Painel internacional

O consumo da China, não o yuan, é a chave para o crescimento global equilibrado

Pequim: a capacidade da China para impulsionar a demanda doméstica, mais do que o valor da moeda do país, é a chave para assegurar o crescimento mais equilibrado da economia mundial, disse Sun Zhenyu, embaixador chinês na Organização Mundial do Comércio. “A taxa de câmbio em si não é um fator decisivo em toda a balança de comércio global ou o desenvolvimento da economia mundial”, disse em uma entrevista de 1 de julho, em Bruxelas. “A verdadeira questão aqui é sobre o consumo da China, se o país consumiu bastante ou gastou o suficiente, e também se os EUA pouparam o suficiente.” China, a grande economia que mais cresce no mundo, está pressionando as empresas a se tornarem mais competitivas e promover maior consumo doméstico, para reduzir sua dependência de investimentos e exportações.

Dependência nas exportações
O mês passado sinalizou o fim do atrelamento do yuan ao dólar, adotado durante a crise global para proteger os exportadores. Embora os gastos no varejo estejam se expandindo, dezenas de milhões de postos de trabalho ainda dependem de indústrias exportadoras como têxteis, eletrônicos e máquinas. A paridade de dois anos entre o yuan e o dólar terminou em 19 de junho, quando a China disse que permitiria maior flexibilidade na moeda, para conter a inflação e reequilibrar a economia afastada das exportações. A paridade, de cerca de 6,83 yuans por dólar, havia anulado a competitividade das nações dependentes da exportação da Ásia.

O Banco Popular da China permitiu que o yuan valorizasse 0,8% desde então, e agora a moeda pode ser comercializada em até 0,5% contra o dólar do outro lado da chamada taxa central de paridade. A mudança de política monetária irá prejudicar muitos pequenos exportadores chineses que já se esforçam para fazer face às despesas, disse Sun.
Clique aqui
E mais:
EUA: Esperando uma política comercial – Editorial
Esforço de recuperação da BP fica muito aquém das promessas
A América precisa melhorar os empregos mal remunerados – Richard Florida
Departamento de Justiça deverá processar o Arizona por lei de imigração

EUA: Esperando uma política comercial

Editorial
A Casa Branca anunciou que pretende avançar com o há muito ignorado pacto de comércio com a Coreia do Sul. O acordo foi alcançado pelo ex-presidente George W. Bush, mas com o presidente Obama planejando visitar a Coreia do Sul para uma reunião de cúpula do grupo das 20 principais economias (G20) em novembro, ele agora está se empenhando em resolver questões pendentes e submeter o tratado de ratificação após as eleições do outono.

Esta é uma boa notícia, com certeza. Mas não é suficiente no momento em que o protecionismo está aumentando em todo o mundo. Até agora, a estratégia da administração Obama de comércio tem se limitado à esperança de que uma recuperação econômica mundial e a valorização da moeda chinesa duplique as exportações norte-americanas em cinco anos. Além deste novo entusiasmo, a abordagem de Obama para o comércio ainda parece ser prejudicada por uma forte oposição da base de seu partido.

Os Estados Unidos devem se tornar uma voz predominante para o comércio internacional aberto. Ela deve pressionar mais fortemente para a conclusão da rodada de negociações comerciais que começou há nove anos em Doha, Qatar, e desfazer a miríade de medidas protecionistas que os governos ao redor do mundo – incluindo o nosso – adotaram desde o crash financeiro.
Clique aqui

Esforço de recuperação da BP fica muito aquém das promessas

Nos 77 dias desde que o petróleo da rompida (plataforma) Deepwater Horizon começou a jorrar no Golfo do México, a British Petroleum (BP) coletou ou queimou cerca de 60% do montante que prometeu aos reguladores que poderia remover em um único dia. A disparidade entre o que a BP prometeu no documento de 24 de março aos reguladores federais e a quantidade de petróleo recuperado desde a explosão de 20 de abril ressalta o que alguns funcionários e grupos ambientalistas chamam de um jogo de números enganosos que levou a uma confusão generalizada sobre a extensão do derrame e o progresso da recuperação.

“É claro que eles subestimaram (as metas)”, disse John F. Young Jr., administrador do condado de Jefferson Parish, na Louisiana. ” Acho que o governo federal deveria pelo menos ter pego o telefone e começado a fazer algumas perguntas e questionado (a BP) sobre a precisão daqueles números e checado a veracidade desta afirmação.” Em um relatório de março, que não foi questionado pelas autoridades federais, a BP disse que tinha a capacidade de coletar e remover 491.721 barris de petróleo por dia no caso de um derrame grave.

A partir de segunda-feira, com cerca de 2 milhões de barris lançados no golfo, as operações de coleta que foram aclamadas como fundamentais para a prevenção de desastres ambientais têm (retirado do mar) em média menos de 900 barris por dia. A coleta capturou apenas 67.143 barris, e a BP confia em uma incineração que vai remover 238.095 barris. A maior parte do óleo recuperado – cerca de 632.410 barris – foi capturada diretamente no local de vazamento do poço. Funcionários da BP se recusaram a comentar a validade das projeções precoce de coleta, enfatizando o compromisso da empresa na construção de poços de alívio que se destinam a conter o vazamento.
Clique aqui

A América precisa melhorar os empregos mal remunerados

Richard Florida
Um coro crescente de analistas acredita que a América enfrenta um futuro aumento de desempregados (com baixos salários). Eles argumentam que a economia dos EUA não pode mais criar números significativos de empregos com altos salários, principalmente para os trabalhadores menos qualificados que não têm faculdade ou níveis mais avançados. Não há dúvida de que milhões de empregos com altos salários foram eliminados e a criação de vagas no setor privado tem sido anêmica. O nível de desemprego nos EUA caiu para 9,5% nos dados mais recentes divulgados na sexta-feira, mas essa diminuição foi principalmente porque mais de meio milhão de pessoas desistiram de procurar trabalho.

Períodos de crise e de destruição criativa como a atual são quando novas categorias de empregos se criam, enquanto as velhas são destruídas. A chave para uma recuperação sustentada é transformar o maior número delas – assim como os empregos de menor remuneração – para melhores trabalhos de apoio familiar. Considere este fato simples: a economia dos EUA continua no caminho de gerar 15 milhões de novos postos de trabalho durante a próxima década, de acordo com os dados mais recentes do Escritório de Estatísticas do Trabalho, mais que o dobro dos 7,4 milhões que foram perdidos durante a crise econômica.

Cerca de metade destes empregos – 6,8 milhões – vão ser bem pagos, para começar: altamente qualificados, trabalhos de altos salários em setores de conhecimento profissional e técnico. Curiosamente, não exigem diploma universitário. Steve Jobs, Michael Dell e Bill Gates, vale notar, estão nesta segunda categoria. A outra metade dos 15 milhões de novos empregos – 7,1 milhões deles – pagarão muito menos, sendo trabalhos de baixa qualificação no setor de serviços de rotina: entre eles estão 835 mil em cuidados pessoais de saúde, 400.000 postos em novos serviços a clientes, 400 mil trabalhadores em preparação de alimentos e 375 mil funcionários no varejo. Mais de 60 milhões de trabalhadores norte-americanos já fazem este tipo de trabalho, ou 45% da força de trabalho .
Clique aqui

Departamento de Justiça deverá processar o Arizona por lei de imigração

O Departamento de Justiça decidiu entrar com uma ação contra o Estado do Arizona, alegando que a nova lei estadual de imigração é ilegal e se intromete em prerrogativas federais, disseram fontes policiais nesta segunda-feira. A ação, que três fontes disseram que poderia ser apresentada nesta terça-feira, vai invocar como principal argumento a doutrina jurídica da “antecipação”, que se baseia na cláusula suprema da Constituição e diz que a lei federal supera os estatutos dos estados. Funcionários do Departamento de Justiça acreditam que a implantação de leis de imigração é uma responsabilidade federal, disseram as fontes.

A ação federal vai aumentar dramaticamente a batalha jurídica e política sobre a lei do Arizona, que dá à polícia o poder de interrogar qualquer um que ela tiver uma “suspeita razoável” de que a pessoa seja um imigrante ilegal. A medida atraiu as palavras de condenação do presidente Obama, o Procurador Geral Eric Holder Jr. e a oposição de grupos de direitos civis. A lei também levou a pelo menos cinco outros processos. Autoridades do Arizona pediram ao governo Obama para não processar o Estado.
Clique aqui

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora