Painel internacional

Alemanha quer nacionalizar parte do sistema bancário

SPIEGEL ONLINE

O governo alemão está preocupado com que a atual escassez de crédito bancário que assola a indústria vá se agravar ainda este ano, e está considerando resolver o problema adquirindo participações forçadas em bancos, à semelhança da política adotada pelas autoridades dos Estados Unidos e Grã-Bretanha, relatou um jornal alemão na segunda-feira. O plano prevê que os bancos sejam forçados a assumir a ajuda estatal, nacionalizando uma parte deles em troca, noticiou o Süddeutsche Zeitung, citando fontes anônimas. Até agora, tanto a chanceler (primeira-ministra) Angela Merkel e o ministro das Finanças, Peer Steinbrück, rejeitaram tais auxílios obrigatórios e estão permitido aos bancos escolherem se desejam explorar o fundo de estabilização do governo criado no ano passado. Mas analistas da Chancelaria, Ministério das Finanças e da Economia agora concordam que a Alemanha está sob risco de um arrocho de crédito que poderia agravar a recessão, já a mais profunda desde a década de 1930, disse o Süddeutsche.

Clique aqui


Clinton quer ampliar relações EUA-Índia

New York Times

A Secretária de Estado dos EUA, Hillary Rodham Clinton, clamou por uma “nova abordagem” nas relações entre os Estados Unidos e a Índia nesta segunda-feira, movendo-se para além dos limites formais da diplomacia, e aumentando o intercâmbio entre os empresários, estudantes e ativistas. Em um importante discurso na Universidade de Deli, que misturou temas políticos com humor e autocrítica, Clinton disse que “a diplomacia deve ir para além do governo, na era em que vivemos”. Os dois países, disse, irão prosseguir em uma “abordagem estratégica global”, que abrangeu questões que vão desde a educação e segurança alimentar até alterações climáticas.
Clique aqui


Europa diverge sobre regras de derivativos

FT.com logo

A rivalidade entre Paris e Londres pode comprometer a competitividade da Europa no grande mercado de derivativos de balcão, alertou o órgão regulador da bolsa de valores da França. Jean-Pierre Jouyet, presidente da Autoridade dos Mercados Financeiros, o regulador francês, disse ao Financial Times que o desacordo entre os dois países sobre a maneira de regular o comércio destes produtos complexos poderia dificultar uma solução europeia e levar negócios para os EUA. “Nos EUA eles viram a ameaça (da crise mundial) e estão criando câmaras de compensação. Mas na Europa não, porque há desacordo entre Paris, Londres e Frankfurt“, disse. Londres teria que “aceitar que Paris tem um papel” na compensação de negócios com derivativos denominados em euro, enquanto Frankfurt foi mais neutro no debate. “Se a Europa não chegar a um acordo e retroceder, as negociações serão feitas com o sistema de compensação dos EUA. Eles têm a tecnologia, conhecimento e regulação. A Europa tem de saber o que quer”. Este mês, a Comissão Europeia apelou por mais padronização nos mercados de balcão, e aumentou a utilização de câmaras, que já se encontram em curso nos EUA.

Clique aqui


China alerta para empréstimos imobiliários

O principal regulador bancário da China alertou no domingo para os riscos de ressurgimento dos empréstimos bancários, singularizando os perigos de crescimento insalubre do mercado imobiliário. “(Nós) Devemos controlar o risco de empréstimos imobiliários”, afirmou Liu Mingkang, o chefe da Comissão Reguladora Bancária da China, acrescentando que medidas devem ser tomadas para avaliar melhor a solvabilidade dos mutuários. Liu disse que os empréstimos bancários têm ajudado a estabilizar a economia, mas fez um de seus mais fortes apelos aos bancos, a fim de evitar riscos excessivos. “No primeiro semestre do ano, os empréstimos bancários do nosso país se expandiram rapidamente e ajudaram a desempenhar um papel importante na estabilização da economia, mas o crescimento dos empréstimos levou a um acúmulo dos riscos”, disse em uma declaração no site da Comissão Reguladora Bancária da China. Sua advertência surge após junho de empréstimos atingiu 1,53 trilhão de iuanes (US$ 223,9 bilhões), superior às expectativas dos analistas.

Clique aqui


Economias do Báltico afetam bancos suecos

BBC NEWS

O banco sueco SEB relatou perdas no período de abril a junho, devido à sua exposição às enfraquecidas economias bálticas. O SEB registrou um prejuízo líquido de 193 milhões de coroas (US$ 24,7 milhões), comparado com um lucro de 2,8 bilhões de coroas no mesmo período do ano anterior. O SEB teve uma perda de crédito de 3,6 bilhões de coroas, 74% dos quais foram nos Países Bálticos, e reconheceu uma desvalorização de 2,4 bilhões de coroas nos valores dos seus ativos no Báltico e Rússia. O aprofundamento da recessão nos Países Bálticos pesou fortemente sobre os bancos nórdicos. Os ativos do SEB ficaram altamente expostos a uma possível precipitação em países como a Letónia e a Lituânia, após a rápida expansão nos últimos anos.

Clique aqui


Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora