Relatos: Uma médica na linha de frente. Conversa com Cristiane Óbice Oliveira

Um ponto preocupante, relata Cristiane, é o pós-covid. Pacientes estão saindo de internações com problemas renais que pedem hemodiálise. Isso significa que uma rede que não pode nem consegue crescer vai precisar se ajustar para atender a tantos novos pacientes.

Jornal GGN – A médica pediatra Cristiane Óbice Oliveira vive a pandemia na linha de frente do SUS. Sua percepção de maior volume de jovens e crianças com problemas respiratórios é um ponto preocupante desta nova cepa. A médica trabalha no hospital de M’Boi Mirim, na zona sul de São Paulo, e relata que lá a situação é bem melhor que nos outros centros do SUS, pois que é administrado por dois hospitais particulares que podem fazer os ajustes de equipe e espaço para atendimento de covid.

Um ponto preocupante, relata Cristiane, é o pós-covid. Pacientes estão saindo de internações com problemas renais que pedem hemodiálise. Isso significa que uma rede que não pode nem consegue crescer vai precisar se ajustar para atender a tantos novos pacientes.

Outro ponto abordado é o poder público e o kit covid. A médica vê vários colegas prescrevendo o kit covid, e a discussão não é fácil. O que faz com que médicos prescrevam medicamentos que não têm comprovação científica para seus pacientes?

Veja a entrevista a seguir.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora