Ensino médio para quem?: professores debatem reforma no RJ

reforma-do-ensino-medio-em-sao-paulo_rovena_rosa.jpg

Foto: Rovena Rosa/ Agência Brasil

Jornal GGN – Na próxima segunda-feira, dia 10 de abril, o Sindicato dos Professores do Município do Rio e Região (Sinpro-Rio) irá promover o debate ‘Ensino Médio, para quê e para quem?’, no qual será discutida a reforma implementada pelo governo de Michel Temer.

Professor do Programa de Pós-graduação em Educação da UFF, Paulo Carrano afirma que o governo se aproveitou de um descontentamento legítimo para construir um sistema que vai negar o direito dos jovens a uma educação de qualidade.

“A reforma do ensino médio, ao definir itinerários formativos de forma precoce, pode levar uma grande parte da juventude a viver, ao final do ensino médio, um drama pela escolha compulsória ou precipitada. Mas, os mais atingidos sem dúvida por essa proposta serão os setores populares”, afirma Carlos Artexes, ex-coordenador do ensino médio e diretor de Educação Básica do MEC.

Leia mais abaixo e saiba mais sobre o evento aqui

Ensino Médio, para quê e para quem?

Professores debatem no Sinpro-Rio

A polêmica reforma do ensino imposta pelo governo ilegítimo de Michel Temer será discutida no debate “Ensino Médio, para quê e para quem?”,  na sede do Sinpro-Rio,  próxima segunda-feira, 10 de abril. O evento contará com os professores Carlos Artexes, Paulo Carrano e Silvana Bandoli Vargas, chefe do Departamento de história do Colégio Dom Pedro II (mediação). A abertura será do presidente do Sinpro-Rio, Oswaldo Teles.

“Os jovens diante do “novo”ensino médio no Brasil” será o tema de Paulo Carrano, doutor em Educação, professor do Programa de Pós-graduação em Educação da UFF, coordenador do Grupo de Pesquisa Observatório Jovem e  primeiro Secretário da ANPEd – Anped – Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação.  

Para o professor Carrano, ao editar a MP 746, que reformula o ensino médio, o governo Temer se aproveita de um descontentamento legítimo da juventude para construir um sistema baseado na negação do direito desses mesmos jovens a uma educação de qualidade.”

Carrano entende que o ensino médio necessita de mudanças, mas não da forma com que o atual governo impõe: “Eu acho que o ensino médio precisaria de uma concertação nacional. A gente pode até fazer um jogo de palavras: o governo federal está querendo consertar o ensino médio de cima para baixo, mas na verdade nós precisaríamos de uma concertação de baixo para cima. Ou seja, a sociedade discutindo que tipo de formação humana e cidadã, que tipo de técnico-profissional o ensino médio precisa oferecer para todos. Não uma decisão arbitrária, que não está tocando em pontos sensíveis que estão previstos no PNE: a valorização do professor, de condições de infraestrutura, de melhor formação desse professor para que ele dê conta de uma juventude que é contemporânea do seu tempo, mas que muitas vezes está sendo educada em valores, princípios, métodos ultrapassados”.

Já Carlos Artexes, ex-coordenador do ensino médio e diretor de Educação Básica do MEC, professor aposentado do CEFET-RJ e diretor do SESC, falará sobre o “Impacto na reforma do ensino médio”. Para Artexes, a simples constatação e identificação do problema não torna qualquer proposta apresentada como capaz de promover a solução desejada:  “Constatar falhas é muito mais fácil do que promover soluções e algumas mudanças podem agravar ainda mais a situação inicialmente identificada, como mostra a história das diversas mudanças legais para o ensino médio no Brasil. Verdadeiras soluções são processuais e não resultam de decisões pontuais, midiáticas e imediatistas. A análise dos fenômenos educacionais é complexa e deve considerar suas dimensões conceituais, culturais, sociais e econômicas.”

Carlos Artexes ressalta que a classe pobre será a mais prejudicada com a medida:  “A reforma do ensino médio, ao definir itinerários formativos de forma precoce, pode levar uma grande parte da juventude a viver, ao final do ensino médio, um drama pela escolha compulsória ou precipitada. Mas, os mais atingidos sem dúvida por essa proposta serão os setores populares, cerceados de suas possibilidades futuras e tendo que enfrentar ainda maiores dificuldades para superar o abismo das desigualdades sociais que são permanentemente (re)produzidas.”

Assine

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. Ensino médio integrado com o técnico

    Tenho lido muito a respeito sobre a reforma do ensino médio, ou sobre o “novo ensino médio”, na minha opnião acho muito interessante a ideia do aluno poder optar a área que quer seguir, também sou a favor do aluno fazer o ensino técnico integrado com o médio, através do mediotec isso será possível, só espero que o programa saia do papel! 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome