Em um ano, casos de malária aumentaram 48% na região amazônica

<img alt="Município de Eirunepé desenvolveu ações de prevenção e monitoramento da malária que foram premiadas pela OPAS. Imagem: Frame de documentário da OPAS" data-attachment-id="131415" data-comments-opened="0" data-image-description="

Município de Eirunepé desenvolveu ações de prevenção e monitoramento da malária que foram premiadas pela OPAS. Imagem: Frame de documentário da OPAS

” data-image-meta=”{"aperture":"0","credit":"","camera":"","caption":"","created_timestamp":"0","copyright":"","focal_length":"0","iso":"0","shutter_speed":"0","title":"","orientation":"0"}” data-image-title=”Município de Eirunepé desenvolveu ações de prevenção e monitoramento da malária que foram premiadas pela OPAS. Imagem: Frame de documentário da OPAS” data-large-file=”https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2017/11/opas-malaria-1024×576.png” data-medium-file=”https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2017/11/opas-malaria-300×169.png” data-orig-file=”https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2017/11/opas-malaria-e1509987342933.png” data-orig-size=”1024,576″ data-permalink=”https://nacoesunidas.org/opas-premia-brasil-haiti-e-republica-dominicana-por-combate-a-malaria/opas-malaria/” scale=”0″ src=”https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2017/11/opas-malaria-e1509987342933.png” style=”border: 0px; vertical-align: baseline; height: 394px; border-radius: 0px; width: 700px;”>Município de Eirunepé, no Amazonas, desenvolve ações de prevenção e monitoramento da malária. Imagem: Reprodução de documentário da OPAS

Da ONU BR

 

Uma nova atualização epidemiológica da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) revela que a malária avança na região amazônica do Brasil. Em 2016, o país registrou 117.832 casos da doença em nove estados. Em 2017, o número chegou a 174.522, valor que representa um aumento de 48%.

A unidade federativa mais afetada é o Amazonas, com cerca de 74 mil ocorrências da patologia no ano passado. Em 2016, foram aproximadamente 45 mil casos. O segundo estado com maior número de infecções foi o Pará — cerca de 33 mil em 2017, bem mais que os 13 mil identificados em 2016. O Acre registrou cerca de 32 mil casos em 2017, volume significativo, mas que não indica variação muito grande em relação aos 31 mil casos de 2016.

O Tocantins, embora tenha identificado o menor número de casos (71), foi o estado com o maior aumento (223%) em relação a 2016, quando apenas 22 casos foram registrados.

As tendências da região amazônica acompanham a expansão da malária nas Américas identificada pela OPAS em sua atualização epidemiológica. Em 2016, nove países — Colômbia, Equador, El Salvador, Haiti, Honduras, Nicarágua, Panamá e Venezuela — relataram um aumento nos casos da doença. No ano passado, além do Brasil, Equador, México, Nicarágua e Venezuela também notificaram uma elevação do número de infecções.

Diante do atual cenário, a OPAS recomenda que os países da região fortaleçam as ações de vigilância e controle da malária. No início de 2017, o organismo regional alertou seus Estados-membros sobre o risco de surtos, aumento de casos e mortes em áreas onde a doença é endêmica. A instituição também chamou atenção para o possível reaparecimento da patologia em áreas nas quais a transmissão já havia sido interrompida.

A agência da ONU lembrou o caso de países que, apesar de estarem livres da malária ou apresentarem poucos casos, notificaram a transmissão da doença em seus territórios no ano passado. Cuba e Costa Rica informaram em 2017 casos autóctones da infecção. Honduras registrou ocorrências da patologia em uma área onde anteriormente não havia notificação de quaisquer casos.

A OPAS adverte que as conquistas alcançadas para a eliminação da doença podem ser comprometidas se as ações de vigilância e controle em toda a região das Américas não forem mantidas ou fortalecidas. “Embora os Estados-membros da OPAS tenham realizado esforços em resposta a esse alerta, o aumento dos casos em 2017 indica a persistência das condições e lacunas na resposta”, avalia a Organização no documento.

Condições de vulnerabilidade e pobreza são alguns dos fatores que explicam o atual avanço da malária. A agência da ONU ressalta que certas atividades trabalhistas e econômicas, como a mineração, a extração de produtos naturais e a agricultura, aumentam o risco de exposição das populações aos vetores nas áreas com transmissão da doença.

A OPAS aponta ainda que as populações migrantes são grupos particularmente vulneráveis, devido às condições habitacionais e à falta de proteção social.

Recomendações

A OPAS, escritório regional para as Américas da Organização Mundial da Saúde (OMS), chama os países a fortalecer as ações de vigilância e controle da doença, especialmente com medidas relacionadas à detecção precoce de casos, diagnóstico a tempo e início imediato do tratamento.

Na avaliação do organismo, a principal ação para controlar a transmissão da malária é reduzir a demora entre o início dos sintomas e o tratamento do caso, bem como adotar medidas oportunas de investigação e resposta.

A Organização também sugere que o diagnóstico e o tratamento completo com antimaláricos sejam levados para mais perto das comunidades em risco. A OPAS solicita ainda intervenções complementares de controle vetorial e convoca os países a garantir a qualidade do diagnóstico parasitológico e a evitar a falta de medicamentos.

Acesse a atualização epidemiológica da OPAS clicando aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora