A bolha imobiliária por dentro

Veja que até em um país supostamente racional, como os Estados Unidos, como foi longa a caminhada até se chegar à medida óbvia: recuperar a capacidade de financiamentos dos mutuários para impedir o agravamentos dos problemas sociais e sustar a queda no mercado imobiliários norte-americano.

Por Juliano

Esse seu exemplo de como os juros flutuantes funcionam, explica apenas a pequena parte da historia dessa bolha imobiliaria.

Aqui está um exemplo prático de meu colega de departamento onde trabalho em Houston.

Em 2000 ele comprou uma casa financiada 4 quartos, 3 banheiros, linda e etc, por 98.000 US$.

Refinaciou sua casa três vezes, 2002 – 2004 – 2007.

Assim:

Em 2002 Scott foi ao Capital One, refinanciou sua casa, e segundo o Banco, o imovel dele tinha se valorizado nos ultimos dois anos.

A operacao foi a seguinte:

Scott recebeu mais de 15000 US$ do banco, para gastar em que gostaria, em troco de refinanciar sua casa pelo valor atual de mercado em 2002, coisa de 120.000 US$.

Scott aceitou e gostou do negocio e em 2004 retornou ao Banco para refazer a mesma operaçao.

Assim em 2004, Scott recebeu do Banco Capital One 21000 US$, e refinanciou a casa pelo valor de mercado aprox. 140.000 US$

Em 2007 ele retornou ao Banco, e refinanciou, recebeu do mesmo banco 24.000 US$, pelo valor de hipoteca de aprox 180.000.

Ano passado, ele retornou ao Banco, para refinanciar e pegar mais uns trocados, e lhe disseram que o valor de seu imovel tinha caido em 28%,.

Assim ele deveria de cobrir esse furo a vista, ou entao, diluir isso nas prestacoes, atraves dos juros flutuantes.

Aumentaram as prestacoes, ele nao recebeu aquele dinheiro a mais do refinanciamento, e hoje tem uma casa que vale 80.000 US$, com uma hipoteca de quase 200.000 US$.

Ontem falei com ele, e disse que vai devolver a casa para o Banco.

No meu ponto de vista, os bancos jamais poderiam ter retroalimentado essa bolha.

A economia americana cresceu na epoca Bush, graças a essa bolha. Na verdade sem a bolha, a economia americana nao cresce desde Clinton.

Abraco, Juliano – Houston

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

27 comentários

  1. Muito interessante os
    Muito interessante os comentários do Juliano. Foi isso mesmo o que aconteceu. Nos EUA tornou-se praticamente impossível se separar o crédito imobiliário do crédito ao consumo. E o crescimento dos últimos fanos foi fortemente infleunciado pela expansão do consumo era alimentado pela valorização irracional dos preços dos imóveis. O fenômeno das bolhas especulativas na raiz das crises bancárias não é novo e existe um excelente livro sobre o assunto de Charles Kindlerberg
    “Manias, panics and Crashs”. Esse livro tenta identificar padrões nas varias crises bancárias dos últimos três séculos. O que é novo foram os mecanismos de engenharia, notadamente a securitização, que deu enorme liquidez aos ativos imobiliários, e assim garantiu uma sustentação demasiadamente longa ao ciclo de valorização nos preços dos ativos.

  2. Muito interessante os
    Muito interessante os comentários do Juliano. Foi isso mesmo o que aconteceu. Nos EUA tornou-se praticamente impossível se separar o crédito imobiliário do crédito ao consumo. o crescimento dos últimos anos foi fortemente infleunciado pela expansão do consumo e esta expansão era alimentada pela valorização irracional dos preços dos imóveis. O fenômeno das bolhas especulativas na raiz das crises bancárias não é novo e existe um excelente livro sobre o assunto de Charles Kindlerberg
    “Manias, panics and Crashs”. Esse livro tenta identificar padrões nas varias crises bancárias dos últimos três séculos. a novidade foram os mecanismos de engenharia financeira, notadamente a securitização, que deu enorme liquidez aos ativos imobiliários, e assim garantiu uma sustentação demasiadamente longa ao ciclo de valorização nos preços dos ativos.
    E o interessante Juliano é que os bancos são os causadores dessas bolhas. E precisamento o credito bancario quem da combustivel ao crescimento da bolha.

  3. Caro Juliano:
    Tomando por
    Caro Juliano:
    Tomando por base este caso de seu colega de trabalho:
    Em 8 anos ele pegou dos bancos, em função do contrato de financiamento do imóvel, U$ 60 mil, hoje a casa de quatro quartos em Houston vale U$ 80 mil, preço na bacia das almas, e a hipoteca está em U$ 200 mil, ou seja, seu amigo carrega um custo de U$ 60 mil – isto imaginando que ele gastou os tais U$ 60 mil recebidos do banco, e que o valor da hipoteca não é passível de negociação – fato completamente improvável neste momento.
    Bem, os U$ 60 mil de custo que seu amigo carrega, quando divididos por 96 meses, resultam num custo mensal de U$ 625, nada mal para o preço de aluguel de um imóvel que hoje, depois de tudo o que já ocorreu nos últimos dez meses, ainda consegue um valor de U$ 80 mil; dentro da tragédia, seu amigo pode ser considerado um “privilegiado”, até porque ainda mora, ainda tem um teto.
    Casos infinitamente piores, em consequência da perda do imóvel, estão acontecendo por aí, com muita gente morando dentro dos carros, outros vendo o imóvel ser negociado em leilão por preços bastante deprimidos,etc…, enfim,um verdadeiro massacre, divulgado sem muita ênfase pela imprensa americana pois os entrelaçados interesses corporativos falam mais alto, fato que ficou amplamente demonstrado pela demora excessiva das grandes redes em expor, como deveriam ter feito, a gravíssima crise financeira à população americana.
    Concordo quanto à atitude irresponsável dos bancos, mas o fato é que se sentiam respaldados pela ausência da indispensável regulação, e o resultado do já amplamente diagnosticado conjunto de erros primários está aí – no caso específico do mercado imobiliário, colocando muitos incautos e/ou inocentes prá dormir no banco da praça.

    Um abraço

  4. No Brasil, se a crise mundial
    No Brasil, se a crise mundial não foi uma marolinha também não foi um “tsunami” como queria a imprensa tupiniquim e a oposição DemPSDB.

  5. Quando a gente lê que bancos
    Quando a gente lê que bancos americanos estão “quebrando”pergunta-se,como ?
    Taí a resposta,nesta amostra de como funcionavam as operações imobiliárias nos States,e de como elas eram fictícias,pois assim como eram alavancadas artificialmente pelos experts em números dos bancos,eram tão sólidas como um castelo de cartas.
    Será que a administração bancária brasileira,concernente ao crédito imobiliário,é arcáica,ou a deles era surreal e mais dia menos dia daria no que deu ?
    Aonde estão os órgãos fiscalizadores do sistema habitacional,ou isto é coisa de terceiro mundo ?
    Os balanços dos bancos que mostravam a pujança monetária,era apenas um jôgo,e neste jôgo,quem ganhava,eram apenas os “donos da banca”para não ser redundante e dizer que eram os donos do banco.

  6. Com algum intervalo nos
    Com algum intervalo nos meados da década de 60, essa bolha vem desde o fim da Segunda Guerra Mundial.

    É um modelo de acumulação constante, com baixa redistribuição. Basta ver o progresso do índice Gini nos Estados Unidos.

    Só que há uma incrível sensibilidade quanto a esse tipo de discussão lá, a coisa tem um viés ideológico muito forte e não se aceita discutir esse assunto tecnicamente como aqui.

    Eles estão f…dos… É questão de (pouco) tempo.

  7. Eu acho que enlouqueci e não
    Eu acho que enlouqueci e não estava sabendo ainda. Que tipo de pessoa ao invés de tentar quitar a dívida que fez ao comprar a casa própria, AUMENTA a mesma e sai feliz disso achando que fez um bom negócio?

  8. E para completar o Bush deu
    E para completar o Bush deu dinheiro para os bancos, O Obama também vai dar.
    Estão dando analgésico para dor de cabeça, a causa da dor que se lasque.
    Os bancos tomaram o porre de ganhar dinheiro até a bolha estourar, deveriam arcar com o prejuízo, afinal eles que causaram.
    Eu preciso arrumar uma atividade como essa, pode-se fazer a merd… que quiser que está tudo bem, nunca perde!
    Nem lá nem cá, nem no resto do mundo

  9. Aqui no Alto Xingu, os índios
    Aqui no Alto Xingu, os índios consideram isso querer transformar crédito imobiliário em terminal eletrônico de saque. Só homem branco para achar que os lanches são grátis…

  10. O Juliano não informou, mas o
    O Juliano não informou, mas o que se sabe é que, refinanciando a casa, em razão da baixa dos juros, o valor da prestação continuava o mesmo. Quer dizer o estadunidense, continuava com (+ ou -) a mesma prestação e torrava o troco em pipoca (ou carros gastadores de combustíveis da GM).

    Breves considerações de quem é profissional do ramo imobiliário há trinta anos:

    Como o credor da hipoteca pôde admitir isto? Esta eu respondo: As hipotecas eram ensacadas e revendidas para incautos compradores, sem o devido conhecimento dos riscos. Grana fácil. Bônus elevados. Direita no poder. Mentira como modo de vida e por aí afora.

    Como o governo central deixou isto acontecer?
    Como ninguém (ou quase), de fora do sistema, não percebeu que era uma “pirâmide”?

    Esclareço: No Brasil tudo isso é impossível de ocorrer. A CEF (o SFH) não refinancia imóveis. As prestações tem uma regra pré-determinada e imutável. os financiamentos são concedidos mediante observação de uma regra primária (mas de capital importância), financia o menor de dois valores: Da venda ou da avaliação do perito (engenheiro civil autônomo contratado pela CEF). As exigências para obtenção do financiamento são severas (com razão). Importante, as hipotecas não são ensacadas e vendidas como produto financeiro.

    Ao eventual leitor deste comentário, lembro que o mercado imobiliário pode ser comparado ao pêndulo de um relógio antigo. Quando há muita procura o preço sobe. Quando o preço sobe, instigados pela perspectiva de lucros com a produção de imóveis, muitos constroem. Chega o dia em que o pêndulo está no centro de gravidade e vai inexoravelmente para o outro lado. O esperto cai fora do mercado. Muitos ficam com o mico. O mercado então se recicla. Em pouco ou médio prazo recomeça o ciclo.

    O jornalista Luis Nassif é bem informado sobre o assunto. Foi ele quem nos alertou na época (1.983/4) a discrepância entre as prestações e os próximos reajustes anuais, que iriam desaguar na polêmica (e explosão) do FCVS -Fundo de Compensação das Variações Salariais, culminando em acordos que evitaram o colapso do sistema.

    Quem teve a paciência de ler o comentário, saiba que tenho muito orgulho do nosso sistema. Apanhamos muito, mas temos hoje algo muito sólido e confiável e que cumpre sua função precípua, que é de que oferecer ao brasileiro a possiblidade da realização do maior sonho da sua vida, que é a casa própria.

    Encerro perguntando: Quem é terceiro mundo neste assunto: O Brasil ou os EEUU?

  11. A GATUNAGEM CONTINUA !!!!!
    A
    A GATUNAGEM CONTINUA !!!!!
    A parte mais difícil é ressuscitar oportunidade para os credores vorazes efectuarem uma nova matança. ( é a economia que está a ser morta.)

    Aqui está como o plano virah a funcionar.

    Suponha que um comprador recente haja comprado uma casa por US$ 500.000, com uma hipoteca de taxa ajustável de US$500.000 aprazada para iniciar a 8 por cento. Suponha também que o actual preço de mercado haja caído para US$250.000 – uma perda de 50 por cento no fim de 2009. O governo trocará “dinheiro por lixo” (“cash for trash”), imprimindo novos títulos do Tesouro (com juros a serem pagos pelo “contribuinte”) em troca da hipoteca de US$500.000 que está a apodrecer, apontando para um preço de mercado de apenas US$250.000.

    O banco “mau” do plano-complot Obama será financiado com fundos privados(eh chicana!!) – de facto, com os fundos agora a serem dados(públicos de pensão e assistência social)) para recapitalizar os bancos da América (encabeçados pelos bancos da Wall Street que actuaram tão crimoinosa e torpemente). Os bancos utilizarão o dinheiro que receberam do Tesouro para vender as suas hipotecas lixo pelo seu valor facial – juntamente com outro financiamento do salvamento – para comprar acções numa nova instituição de US$5 Bilhoes. Algo como a Fanny Mae ou o Freddie Mac será criada e seus títulos garantidos (isto é a parte “pública” – “socializar” o risco).
    Serah utilizado financiamento privado(piada??))) para a finalidade “socialmente responsável” de “salvar o contribuinte” e os proprietários de casas renegociando a hipoteca em queda dos seus US$500.000 originais para o novo preço de US$250.000.
    Como ?????
    “”””O “resgate dos proprietários de casas” PPP(parceria publico privada???).
    Um trambiqueiro- Banco Salvador, irá afanar uma família amarrada à dívida hipotecária da sua casa.

    Olhem o papo da banditagem financeira!!!

    “””Renegociaremos a sua hipoteca por US$250.000, o actual preço de mercado, e também reduziremos a sua taxa de juros para apenas 5,50 por cento. Isto cortará os seus encargos mensais da dívida em aproximadamente dois terços. O sr. escapará da situação líquida negativa e pode dar-se ao luxo de permanecer na sua casa”.””

    “”Mas voces terão de fazer uma concessão”””

    É aqui que a nova parceria pública/privada faz a sua matança(roubo).!!!!

    “”””Agora que o governo assumiu uma parte da perda e o deixamos permanecer no seu lar, precisamos recuperar o dinheiro que foi perdido. Assim quando chegar o momento de você vender, ou renegociar a sua hipoteca, nosso Banco Salvador receberá o ganho de capital em relação à quantia original cancelada. Se nós o ajudamos no momento difícil, você agora deve pagar-nos o que havíamos perdido””””.

    Como ???

    “””Se voce proprietário da casa vender a propriedade por US$400.000, o Banco Salvador obterá US$150.000 do ganho de capital. Se a propriedade for vendida por US$500.000, o banco obterá US$250.000. E se ela for vendida por mais, graças a algum novo clone de Alan Greenspan a actuar como fabricante de bolhas, o ganho de capital será dividido de alguma forma. Se a divisão fosse 50/50, então se a casa fosse vendida por US$600.000 o proprietário naquele momento dividiria o novo ganho de capital de US$100.000 com o Banco Salvador. O Banco Salvador portanto ganhará muito mais através da sua fatia de ganhos de capital do que extrai em juros!

    Este plano será ainda melhor para a Wall Street do que foi a bolha de Greenspan! Anteriormente(juros baixos e credito fácil escondendo o tosqueio do carneiro yankee no processo de tirar dinheiro da área social,, saúde e educação,, para abater impostos dos milionários(a grande tunga)!!O carneiro viria depois a ser escalpelado!!
    COMO VEMOS agora )!!!m.h.

    Viva a GATUNALIA YANKEE!!!!

    Claríssimo !!!!!

    Que prostitutas infames !!!????

  12. Gostaria de adicionar mais
    Gostaria de adicionar mais algumas informaçoes.

    A hipoteca de Scott, nao pertencia ao sub prime.

    Essa conversa de dizer que a culpa da crise imobiliaria, foram os financiamentos sub primes, é politicagem, e uma tentativa de manchar um grande feito de Clinton, que popularizou o financiamento imobiliario.

    Alem disso, é uma tentativa de esconder os que sao realmente culpados e que deveriam ser presos em Guantanamo:
    – bancos, que transformaram credito imobiliario em credito ao consumidor;
    – omissao de Greenspan do FED e de Paulson do Departamento de Tesouro;
    – omissao de Bush, que esperava que a bolha imobiliaria nao estoura-se em seu governo.

    Outros fatos:
    —————————————————————————–

    Apos o refinanciamento em 2007, Scott aproveitou o dinheiro e trocou seu Hummer 2004 pelo novo, deu de presente para a esposa uma Denali GMC, remodelou a cozinha e sala de sua casa (com uma TV de plasma do tamanho de uma mesa de ping pong e uma escultura brasileira de um indio feito no Amazonas) , alem de presentear as criancas com brinquedos chineses.

    Mesmo que Scott devolva a casa para o banco, sua divida nao deixará de ser executada, e seu nome ficara sujo na praça por anos.

    Desta maneira, ele nao podera mais comprar ou trocar sua Hummer e GMC Denali através de leasing, nem tao pouco, comprar TV plasma a crédito.

    ————————————————————————
    Alguns dos estados americanos com as taxas mais altas de devolucao de imoveis e execucao hipotecaria, foram California, Arizona, Nevada, Colorado e Florida (http://realestate.msn.com/article.aspx?cp-documentid=13107814).

    Coincidentemente esses estados, sao os que possuem altas taxas de imigrantes em sua populacao. Aqui nos EUA, qualquer imigrante poderia comprar sua casa ou carro financiado.

    Quando se analisa o preco medio historico dos imoveis aqui nos EUA, nota-se que o valor de pico foi atingido no segundo semestre de 2007.

    A partir daquele momento, começou a “sobrar” imoveis para a venda.

    Quando procuro correlacionar todos esses fatos, para buscar um motivo para a queda abrupta no preço e demanda por imoveis nos EUA naquela epoca, me vem a lembrança, que aproximadamente na segunda metade de 2007 o senado americano rejeitou a lei para anistia aos imigrantes.

    A partir da data em que a lei foi rejeitada, iniciou a brotar pelos jornais, manchetes de cidades fantasmas aparecendo, e imigrantes indo embora deixando para trás seus financiamentos.

    Eu particularmente acredito que isso contribuiu para detornar a bolha imobilaria.

    ——————————————————————–
    Analisando o que aconteceu com Scott, eu acredito que para ele nao foi mal negocio, pois ficou morando varios anos em uma casa “propria”, pagando uma prestacao compativel com um aluguel.

    Entao quem perdeu? Quem perdeu foram os bancos e seus acionistas que compraram esses titulos hipotecarios, sejam bancos americanos, europeus e japoneses.

    A culpa não foi do livre mercado. Foi dos bancos que atuaram no mercado imobiliario e distorceram os precos reais dos imoveis, e retroalimentaram essa bolha com aval do FED e departamento de tesouro americano na era Bush.

    Alias, graças ao livre mercado, os verdadeiros culpados pela bolha, estao sendo punidos, e indo a falência, todos os bancos que criaram essa bolha, estão quebrados.

    Foi tambem o livre mercado que salvou os bancos brasileiros de entrar nessa bolha, nao foi a competencia economica de um presidente torneiro mecanico.

    As altas taxas de juros do Brasil, tornaram pouco lucrativo o investimento de bancos brasileiros nesses titulo imobiliarios americanos.

    É lamentavel ver em epocas de crise, governos aproveitarem da situacao para criticar o livre mercado, e usar essa crise para aumentar o tamanho da maquina publica, criar cargos, estatais, regalias etc.

    E pior que isso, é ver 80% de aprovacao.

    Como disse Reagan: “Government isnt the solution – its the problem !! ”

    ——————————————————————————-

    Me parece que o Brasil está melhor posicionado em termos de controle de financiamento imobiliario, pois como disse o colega comentarista, a CEF nao realiza refinanciamentos com credito em troco, e tampouco venda de titulos hipotecarios.

    Assim em caso de crise no Brasil, nao teremos bancos quebrados, nem construtoras, pois me parece que as ultimas foram capitalizadas com IPO’s nos ultimos anos.

    Entretanto, o aumento de desemprego, pode conduzir a inadimplencia no pagamento de imoveis, e detonar uma enxurada de imoveis usados no mercado, que impossibilitará o lancamento de novos imoveis no Brasil – o que resultara em maior desemprego, e aumentará o tamanho da bola de neve, que poderia causar recessão.

    A economia brasileira, teria crescido muito menos sem essa bolha, agora nesse momento, é muito facil criticar os americanos, mas por que ninguem criticou quando a economia mundial estava crescendo graças a eles?

    abraço, juliano, houston

  13. Aqui do Alto Xingu, os índios
    Aqui do Alto Xingu, os índios admoestam: isso é o que acontece quando se quer pagar despesas de cartão de crédito com dívida hipotecária…

  14. Li os excelentes e
    Li os excelentes e esclarecedores comentários do colega Francisco Guerra. Foi isso mesmo, a redução dos juros permitia, mantendo-se a mesma prestação, a liberação de mais dinheiro. Essa liberação poderia ser ainda maior se o imóvel se valorizasse. E a política monetaria leniente , de um lado, e a regulação frouxa de outro, permitia essa valorização. A securitização criava um abismo entre o originador do credito e o risco. O originador conseguia repassar o risco para os investidores.
    há certa altura o colega pergunta?
    “Como o governo central deixou isto acontecer?
    Como ninguém (ou quase), de fora do sistema, não percebeu que era uma “pirâmide”?
    A explicação de que se tratava de um governo de direita com uma crença quase religiosa nos mecanismos de mercado é correta mas talvez não explique tudo.
    Minha visão é de que eles percebiam que se tratava de uma piramide. Mas a regulação não é neutra, ela sofre fortes pressões dos agentes economicos interessados na manutenção da bolha. E não só dos banqueiros. O proprio Banco Central tem receio de estourar a bolha e mergulhar a economia numa recessão. E vai adiando a solução do problema, empurrando com a barriga até que o pior acontece. No japão dos anos noventa houve uma crise bancaria gigantesca tambem ligada à bolha imobiliaria.

  15. Não tem saída

    Esta””
    Não tem saída

    Esta”” josta””(ideológica) se espalhou Mundo afora

    Infectando e putrefando com tudo !!!!

    Se dermos uma olhada na historia ,,, esse lixo ideológico soh gerou

    A Guerra de 1870,,,A primeira,,Mundial ,, a recessao dos vinte aos quarenta ,,

    A segunda guerra Mundial,,,e os atuais Estados Nazi-Terroristas

    E todos os descalabros,, crimes e genocídios durante o seu agora difunto reinado!!!!

  16. Iroshi,
    Eu ainda nao li o
    Iroshi,
    Eu ainda nao li o plano de modo que estou cantando de ouvido, mas pelo que entendi de seus comentarios, a diferença entre o valor do imóvel e o valor da divida hipotecaria, sera coberta com um financiamento do tesouro aos bancos privados e credores da hipoteca. Esses recursos vao advir da colocaçao de titulos do tesouro junto ao público. Mas pelo que entendi os bancos privados vao ficar com uma divida junto ao Estado, e a divida atual dos mutuarios com os bancos desaparece. Nao me parece nenhum absurdo que uma revalorizacao dos imoveis seja apropriada pelos bancos, afinal eles terao que quitar a divida com o Tesouro Americano, ou não?

  17. “A partir da data em que a
    “A partir da data em que a lei (de anistia aos imigrantes) foi rejeitada, iniciou a brotar pelos jornais, manchetes de cidades fantasmas aparecendo, e imigrantes indo embora (dos EUA) deixando para trás seus financiamentos.
    Eu particularmente acredito que isso contribuiu para detornar a bolha imobilaria.”

    É a velha história Juliano, dependendo das implicações d tal crise e se humanidade ainda existir, daqui a 90, 100 anos vai ser um tal d ainda se tentar achar a Causa… tipo a I Guerra Mundial : “ah, bota aí q foi o assassinato daquele arque-duque austríaco na Sérvia e tá tdo limpo…”

    Enfim, quem se importará…

  18. Aqui do Alto Xingu, os índios
    Aqui do Alto Xingu, os índios informam que George Soros acaba de declarar “que a atual crise econômica tem sua raízes na desregulação financeira dos anos 1980 e marca o fim de um modelo de livre mercado que desde então dominou os países capitalistas. A liberalização da indústria financeira, que começou no governo Reagan, conduziu a uma série de colapsos que forçou a intervenção governamental.” Soros também responsabilizou parcialmente os reguladores por terem descurado suas responsabilidades. Em jantar privado na Universidade de Columbia, Soros afirmou que a filosofia do fundamentalismo de mercado está agora em questão, eis que os mercados financeiros provaram-se ineficientes e afetados por interesses e não por todas as informações disponíveis. “Estamos numa crise que realmente é a mais séria desde os anos 1930 e é diferente de todas as outras que experimentamos no curso de nossa vida”, disse Soros. Evidentemente, nenhum comentário foi proferido sobre a responsabilidade dos banqueiros, dos legisladores, dos governantes e dos bancos centrais e das instituições financeiras internacionais, que montaram o modelo do capitalismo financeirizado.

  19. Me lembro de um acontecimento
    Me lembro de um acontecimento levemente parecido com esta bolha, que ocorreu nos anos 80 (ou 70) em Uberaba e Araxá-MG: havia uma empresa estatal (Valefertil – hoje Fosfertil), na época com sede em Belo Horizonte.

    Determinado dia (acho que o responsável leu no horóscopo), alguém decidiu transferir a sede para Uberaba, obrigando centenas de famílias a mudar para lá. Obviamente o índice de aluguel estourou na praça de Uberaba.

    Alguns investidores resolveram construir prédios para essa turma e davam um “recibo em branco” do sinal da aquisição da moradia. Assim o cara pagava apenas as prestações da casa, sem se preocupar com a entrada.

    Passam os dias, (talvez nova leitura do horósocpo) e alguém decide mudar a sede da empresa de volta para BH.

    Aí então os moradores foram à forra: simplesmente foram no banco financiador e entregaram as chaves dos imóveis financiados, avisando que as prestações pagas deveriam ser consideradas como aluguel apenas.

    Esses cidadãos nada perderam, apenas a financeira ficou com um estoque elevado de imóveis sem compradores.

    No Japão na década de 80 também houve uma bolha imobiliária. Naquela época, para se obter um cuxixoca a uma hora do centro de Tóquio, o financiamento forçava até os netos do comprador a pagar as prestações.

    Um belo dia essa bolha estourou. Aí, também as moradias valiam muito menos do que os financiamentos. E o melhor remédio foi parar de pagar.

    Os bancos ficaram encalacrados: se despejassem o mutuário, iriam realizar o prejuízo, se cobrassem o que o cara devia e não pagava, tinham que despejar.

  20. REVISTA DO BNDES, RIO DE
    REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 15, N. 30, P. 129-159, DEZ. 2008
    http://www.bndes.gov.br/conhecimento/revista/rev3005.pdf

    …………………..O mercado imobiliário americano tem uma característica importante. As famílias tomadoras de financiamento imobiliário, no caso de não conseguirem arcar com suas obrigações, podem liquidar seu empréstimo entregando a propriedade do bem ao banco financiador.

    Tal mecanismo é conhecido como walk away, no qual a execução do imóvel constitui-se na forma de pagamento da hipoteca. À medida que o preço dos imóveis torna-se inferior ao valor da dívida, há um incentivo maior para que ocorra esse tipo de situação………………………………..

  21. Creio que o maior incentiivo
    Creio que o maior incentiivo para os compradores das casas por meio de hipotecas com juros flutuantes estava no fato de a prestação inicial seria menor do que o aluguel que estavam pagando, e o fato de caso ficarem inadiplente poderem devolver o imóvel para quitar a dívida.

    O que significaria na pior hipótese ter um custo menor da moradia e ainda em condições de conforto bem melhor.

    E no caso de valorização do imóvel havia a possibilidade deste custo ser bem menor a ponto de representar custo de moradia zero por algum tempo, como no caso citado acima.

    Agora a irresponsabilidade ocorreu do lado das instituições financeiras que concederam os novos fianciamentos e os refinanciamentos se considerar adequadamente os risco de decvalorização do imóvel.

  22. A irresponsabilidade maior
    A irresponsabilidade maior pelo jeito foi das agência sde supervisão do sistema fianceiro americano e do FED, pois isto estava acotencendo aos olhos de todos.

    Por várias vezes foi alertado que os imóveis americanos estava se valorizando demasidamente, o que não se conseguia perceber por falta de regulamentação era o nível de risco das instituições americanas.

    È claro que é fácil falar agora, mas o fato é esse, ocorreu falha na supervisão do mercado fianceiro e em alguns caso fiscalização.

  23. Agora pior foi o nosso COPOM,
    Agora pior foi o nosso COPOM, que mesmo depois do estouro da Bolha imobiliária americana pelo FED, e muitas insttituições americanas estarem em risco, permitiu o aumento do déficit em conta corrente confiando no fiananciamento externo e num cerário de grande liquidez internacional.

  24. Obrigado Juliano, a coisa
    Obrigado Juliano, a coisa agora ficou mais clara,foi muito esclarecedor seu texto.
    A corrente da felicidade foi quebrada.
    O pior é quanto vai custar a sociedade americana e mundial o ajuste para retorno a “normalidade” economica.

    “Quando procuro correlacionar todos esses fatos, para buscar um motivo para a queda abrupta no preço e demanda por imoveis nos EUA naquela epoca, me vem a lembrança, que aproximadamente na segunda metade de 2007 o senado americano rejeitou a lei para anistia aos imigrantes.
    A partir da data em que a lei foi rejeitada, iniciou a brotar pelos jornais, manchetes de cidades fantasmas aparecendo, e imigrantes indo embora deixando para trás seus financiamentos.

    Eu particularmente acredito que isso contribuiu para detornar a bolha imobilaria.”

  25. Caro Roberto Lucatelli,

    Ví o
    Caro Roberto Lucatelli,

    Ví o vídeo que voce recomendou. É muito bom, engraçado e didático. Lá eles não tem o Gilmar Mendes para lhes livrar da cadeia. Mas nem por isso vão em cana. Lá a rede de proteção é maior ainda. No máximo vão ter os “bonus” diminuidos. Enquanto isso, alguns bilhões de habitantes da “empresa terra” vão pagar a conta.

  26. Nassif, aquí no Rio, existiu
    Nassif, aquí no Rio, existiu ou existe ainda o “leve o troco na troca”.
    Na compra de um carro novo, dando o seu como entrada, as concessionárias retornavam a diferença no valor da entrada, para o financiamento.
    As montadoras de automóveis, cansaram de lançar modelos com pequenas diferenças do modelo anterior, só para desvalorizar o seu auto e aumentarem lucros.
    Na década de setenta, um corretor de imóveis que trabalhava com uma empresa do ramo “Sergio Dourado, me dise que um imóvel vendido, na planta ou não, tinha uma ou duas vendas “forjadas”, para valorização e aumento no financiamento, do SFH.
    Todas essas práticas e outras, são de uso do “livre mercado”, que é “livre” demais, o chamado “capitalismo selvagem”.
    O ser humano ainda confunde liberdade com libertinagem.
    O juliano está confundindo o povo americano com o governo americano, se bem que votaram nele duas vezes, como aquí em FHC, que também não esperava a explosão dos problemas econômicos plantados por ele, quando ainda governava.
    Acredito que se o País estivesse sendo governado nestes últimos seis anos, pelos “verdadeiros” adeptos do “livre mercado”,PSDB e PFL( essa estória de DEM, é assim que uma palavra no Brasil começa a ter mais de um significado, o verdadeiro dela e outros…), o Juliano não teria nem blog para nos transmitir essas informações, algumas independentes e outras já com cunho ideológico.Sdc

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome