Ministério da Saúde volta a pedir por reserva de segunda dose da Coronavac

Documento da pasta contradiz Eduardo Pazuello, que afirmou a governadores que não seria necessário reter metade das doses

Jornal GGN – Um informe técnico de distribuição das vacinas contra a covid-19 elaborado pelo Ministério da Saúde manteve a recomendação de reservas de vacinas contra a covid-19, uma vez que “ainda não há um fluxo de produção regular”.

O documento contradiz o ministro da Saúde, o general da ativa Eduardo Pazuello, que chegou a afirmar em reunião na última sexta-feira (19/02) com a Frente Nacional dos Prefeitos (FNP) que isso não seria necessário, uma vez que a chegada do ingrediente farmacêutico ativo (IFA) da China garantiria a continuidade da oferta das vacinas.

Embora o Instituto Butantan, responsável pela fabricação da CoronaVac, tenha indicado que as liberações não serão interrompidas, o ministério da Saúde orienta a não usar o quantitativo necessário para garantir a segunda aplicação.

“Tendo em vista o intervalo entre a primeira dose e a segunda (2 a 4 semanas), e considerando que ainda não há um fluxo de produção regular da vacina, orienta-se que a segunda dose seja reservada para garantir que o esquema vacinal seja completado dentro desse período, evitando prejuízo nas ações de vacinação”, orientou a pasta. As informações são do jornal Correio Braziliense.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora