Painel internacional

A crise do socialismo europeu

New York Times

Um espectro ronda a Europa – o do lento colapso do socialismo. Mesmo em meio a um dos maiores desafios para o capitalismo em 75 anos, envolvendo a ruptura do sistema financeiro devido à “exuberância irracional”, a ganância e a debilidade dos sistemas de regulação, os partidos socialistas europeus e seus primos de esquerda não encontraram uma resposta convincente (para a crise) e muito menos aproveitaram as falhas da direita. Os eleitores alemães castigaram o Partido Social Democrata no domingo, dando-lhe apenas 23% dos votos, o pior desempenho desde a Segunda Guerra Mundial. Onde a esquerda detém o poder, como na Espanha e Grã-Bretanha, fica sob ataque. E onde está de fora, como na França, Itália e agora na Alemanha, é dividida e desatenta. Os partidos de centro-direita da Europa abraçaram muitas idéias de esquerda: benefícios sociais generosos, nacionalização dos cuidados com a saúde, restrições acentuadas nas emissões de carbono e cessão de alguma soberania para a União Europeia. Eles ganharam votos com a promessa de entregar mais eficiência do que a esquerda, enquanto trabalham para baixar os impostos, melhorar a regulação financeira e lidar com o envelhecimento das populações.

Clique aqui

E mais:

A participação estrangeira na China

Contração do Reino Unido foi menor que o esperado

BNP Paribas venderá ações

Banco Europeu de Reconstrução pede mais capital

A participação estrangeira na China

A China vai convidar mais especialistas estrangeiros para participar do desenvolvimento econômico e social do país, disse no domingo o vice-premiê Li Keqiang. “O desenvolvimento e as conquistas feitas na China nos últimos 60 anos têm sido o resultado da união de esforços do povo chinês de todas as etnias, juntamente com o trabalho árduo e dedicação de numerosos peritos estrangeiros”, disse. Li fez as declarações durante uma recepção às vésperas do 60 º aniversário da fundação da República Popular da China. Cerca de 1.800 especialistas estrangeiros e funcionários chineses participaram da solenidade. O número de peritos estrangeiros que trabalham na China continuou a subir, atingindo 480.000 visitas em 2008, disse. A China instituiu o Prêmio Amizade em 1991, a mais alta condecoração do país para peritos estrangeiros, para recompensar aqueles que contribuíram de forma notável para o progresso econômico e social da China.

Clique aqui


Contração do Reino Unido foi menor que o esperado

BBC NEWS

A taxa de contração da economia do Reino Unido nos três meses de abril a junho foi reduzida novamente. O produto interno bruto (PIB) caiu 0,6% em comparação com o trimestre anterior, melhor do que a estimativa anterior, de contração de 0,7%. A mais recente melhoria veio principalmente dos setores da indústria e construção. Isso sugere que o Reino Unido pode ver mais sinais de recuperação e, possivelmente, até mesmo crescimento no terceiro trimestre. A estimativa original indicou uma queda de 0,8%. O Instituto de Estatísticas Nacionais mostrou números de produção em queda de 0,1% no segundo trimestre, metade do montante estimado anteriormente. A taxa de declínio na construção foi de 0,8%, ao invés dos 2,2%, disse o IEN.

Clique aqui


BNP Paribas venderá ações

O banco francês BNP Paribas anunciou na terça-feira que vai vender 4,3 bilhões de euros (US$ 6,3 bilhões) em ações, como parte de um plano para reembolsar o investimento do governo no grupo. O banco disse que vai usar o resultado da venda, juntamente com o saldo do pagamento de dividendos em ações, para ajudar a retornar 5,1 bilhões de euros que o Estado francês investiu em ações preferenciais (sem direito a voto). “A intervenção do Estado para disponibilizar capital e liquidez, crucial no meio da crise financeira, atingiu plenamente os seus objetivos. Dada a mudança de ambiente e o forte desempenho do BNP Paribas, este apoio não é mais necessário“, disse o banco.

Clique aqui


Banco Europeu de Reconstrução pede mais capital

Financial Times

O Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento apelou por um aumento de 50% do capital, para atenuar o impacto da crise econômica mundial sobre a Europa Central e Oriental. O banco multilateral, controlada por cerca de 60 governos, incluindo membros da União Européia, EUA e Japão, está pedindo um reforço de 10 bilhões de euros (US$ 14,5 bilhões) para expandir seus empréstimos e compensar o declínio acentuado nos fluxos de capital privado para os países ex-comunistas.

Clique aqui




Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora