Caso Jarbas: conteúdo ou motivação?

No seu artigo de hoje em O Globo, o Merval Pereira admite o óbvio: que o sistema partidário brasileiro induz ao fisiologismo mais amplo, que a cooptação do PMDB por Lula, denunciada por Jarbas Vasconcellos, ocorreu com Fernando Henrique Cardoso. Enfim, constavava o óbvio: que todos os gatos são pardos. Para mostrar uma diferençazinha, diz que Lula demora mais que FHC para defenestrar os suspeitos.

Não é o caso de usar o argumento como forma de não-ação, mas de ir ao centro da questão, que é o sistema eleitoral-partidário brasileiro.

Antes de ontem, a Dora Kramer, no Estadão, questionava essa história de se buscar as motivações da entrevista do Jarbas. O que valia, segundo ela, era o conteúdo. Que conteúdo? Acusações genéricas sobre temas de conhecimento geral?

A única novidade era o fato de supostamente ser o desabafo de um homem justo, um varão de Plutarco que jamais recorrreu a tais métodos. Quase chorei ouvindo o Arnaldo Jabor perpetrar uma de suas crônicas brilhantes sobre a indignação do homem justo.

Quando se sabe que Jarbas imputa aos aliados do atual governo as mesmas práticas das quais ele era agente principal, junto ao PMDB, no governo FHC, a única importância da entrevista é permitir entender a motivação por trás dela.

O sábio Golbery do Couto e Silva dizia que a verdade era enfadonha: tinha apenas um ângulo. A mantira, não, revelava mil nuances sobre o mentiroso e suas motivações.

Agora, cá para nós, ouvir o Eduardo Cunha criticando o Jarbas Vasconcellos é de doer. Alguém apontou um artigo pós-Jarbas denunciando as manobras do PMDB com o Fundo Real Grandeza, de Furnas. Aí não se trata de denúncia de PIG, nem de armações amarelas da Veja: é risco na veia com o dinheiro dos trabalhadores de Furnas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

31 comentários

  1. Da série: RECORDAR É
    Da série: RECORDAR É VIVER:

    Antes a Folha de São Paulo, possuía um outro entendimento sobre Jarbas Vascocelos, vejam abaixo:

    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc28079821.htm
    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc26079824.htm
    1.998. Peritos apuraram desvios de R$ 2,5 milhões no governo do ex-prefeito Jarbas Vasconcelos (PMDB).

    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc27129801.htm
    1.998. Dança das siglas. Tucanos dizem que o governador eleito de Pernambuco, Jarbas Vasconcelos, estaria de malas prontas para deixar o PMDB e ingressar no PSDB

    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff05029927.htm
    1.998. Pernambuco quer água do Sudeste. O projeto, que será discutido hoje em reunião com o governador Jarbas Vasconcelos (PMDB), prevê o uso de navios e trens de carga para o transporte de água do Sudeste para Pernambuco, para resolver o problema da sêca.

    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz03069902.htm
    1.999. Calote por decreto. Jarbas deixa de pagar precatórios da administração anterior de Miguel Arraes. Jarbas emitiu um decreto considerando-os todos nulos.

    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff25059914.htm
    1.999. O governador de Pernambuco, Jarbas Vasconcelos (PMDB), acusou o Ministro da Saúde José Serra, de sensacionalismo e de espalhar pânico na população, no problema da contaminação de sangue, em 1997 e 1998, no HEMOPE hemocentro de Pernambuco.

    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff19059929.htm
    1.999. Em Recife o governador de Pernambuco, Jarbas Vasconcelos (PMDB), criticou ontem o Ministro da Saúde, José Serra, pela forma como tratou uma possível contaminação de pessoas que receberam derivados de sangue entre 97 e 98. Para Vasconcelos, o ministro foi “precipitado” ao fazer “declarações com estardalhaço”.

    Para a Folha de São Paulo, no passado, Jarbas Vasconcelos era aquilo, mas hoje a Folha acha que ele é um “santo no panteão dos impolutos”.

    A mistura do interesse ideológico e comercial da Folha de São Paulo, é tão visível que até aqueles que tinham dúvida já se aperceberam do “caminho das pedras”.

  2. Concordo.Acácio Merval
    Concordo.Acácio Merval Pereira,estava nos seus momentos de extrema opacidade,ao produzir seu texto ,da edição de hoje.A certa altura ,investiu-se na condição de “advisor” da oposição,criticando a inércia combativa dos demos&tucanos. Lembrou-me,sei lá porque, dr.Macarra:talvez pelo físico,talvez pelas bravatas inconsequentes ou ainda, uma falsa ingenuidade.
    PS.:Dr.Macarra,pelas suas contribuições sociológicas,mereceria uma resenha nesse espaço.
    Os leitores compulsivos do velho “O Cruzeiro”,agradecem.

  3. Eu acho pedagógico e
    Eu acho pedagógico e necessário vincular esse episódio da entrevista de Jarbas Vasconcellos às revelaçôes sobre o castelo do deputado Edemar Moreira, imediatamente anteriores. Os membros da coalizão PSDB-DEM, paladinos da moral e dos bons costumes políticos certamente ignoravam essa preciosidade do seu representante e, graças a Deus, foram informados pela nossa imprensa, sempre vigilante. Mas…uma vez conhecedores dessa circunstância, não tardaram a impedir essa degradação !!!!
    Agora falando sério: à essa altura do campeonato, até o gandula sabe que a melhor maneira de acabar um escândalo e começar outro.

  4. Dora Kramer diz que o
    Dora Kramer diz que o importante é o conteúdo, não as motivações. Isso é exatamente o que pretende o Sr. Jarbas. Haja sinergia entre jornalistas lacaios e políticos hipócritas!!!!

    O político no ostracismo lança um factóide, a imprensa repercute, os pseudo-moralistas se mostram indignados, e por fim alguém diz em alto e bom som (novamente através dos mesmos veículos de desinformação): chegou a hora de agir, forjamos um argumento para antecipar o ataque.
    Então, o PMDB lulista e o PSDB aecista são acuados pelo PMDB quercista e o PSDB serrista, por meio de uma acusação que lembra aquele julgamento do personagem de O Processo, de Kafka. Tornam-se, como na União Soviética de Stálin, “criminosos sem crime”.

    Simultaneamente, ocorre uma tentativa de realinhamento das forças políticas, no interior dos partidos e dentro dos Estados. Seguem-se reuniões de cúpula, encontros em hotéis, jantares em belas casas no Lago Paranoá, um clima de euforia na Alameda Barão de Limeira, um certo mal-estar entre os correligionários daquele governador que namorou uma Miss Brasil.

    Mas, como disse a Dora Kramer, o que importa é o “conteúdo”. Que conteúdo, Kramer pálida? Afirmações, vagas, imprecisas, crimes sem prova de materialidade ou indícios de autoria. Curiosa tabelinha entre o jornalismo e a elite do poder: o jornalista fala de crimes sem criminosos, a imprensa repercute o “escândalo” e num passe de mágica a situação se inverte: agora, trata-se de criminosos sem crime.

    Enquanto isso, o povo permanece alheio. A jogada foi tão mal articulada que o senador pernambucano resolveu dar a entrevista antes do carnaval, quando o frevo contagia a população de Olinda e Recife, No Rio só se fala das “celebridades” do mundo do jet-set e em São Paulo só mesmo no Higienópolis alguém espera que o plano de certo.

    Preciso sair. Vou na rua 25 de março comprar minha fantasia de carnaval. Nos vemos no próximo factóide, no mês que vem.

  5. Bom, se Jarbas Vasconcelos
    Bom, se Jarbas Vasconcelos utilizou, no governo FHC, os mesmos estratagemas que agora critica em seu partido de sempre, seu ” desabafo”, como disseram alguns cronistas, é uma auto-recriminação tardia? A motivação foram remorsos?
    Sobre a avaliação de Dora Kramer, é tentar estupidificar a sociedade. Como assim, ” o que importa é o conteúdo”? Que conteúdo? O conteúdo valeria se Vasconcelos estivesse criticando a postura de seu partido no governo que apoiou, aí sim, haveria algo de novo. Criticar desafetos não é nada de novo no mundo. Talvez Dora precise relembrar aquela velha frase de que a notícia é quando o homem morde o cachorro.

  6. Senhor Nassif, nessa história
    Senhor Nassif, nessa história de Jarbas Vasconcelos, há um componente fundamental que ninguém ainda destacou: por natureza, Jarbas é um sujeito raivoso, rancoroso. Jarbas tem um inimigo, Eduardo Campos, governador de Pernambuco, graças à força politico-eleitoral de Lula. Jarbas saiu da eleição de 2006 desmoralizado, pois viu seu maior desafeto ser eleito governador de Pernambuco, e seu candidato, Mendoncinha, fragorosamente derrotado. O “oba-oba” em torno da força eleitoral desse senador era tão grande que a imprensa dizia que ele seria eleito com 80% dos votos. Resultado: teve pouco mais de 50% e só é senador hoje, porque Ariano Suassuna desistiu de ser candidato na chapa de Eduardo Campos. Portanto, senhor Nassif, a motivação das críticas de Jarbas à revista, segue a mesma lógica dos discursos no Senado, externar o ódio que nutre por Eduardo, atacando o presidente Lula. Para o senhor ter uma idéia do quanto Jarbas sofre com a derrota de 2006, imagine o sentimento que Daniel Dantas deve nutrir por Paulo Herique Amorim. Jarbas é um doente, um ressentido, um revanchista. Ele é tão incoerente que suas críticas o tornam um imbecil e, pra mim, é essa imbecilidade que deve ser destacada na entrevista dele.

  7. Concordo plenamente Nassif, a
    Concordo plenamente Nassif, a única importância é permitir entender a motivação por trás dessa entevista sob encomenda. Se a crise ainda apavorasse tanto quanto em dias não muito distantes, a turma demotucana tinha guardado o senador servil por mais tempo na manga. Você sabe disso melhor que ninguém, O Caso Veja é uma obra importantíssima para o povo brasileiro entender esses movimentos políticos, ou melhor, politiqueiros.
    http://sertao18.blogspot.com/2009/02/tudo-pelo-poder-no-limite-da.html
    Se me premite Nassif, a palavra mentira está grafada errada no penúlitmo parágrafo.
    Grande e fraterno abraço.
    Parabéns pelo seu trabalho.

  8. Senhor Nassif, sempre que
    Senhor Nassif, sempre que vejo alguma notícia relacionada a este senador doente, eu me lembro de uma frase profética de Joaquim Francisco no guia eleitoral da campanha de 1990 ao governo de Pernambuco: “eu vou desmistificar você, Jarbas Vasconcelos”, dizia o pefelista que disputou e venceu aquela eleição contra Jarbas.

  9. Senhor Nassif e internautas
    Senhor Nassif e internautas que frequentam o blog, pesquisem o ambiente eleitoral de Pernambuco em 1989-1990. Se não estou enganado, foi nessa época que o nome do hoje senador foi ligado a um escândalo de doação de campanha pela empresa Queirós Galvão. Segundo noticiário da época, papéis da construtora traziam “jarb vasc” anotados como receptor de doação ilegal de recursos para a campanha.

  10. Os maiores aliados hoje desse
    Os maiores aliados hoje desse senador raivoso são os pollíticos do DEM. Eles agoram são a referência ética de Jarbas. Bom lembrar como o senador se referia a Marco Maciel na campanha de 1990: “lambe-botas da ditadura”.

  11. Aliás, ri muito, quando vi as
    Aliás, ri muito, quando vi as declarações do nobre deputado Eduardo Cunha e o Elio Gaspari relembrou bem as suas, digamos, façanhas na vida pública.

  12. Nassif, a indignação coletiva
    Nassif, a indignação coletiva que hora se realiza é mais uma tentativa de começar a campanha eleitoral. Mas começar com o quê ? O PSDB tem mesmo muito o que mostrar além dos comerciais do Serra exibidos em cadeia nacional ? Acho que não. além disso, com esta história do Jarbas, acho que o PMDB e o PFL do B (perdão, PSDB) somente estão queimando os cartuchos antes do tempo. Por outro lado, você não acha que, de mãos amarradas quanto a crise mundial, a oposição não está tentando focar na política ?

  13. Nassif:

    De fato o Senador
    Nassif:

    De fato o Senador Jarbas Vasconcelos é um autentico varão de Plutarco… Dê uma olhadinha em um artigo do seu colega de IG Leonardo Sakamoto sobre as atitudes do nobre senador em relação a fiscalização do trabalho escravo, um problema crônico em certos rincões brasileiros. Segue o link abaixo:

    http://colunistas.ig.com.br/sakamoto/2009/02/18/o-pmdb-e-os-esqueletos-guardados-no-congresso-nacional/

  14. Arnaldo Jabor, é mais um
    Arnaldo Jabor, é mais um candidato `a sucessão de Paulo Francis,tal qual ,Diogo Mainardi,Reinaldo Azevedo,etc. Aos pastiches,faltam-lhes,talento ,gênio e cultura.

  15. Ah… Dora Kramer!
    Continuo
    Ah… Dora Kramer!
    Continuo extremamente curioso se hoje ela ainda acha o Ministro Joaquim Barbosa com “falta de…”
    Depois que o Ministro fez um relatório sobre o mensalão favorável ao ponto de vista dela, nunca Mais Dora Kramer citou o nome do Joaquim Barbosa.
    Acho que vou morrer sem saber.

  16. Desculpe, caro jornalista,
    Desculpe, caro jornalista, mas “Acusações genéricas sobre temas de conhecimento geral?”, devem ser apuradas. O senador afirmou questões sérias que há tempos merecem apuração. É deste momentos que o pías vive. Abre-se uma fissura e encontra-se muita coisa. Abraços e PAZ

    Lúcio

  17. É tudo culpa do sistema
    É tudo culpa do sistema eleitoral brasileiro. Tem de mudar é uma necessidade do país, mas é dificil porque quem deve fazer as mudanças se beneficia do sistema atual e o povo não pressiona para isto ser feito.
    Quando ao sr. Jarbas e qualquer outro politico que se arvore paladino da moral e ética, basta que seja feita uma pergunta: O sr. já foi eleito com dinheiro do caixa 2? Se ele negar se provado que além de ter sido financiado por debaixo dos panos…é um mentiroso.
    Por que nenhum jornalista fez este pergunta ao Jaba?

  18. Práticas fisiológicas do
    Práticas fisiológicas do governo FHC contadas por um de seus ex-auxiliares:

    (FSP, 2004)

    “Para Figueiredo, “a grande fonte” de “doações” políticas é o setor público. “Nesse sentido, cabe perguntar: onde foram parar os US$ 200 milhões que a Itália Telecom, como sócia da Brasil Telecom, teria pago a mais pela Cia. Rio-grandense de Telecomunicações de (CRT)?”
    Figueiredo reproduz trecho de intrigante carta que o publicitário Mauro Salles enviou à época a FHC. Salles, à época a serviço do Opportunity de Daniel Dantas, escreveu:
    “Meu caro presidente, (…) encontrei-me com o ministro Pimenta da Veiga (Comunicações), em reunião com Daniel Dantas (…). O objetivo dessa reunião era encontrar um ponto de encontro para resolver de vez todos os problemas referentes à compra da CRT”. “Fiquei surpreso – anotou Salles, “quando o ministro disse que não tínhamos entendido bem a posição presidencial”. Menciona “boatos e interpretações maliciosas” envolvendo o presidente da República “de maneira inconcebível”. Salles arremata com um apelo: ”Não me deixe sozinho nesta luta, na qual me encontro, mais do que tudo, para representar os interesses nacionais”.
    À página 104, Figueiredo reacende outro mistério que turva a cena do privatismo tucano: “O que aconteceu, na realidade, com o ex-diretor do Banco do Brasil Ricardo Sérgio de Oliveira, levando-se em conta a história que circula nos bastidores sobre os famosos US$30 milhões que teriam sobrado na operação da Telemar?”.

    A íntegra deste artigo, em que Josias de Souza comenta o livro “Diálogos

    com o Poder” de Ney Figueiredo, em 26/12/2004 está em

    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/indices/inde26122004.htm (só para assinantes).

  19. Cláudio, pelo nível das
    Cláudio, pelo nível das respostas e das perguntas que estão nas páginas amarelas, a matéria (excelente) assinada pelo Sakamoto não me espanta. Ao contrário, a matéria só corrobora a minha opinião a respeito desse senador… Nassif, mais uma vez parabéns por expor essa manobra do Jarbas com o apoio do jornalismo de esgoto da Veja.

  20. 20/02/2009 – 09:19 Enviado
    20/02/2009 – 09:19 Enviado por: Roberto G

    Roberto G, vc se “engana”. Solidarizando- á sua ironia, permita-me acrescentar ao seu comentário para deixar bem entendido o padrão ético dessas pessoas.
    O DEM não foi alertado pela imprensa, ele já sabia do castelo do Edemar (e de todas as suas falcatruas) há mais de 15 anos. Simplesmente aplicou o castigo conhecido em politica para quem for contra seus interesses: a utilização de dossíes, documentos e provas que possuem e que são utilizados de acordo e no tempo da sua conveniência.
    O pecado do nobre deputado foi alinear-se contra os interesses do partido ao lançar candidatura avulsa a Corregedor da Câmara (cargo politicamente importante em épocas de eleições por seu poder de fogo em destruir reputações ou esconder deslizes) com apoio da base aliada e do governo Lula.

    Quanto à motivação do senador Jarbas Vasconcelos, definitivamente e em hipótese alguma foi o bem público e o seu amor ao Brasil.

  21. parabéns nassif, continue
    parabéns nassif, continue sendo esse profissional elegante e verdadeiro que nos propicia serenidade, diante de tanta hipocrisia e sujeira que jorram da quase totalidade da nossa imprensa alimetada e abastecida pela deselegancia e falta de caráter da maioria dos políticos , que como esse senador de pernanbuco, ressentidos e ambiciosos, teimam em ‘armar’ contra o presidente lula e quem o apoiar. ontem vi o aécio convidando o serra para percorre o país, para mostra-se aos eleitores dando assim, início a campanha presidencial, em resposta a lula e dilma, que segundo ele ja estão em campanha, fiqei me perguntando: o que esses dois querem mostrar ao povo? o desastre que foi os 8 anos de governo do PSDB, PFL(DEMo) e o PMDB do jarbabas vasconcelos?. todos juntos somam FHC.

  22. Cogitos,

    Maquiavél,
    Cogitos,

    Maquiavél, entretanto, era velhaco mas não hipócrita. Êle era sincero até quando aconselhava aos príncipes “muita hipocrisia e pouca honestidade”.

    Tudo no hipócrita, desde seu sorriso até seu caráter, é mole, excetuando seu coração. molda-se, como cera, à pressão de todas às conveniências. Tal como Proteu muda de forma a cada instante.

    É difícil, senão impossível, encontrar no hipócrita um sentimento nobre, uma emoção elevada, uma virtude firme.

    Tudo nele é movediço e de falsas aparências. Toma, publicamente, atitudes de santo, mas às escondidas é pior que Satanás. Lembra os antigos palácios romanos, austeros, sóbrios, por fora, escondendo as pagodeiras e bananais que os enchiam por dentro.

    Faz-se de moralista, para encobrir obliqüidades morais. Na realidade, é um trapo dentro de si próprio.

    Na política, certamente porque lhe falta a sinceridade, é sempre um adesista. Espera a vitória, a fim de se decidir. mas, depois desta, afinca-se a pele dos vencedores como esparadrapo. E não há éter, nem benzina que os arranque do lugar. Interessante particularidade : se os poderosos caem, ele não sofre a queda, continua no ar… como os espíritos ! Deve notar-se que o hipócrita, geralmente, fala muito em três coisas : lealdade, desinteresse e desejo de colaboração. São precisamente as qualidades que lhe faltam, e, por este motivo, preventivamente, busca pela palavra desviar a atenção e o juízo do interlocutor. É uma questão de compensação interior.

    A profissão de fé do hipócrita , vista nuamente, corta como navalhada fria.

    O hipócrita, mesmo mediócre maneja a mentira e a perfídia como Talleyrand. É, na verdade, Talleyrand de arraial.

    Desconhece a lei das emoções que inspirou a Eça tão velas página.

    Sua sensibilidade é plástica, mas, ninguém fala melhor do que ele da própria bondade. Contudo, tanto lhe faz ver um amigo, como uma ratazana debaixo das rodas de um bonde. No fundo, não se importa, nem se interessa por ninguém, muito embora formule votos de felicidades sem conta nem medida.

  23. O Bob Freire agora é
    O Bob Freire agora é empregado do governo de SP.
    Parece que tem um carguinho num conselho duma daquelas entidades do estado de SP que nada mais são que cabidão.
    O Jarbas, não fosse senador, estaria na mesma.
    De prato na mão, vivendo em PE e recebendo do governo de SP.
    Queria saber que coisa fizeram pelo Brasil a não ser falar mal dos outros e arrumar uma boquinha.
    Ex-comunista e senador não servem para nada mesmo.

  24. O Merval deu algum exemplo
    O Merval deu algum exemplo para afirmar que o FHC era mais rápido para defenestrar? O discurso do Jarbas teria sido histórico se ele tivesse se incluído nas acusações, fazendo mea culpa diante da nação, e depois cometido o suicídio, ou no mínimo renunciado

  25. Teste…

    (O sistema está com
    Teste…

    (O sistema está com problemas? Quando envio um comentário surge uma mensagem:

    “Você está publicando comentários rápido demais. Mais devagar.”

    O que isso quer dizer exatamente?)

    []s,

    Roberto Takata

  26. Valha-nos Tupã mais uma
    Valha-nos Tupã mais uma vez!!! Aqui no Alto Xingu, os índios não entendem como o blog pode dar tanto IBOPE à esse mesmo assunto…

    Índio não quer apito. Índio quer patrulhar branco.

  27. Jarbas legitimou os
    Jarbas legitimou os precatórios quando parcelou e pagou esses precatórios.É bom lembrar que Miguel Arraes e Eduardo Campos foram considerados inocentes em todas as instâncias,incluso o STF.Espero que a história desta caluniosa história que feriu um homem honrado como Miguel Arraes seja contada o quanto antes.
    A vida de Jarbas precisa sr examinada.

    Acompanhei bem o episódio, como jornalista (antes da entrada do Jarbas). Foi uma operação estranha.

  28. Nós pernambucanos nus
    Nós pernambucanos nus sentimos orgulhosos do senador jarbas vascocelos por ter denuciado essa pouca vergonha que esta acontecendo em, Brasilia…….. Parabéns Jarbas orgulho de pernambuco……..

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome