Morre José Louzeiro, autor de Pixote

 
Jornal GGN – José Louzeiro se foi na madrugada de sexta-feira, 29, no Rio de Janeiro. Foi-se enquanto dormia. A informação foi confirmada por sua cuidadora, Lucimar Rodrigues Silva Vaz, que ainda espera laudo para determinar a causa da morte. O escritor, jornalista e roteirista José Louzeiro estava com 85 anos.
 
Nos últimos anos, Louzeiro morava com uma filha, na Barra da Tijuca, já com problemas de coração e diabetes.

 
Louzeiro nasceu no Maranhão, em 1932, e foi para o Rio de Janeiro em 1954, fazendo carreira na imprensa em veículos como Última Hora, Correio da Manhã e Diário Carioca. Com a experiência na área, passou a se dedicar aos livros-reportagens. Lúcio Flávio, um deles, foi concebido após ter recebido uma ligação do lendário assaltante de bancos quando trabalhava na redação de O Globo. Lúcio Flávio queria dar uma entrevista, e tornou-se um livro consagrado.
 
Outro trabalho marcante de Louzeiro foi o que investigava o assassinato de Aracelli, a menina de 8 anos, no Espírito Santo. O fato se deu em 1973 e no livro “Aracelli, Meu Amor”, Louzeiro apontava como suspeitos dois membros da elite local. O livro foi censurado pela ditadura militar.
 
Tenório Cavalcanti, figura folclórica do Rio, um político e diretor de jornal sensacionalista, foi retratado no livro “O Homem da Capa Preta”. E Tenório era conhecido não só pela capa, mas por sua metralhadora sempre ao alcance, a “Lourdinha”.
 
Louzeiro foi também autor de novelas. É de sua autoria a novela “Corpo Santo”, de 1987, na Manchete. Na mesma emissora, em 1993, escreveu “Guerras sem Fim”. Ainda em 1993, escreveu uma comédia para a TV, “O Marajá”, baseada no ex-presidente Collor, que foi impedida de ir ao ar.
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora