Confiança das famílias continua em recuperação lenta, diz CNC

Varejo
 
Jornal GGN – Segundo a Confederação Nacional de Comércio, Bens e Serviços (CNC), o índice de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) aumentou 1,4% em março na comparação mensal, chegando a 78,2 pontos em uma escala de 0 a 200, continuando abaixo da zona de indiferença, que é de 100 pontos.
 
A CNC avalia que, mesmo a redução na taxa Selic e a liberação das contas inativas do FGTS, o dinheiro que entrará em circulação será utilizado, principalmente, para o pagamento de dívidas e consequente redução do endividamento. Só depois disso é que este montante deve ir para o consumo. 
 
Os dois componentes ligados ao emprego da pesquisa tiveram uma pontuação acima da zona de indiferença. O Emprego atual teve alta de 1,8% na comparação com fevereiro e de 2,5% em relação a março de 2016, chegando a 108,3 pontos. 

 
A Perspectiva Profissional atingiu 103 pontos, representando uma aumento de 1,1% em relação ao mês anterior, mantendo-se estável na comparação anual. 
 
Já o subitem Nível de Consumo Atual caiu 2,4% na comparação com fevereiro e 4,1% ante março do ano passado. De acordo com a CNC, 60,8% das famílias disseram que estão com um nível de consumo menor do que o ano passado. O componente Compra a Prazo cresceu 2,5% na comparação mensal, mas caiu 5,2% em relação ao mesmo mês do ano passado. 
 
A pesquisa da CNC também aponta que a perspectiva de consumo das famílias teve crescimento de 3,1%. Na comparação anual, o índice aumentou 13,1%, a sexta variação anual positiva desde agosto de 2014, chegando a 69,7 pontos.
 
A confederação espera que as vendas do comércio fiquem estáveis neste ano, dizendo também que a desaceleração da inflação já ajudou a reduzir o ritmo de queda no varejo no último trimestre no ano passado.  O volume vendido caiu 1,2% no quarto trimestre ante o terceiro trimestre do ano passado, depois de recuar 1,6% no trimestre anterior.
 
Assine

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. Esses números são bem

    Esses números são bem ilusórios, as famílias tem a falsa persepção de melhoria porque receberam ou receberão recursos provenientes do FGTS, só que se esquecem que esses recursos deveriam ser uma poupança e não um fonte para gastança. Se as famílias começarem a perceber o erro que é ficar sem poupança, logo deixarão de gastar o dinheiro do FGTS e contarão apenas com os rendimentos do salário, que estão em queda visto que muitas categorias tiveram aumentos abaixo da inflação.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome