Presidente chama direita de golpista e Dilma acusa oposição de ter ‘duas caras’

Ao participar do comício da candidata petista à Presidência da República, Dilma Rousseff, em Porto Alegre, na noite passada, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva enfatizou que os opositores não vão conseguir tirá-lo da campanha. Lula reclamou do que ele chamou de tentativas de afastá-lo do palanque e disse que estará “todos os dias” no programa de televisão de Dilma.

Dilma em Porto Alegre

Dilma levou uma multidão do Estádio Gigantinho, em Porto Alegre

– Eles vão ter que ver a minha cara todos os dias na televisão, pedindo voto para minha companheira Dilma Rousseff. Quero lembrar a vocês que isso que fizemos aqui (comício) é apenas o embrião do que vai ocorrer na campanha. A campanha está começando agora e espero voltar aqui mais vezes – disse Lula.

Lula disse ainda que “os capitalistas” brasileiros nunca souberam conduzir a economia do país:

– A elite não sabia o que era capitalismo. Precisou que um metalúrgico socialista chegasse ao poder para ensinar a fazer capitalismo neste país. Nós dissemos para o Fundo Monetário Internacional (FMI) que estávamos cansados de gritar fora FMI. Devolvemos US$ 16 bilhões para eles e hoje eles nos devem US$ 14 bilhões que nós emprestamos para ajudar a salvar da crise as economias dos Estados Unidos e da Europa. A mesma elite que levou Getúlio Vargas a dar um tiro no coração, matou Jânio Quadros e fez João Goulart renunciar. Eu disse a essa elite que eu não estarei no gabinete lendo o jornal deles, mas na rua, com o povo brasileiro que vai decidir o destino desse país.

Para Lula, seus oito anos de mandato foram marcados por “provocações, ataques e infâmias” promovidos por uma “elite que faz política de forma sórdida”.

– No governo, aprendemos que a esquerda faz oposição, enquanto a direita tenta dar um golpe a cada 24 horas para não permitir que as forças que governam o país de forma democrática possam continuar – disse Lula.

O presidente já acusara setores da oposição de tentarem derrubá-lo do governo em comício em Garanhuns (PE), na semana passada. Para Lula, o seu governo não deveria ser medido pelas obras feitas, mas pelo seu principal “legado” que seria ter estabelecido um “paradigma da governabilidade”.

Lula acrescentou que sempre acreditou que Dilma iria construir um leque de alianças até maior do que ele conseguiu reunir nas suas campanhas de 2002 e 2006.

– Dilma tem apoio de todas as centrais sindicais, da União Nacional dos Estudantes (UNE), dos estudantes secundaristas, de todas as conferências e movimentos. Eu vejo que ela continua construindo esses apoios – disse.

Lula afirmou que o PT gaúcho deve continuar com a política de alianças.

– O PT aqui começou a perder quando começou a adotar uma postura de autosuficiência e de pouca humildade. Estou alegre de ver o nosso querido Collares (ex-governador pelo PDT) fazendo campanha para a Dilma e para o Tarso Genro – comemorou.

Pela primeira vez, Lula discursou depois de Dilma, que se mostrou mais descontraída no comício em Porto Alegre do que em eventos anteriores de campanha. Lula também buscou valorizar a mulher e disse que quem sabe “gerar, parir e administrar” outro ser humano terá sensibilidade suficiente para conduzir o país.

– Gerir esse país não pode ser apenas com a sabedoria da cabeça. Tem que misturar a sabedoria da cabeça com a sensibilidade do coração.

Duras críticas

Dilma, em seu discurso, disse que o PSDB e o DEM atacaram o Programa Universidade para Todos (ProUni) e criticaram o Bolsa Família, dois dos principais programas do atual governo.

– Hoje, meu adversário defende a educação de qualidade e o Prouni. Mas quando nós lançamos o programa, o partido dele e do vice dele foram os primeiros a querer que decretar a ilegalidade do Prouni – afirmou.

Dilma voltou a evocar o voto feminino.

– Eu vou ser a primeira presidenta mulher desse país e as mulheres brasileiras e gaúchas sabem que o Brasil está preparadíssimo para ser governado por uma mulher. Não é por conta das inumeráveis heroínas que esse país teve, é por causa de milhões de mulheres anônimas que cuidam de suas casa, de seus lares, que apóiam seus filhos – disse.

Em um palanque que contou com dissidência da base da candidatura peemedebista ao governo do Rio Grande do Sul, Dilma reuniu cerca de 12 mil pessoas no Ginásio  Gigantinho, em Porto Alegre. Dilma entrou no palco acompanhada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do senador Paulo Paim (PT), candidato à reeleição, do ex-ministro Tarso Genro, candidato do PT ao governo do Estado e dos ex-governadores Olívio Dutra (PT) e Alceu Collares (PDT).

Collares representa a dissidência do PDT, porque apóia Dilma que foi sua secretária de Fazenda, quando ele era prefeito de Porto Alegre, na década de 80, enquanto o PDT apóia a candidatura de José Fogaça (PMDB) ao Palácio do Piratini, sede do governo gaúcho. A campanha de Dilma tem procurado adaptar a agenda da candidata nos finais de semana à do presidente Lula. Antes de participar do comício, Lula cumpriu compromissos oficiais em Porto Alegre e em Santa Cruz do Sul, município da região central, de colonização alemã e grande produtor de fumo.

Duas caras

A crítica ideológica também foi a tônica do discurso da candidata Dilma Rousseff. Referindo-se aos adversários como “eles”, a ex-ministra apontou uma série de situações em que oposição teria agido de forma contrária ao que defende em palanques eleitorais.

– Eles têm duas caras: uma nas eleições, outra na hora de governar – disse Dilma

Para Dilma, a maior herança do governo Lula seria ter conseguido “governar para os 190 milhões” de brasileiros, enquanto os antecessores teriam se preocupado em atender os interesses de apenas um terço da população.

– Vocês podem contar comigo porque conto com vocês para não deixar que o país volte para a desesperança – disse Dilma aos militantes.

Esse é o terceiro comício de Dilma com a presença de Lula. O primeiro foi na Cinelândia, centro do Rio de Janeiro, com a presença de cerca de 15 mil pessoas. Na semana passada, Lula esteve ao lado de Dilma, em Garanhuns (PE), cidade onde nasceu, na Zona da Mata pernambucana. O comício em Garanhuns contou com a presença de cerca de 3 mil pessoas. Nos próximos dias Lula estará ao lado de Dilma em Curitiba e Belo Horizonte.

http://correiodobrasil.com.br/presidente-chama-direita-de-golpista-e-dilma-acusa-oposicao-de-ter-duas-caras/172974/

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome