em julho de 2018, o Ministério da Saúde informou à Folha de S. Paulo que, em 16 anos (2000 a 2016), 4,4 mil mulheres morreram em decorrência de complicações do aborto.
De 2008 a 2017, 2 milhões de mulheres foram internadas para tratar de complicações do aborto. O SUS gastou R$ 486 milhões com esses atendimentos.
Mas Damares insiste que não é questão de saúde pública.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

22 comentários

  1. O pior de tudo é que essa

    O pior de tudo é que essa pessoa deve ser “fonte de informação” pra muita gente.

    Ela coloca medo e fatos que não existem (sic) para, unilateralmente, prevalecer essa visão distorcida.

    É incrível que, sendo antipetista, por exemplo, uma pessoa aceite de bom grado tudo que lhe digam, Não pode ser. 

    Eu já disse e repito. Tem que transformar cada frase em uma espécie de verbete e montar uma “Wikipedia da Direita”, um Pai dos Burros e desmontar essa joça.

    Até mesmo para a formação militante. Vcs mal sabem o quanto isto é necessário. 

  2. #

    Uma pessoa que sobe num pé de goiaba com a intenção de se matar e, não só desiste de se matar, mas também resolve todos os seus problemas existenciais porque “Jesus também subiu no pé de goiaba”, só ´pode ser uma débil mental.

    Espero que ela não precise subir em pés de goiaba durante seu ministério.

    Ô governo capenga! Ridículo!

  3. Os Bozos vêem tanto espírito no feto e nenhum no marginal

    O Haiti é aqui.

    Viva Caetano, viva Gil! Aquele abraço, Hermanos!

  4. Pautas identitárias
    Concordo com setores da esquerda, e até com o Ciro, de que fincar pé e fileiras contra os disparates da turma do Bozo em questões identitárias é jogar no campo do moralismo adversário rasteiro.

    Contudo, relegar totalmente questões identitárias em favor de pautas econômicas também não seria a melhor medida para conquistar corações e mentes.

    Partidos de esquerda bem poderiam dedicar parte de suas energias para o esclarecimento de que as tais questões identitárias, no varejo, estão inseridas de forma ampla em políticas sociais econômicas emancipatórias.

    O que não pode é passar batido por despauterios mentirosos como os dessa Damares goiabeira. Isso pode ser interpretado como indiferença ou, pior, concordância.

  5. Nom sense
    Mais uma vez se traz a discussão o que essa pastora fala para seus fiéis. Não vejo razão para isso. Como se fosse técnico de futebol falando aos seus jogadores; como se fosse sindicalista falando aos correligionários; como se fosse presidente de clube falando aos associados, não há interesse nisso! O tipo de relação, dependência, contexto, confiança é outro, sem nenhum ponto de contato. Quero ouvir as bobagens da ministra, e não da pastora!

    • discordo veemente!

      o sr Cesario parece não ter se apercebido das centenas de pessoas que lotavam o local do culto satanico onde o cramulhao travestido de “pastora” pregava aos incautos. 

      A tal ‘igreja’ (do coisa ruim) onde a pastora dos infernos pregava é useira e vezeira em proselitismo politico. Foi lá que um tal DD do Power Point foi pregar tambem – e parte do povo se rebelou, deu as coltas ao palco, saiu do culto satanico, o pa$tor deu xilique achou ruim… ameaçou aos rebeldes…

      Meu ponto é: estes improbos da ultra direita transitam nestas igrejas do cramulhao, nas tvs desstas igrejas, nos youtubers, radios… eles tem um alcance nacional/mundial. ESPALHANDO MENTIRAS, DISTORCENDO VERDADES. E O POVO ACREDITA!

      E os progressistas? Tem o YouTube.

      Paridade de armas passou longe. A questão é: haverá saida para isto?

      (PREOCUPADO).

  6. As 2 vezes em que encontrei a Damares

    A primeira vez que eu encontrei a Damares foi quando ela tinha dez anos de idade, em cima de um pé de goiaba, no qual ela ia beber chumbinho de rato, por ter sido estuprada dos 6 aos 8 anos por um pastor que morava na sua casa. Ela desistiu porque Jesus Cristo também subiu, em vez de descer do céu sobre o pé de goiaba.

    Da segunda vez que a encontrei, ela foi estuprada por outro pastor, também entre os 6 e os 8 anos. Não gostaria de encontrá-la outra vez, para evitar um novo estupro de uma criança.

    Que governo sem norte!

  7. quando a matéria é bem

    quando a matéria é bem explicada e aprofundada que nem essa,

    demonsrtra que essa gente tipo damares é incompetente e vive de mentiras

    e falácias

    e má-fé para enganar e engambelar os seus fiéis se crentes ingenuos…

  8. Pé de goiaba

    Damares Alves desiste da autoria de autobiografia, e ministério faz pente-fino no livro

    ‘Jesus sobe no pé de goiaba’ chegou a ser vendido em site de editora, mas não foi entregue a leitores; nome dela foi apagado da capa há uma semana

    Juliana Dal Piva

    07/01/2019 – 20:41 / Atualizado em 07/01/2019 – 21:17

    RIO — O livro “Jesus sobe no pé de goiaba” que seria lançado em 30 de dezembro pela editora Canadense teve a sua publicação suspensa e não há previsão de data para novo lançamento. A obra foi divulgada até o fim de dezembro pela editora como de autoria da titular do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, e de Mauri Filho, dono da editora Canadense. O GLOBO foi informado pela editora que a assessoria jurídica do ministério está realizando uma “atualização necessária” e a obra só será divulgada após a “liberação” do órgão. Procurada, a ministra diz — agora — que não escreveu a obra.

    O livro estava em pré-venda em dezembro e custava  R$ 34,90. Na ocasião, interessados também podiam fazer a compra de uma caixa com 100 exemplares por R$ 1.745. O GLOBO comprou um exemplar em 16 de dezembro por meio do site da editora. Segundo um link disponibilizado para rastreio do produto, ele foi embalado para envio no dia 27 de dezembro às 13h03m, mas nunca foi enviado.

    Fonte: https://oglobo.globo.com/sociedade/damares-alves-desiste-da-autoria-de-autobiografia-ministerio-faz-pente-fino-no-livro-23353802

  9. Execrável

    Do que vi em alguns vídeos, estamos diante do pior exemplo de ser humano.

    E olhe que eu considero o ser humano em geral um pobre de espírito. E olhe que eu tendo a desculpar a quase todos. Mas a damares extrapola no seu direito de defender qualquer causa, até as boas, com ditorções, mentiras e calúnias absolutas e sem limites contra seus “inimigos”.

    É disparado o pior gênero de ser humano que conheço.

     

  10. Essa vagabunda tresloucada

    Essa vagabunda tresloucada não aprendeu que, segundo a nossa primeira constituição republicana, nós já fomos “Estados Unidos do Brasil”? A situação era tão ruim naquela época que abandonamos os Estados Unidos para nos tornar apenas Brasil em 1930 sob o comando de Getúlio Vargas. Foi sendo Brasil desligado dos Estados Unidos que o nosso país conseguiu chegar onde está. Quanto mais distantes ficarmos dos EUA melhor, especialmente agora que os gringos querem uma guerra contra a China e a Rússia. Ao fim da guerra, os gringos vão querer ser mexicanos ou brasileiros. Da minha parte espero que eles apodreçam no território deles, morrendo lentamente por causa do inverno nuclear. 

  11. Falso testemunho ideologico

    Esse povo do Bolsonaro é mentiroso, hein… Mentem manhã, tarde, noite e madrugada. Mentem para incutir medo nos fiéis e seguidores e assim criar um exército de ignorantes, cada vez mais obtusos. Ja que falam tanto em Deus, deveriam se lembrar que na Biblia o oitavo mandamento diz “não levantaras falso testumunho nem mentiras”. 

  12.   Essa demente emite

      Essa demente emite calhordices e mentiras como quem dispara uma metralhadora. É quase ridículo se dar ao trabalho de refutá-la, pois a facilidade de inventar absurdos sem o menor resquício de vergonha na cara é tão grande que mascara o fato de ela ser, ao mesmo tempo, completamente tantã.

     

      No entanto, acredito que combatemos com as táticas erradas. Que tal fazer um comunicado ao Consulado/Embaixada americana questionando se é verdade o “pronunciamento” da ministra? No mínimo daria origem a uma bonita saia-justa.

  13. Ela mente até sobre a Bíblia que diz adorar, descaradamente.

    No segundo vídeo, em 6:49, ela diz: 

    “A minha bíblia diz o seguinte: Quando eu era uma substância informe, o Senhor já me conhecia e já me chamava pelo nome”.

    O salmo transcrito, que aparece no vídeo, é: “Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe; e no teu livro todas estas coisas foram escritas; as quais em continuação foram formadas, quando nem ainda uma delas havia”.

  14. Lula foi, é e sempre será o

    Lula foi, é e sempre será o maior e melhor brasileiro de todos os tempos, o melhor para o Brasil ! ! ! ! !

  15. Janaína (Pascual) e Damares

    Janaína (Pascual) e Damares são mesmo parecidas : a mesma patologia, a mesma loucura, a mesma pomba-gira…

     

    Viva a autodeterminação dos povos do mundo inteiro contra oimperialismo ianque (pra ser politicamente correto, imperialismoestadunidense, o pior dos piores) ! ! !

     

    Viva Lula e o PT (de luta e com o povo brasileiro) ! ! ! ! !

     

    :.:

  16. Contra o aborto eu também sou…

    …porém sou a favor da descriminalização do aborto.

    Os que querem desviar o assunto para os extremos do sensacionalismo geralmente dividem as opiniões entre quem é contra e quem é a favor do aborto. Creio que ninguém, em são consciência seja diretamente a favor dessa prática. Entretanto, também não posso crer que quem é contra o aborto seja a favor da criminalização uma vez que essa posição força as pessoas de baixa renda que, talvez por má orientação ou falta dela, falta de apoio ou de desespero, tomaram essa decisão, se deparem com a única opção de se entregar a clínicas e médicos sem escrúpulos como objetivos puramente financeiros e que por isso mesmo, são comparados a açougues e açougueiros, embora estes estabelecimentos e profissionais mereçam mais o nosso respeito do que aqueles que atuam nessas “clínicas”.

    Enquanto isso, nas classes mais favorecidas, o aborto acontece de forma subreptícia mas em condições sanitárias decentes e, pasmem, sem que a justiça incomode os envolvidos. Não deixa de ser uma ironia que a maioria das pessoas que se diz a favor da manutenção do aborto como crime tenham acesso a esse tipo de clínica.

  17. Fake news é o que vocês produzem, têm tanta inteligência para encher línguiça e distorcer os fatos que fico admirado. Agora expliquem como a esquerda americana e bancada progressista aprovou no Estado da Virgínia o “aborto” pós parto? Bando de hipócritas

  18. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome