O ajuste fiscal e a inflação

Do leitor Flávio

Nassif,

essa desvalorização não geraria necessariamente inflação, desde que fossem reduzidos gastos públicos. A taxa de câmbio teria efeitos importantes somente sobre um dos componentes da demanda agregada, as exportações. O controle dos gastos públicos (principalmente os gastos primários, já que os investimentos poderiam ajudar a aumentar o PIB potencial), ajudado pela redução da taxa de juros, reduziria outro componente, que são os gastos do governo. O problema é que essas reduções têm um grande custo político. A definição de uma nova taxa de câmbio, mais desvalorizada, ajudaria os empresários a aumentarem os investimentos, juntamente com uma taxa de juros mais civilizada. A depender da redução dos gastos públicos, talvez, não houvesse um aumento da inflação, mesmo com a desvalorização cambial.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora