Eleições na França: Como explicar o colapso do Socialismo?

O socialismo ainda existe. Neste contexto, a eleição presidencial francesa é quase uma anomalia relacionada ao sistema de votação

O líder do partido de esquerda França Insubmissa, Jean-Luc Melenchon. Colagem: Le Parisien
O líder do partido de esquerda França Insubmissa, Jean-Luc Melenchon. Colagem: Le Parisien

Por Jean Numa Ducange, professor da Universidade de Rouen Normandia

O socialismo está morto?

Publicado originalmente em The Conversation e traduzido pelo GGN

O socialismo parece estar morrendo. Após o primeiro turno das eleições presidenciais francesas em 10 de abril, se nos atermos ao placar do partido que ainda leva seu nome, podemos até considerá-lo ameaçado. E a baixa pontuação do Partido Comunista Francês parece reforçar a marginalização das correntes do “socialismo histórico”.

Este “socialismo histórico”, afirmou Jean-Luc Mélenchon quando deixou o Partido Socialista em 2008 para fundar o Partido de Esquerda. Ele então se distanciou radicalmente da divisão esquerda/direita e do adjetivo socialista ao fundar “France Insoumise” [partido França Insubmissa] em 2016. Jean-Luc Mélenchon e seus parentes então teorizam seu desaparecimento: agora apenas a divisão populista entre “elites” importa.

No entanto, enquanto o candidato da França Insubmissa repetiu em 2017 que não era mais necessário reivindicar a esquerda para falar ao “povo” e ampliar sua base, as razões de seu sucesso em 2022 parecem resultar de seu apelo a “votação efetiva” com forte referência à “esquerda” na reta final.

O avesso do capitalismo

Assim, o referente da esquerda ressurgiu de forma espetacular entre aqueles que gritaram com ele alguns meses antes. A esquerda finalmente existe, mesmo enfraquecida? Apostamos que o “socialismo” e seus legados, mesmo quando chamado de outra forma, constituem o reverso do capitalismo.

A exploração capitalista e os diferentes modos de dominação que ela implica provocam necessariamente conflitos, lutas e, portanto, a emergência de projetos alternativos, moderados ou radicais.

Nesse sentido, continuará existindo um socialismo, mais ou menos nutrido por experiências passadas, carregadas por várias correntes políticas, enquanto existir o capitalismo. Esta é uma das teses centrais que percorrem nosso trabalho coletivo, co-editado com Stéphanie Roza e Razmig Keucheyan, da Global History of Socialisms.

Mas como explicar tal colapso do “socialismo” na forma do partido que leva seu nome? Vamos sair da França por um momento; as coisas são então muito mais complexas.

Há vinte anos, partidos socialistas ou social-democratas governavam a maioria dos países da União Europeia. Depois, quase todos passaram por crises profundas. O seu enfraquecimento deu origem a previsões de desaparecimento mais ou menos a curto prazo. A morte prevista, no entanto, não aconteceu.

Certamente podemos discutir a orientação política desses partidos em comparação com o que defendiam há cerca de trinta anos. É o caso do SPD na Alemanha, que viu sua base social, particularmente a classe trabalhadora, se erodir com as reformas liberais de Schröder.

A emergência de uma esquerda radical em torno do “Die Linke” [A Esquerda, partido alemão] e depois a ascensão dos ecologistas pareceram emergir da história do partido operário mais antigo da Europa.

Ele finalmente voltou ao poder recentemente, à frente de uma coalizão formada no final de 2021 entre o Partido Social Democrata (SPD), os Verdes e os Liberais, reunidos em torno do chanceler Olaf Scholz, sucessor de Angela Merkel.

Na Espanha e em Portugal, o Partido Socialista também governa a partir de uma posição dominante. Nos três países, a esquerda radical era forte, especialmente na Espanha. O Podemos foi por muito tempo o modelo reivindicado de “França Insubmissa”.

Mas o Podemos não conseguiu quebrar a hegemonia do Partido Socialista Espanhol. Em Lisboa, os socialistas venceram triunfalmente as eleições, levando as formações de esquerda radical a um nível histórico.

Na Alemanha, após uma crise interna do Die Linke, o bastião operário do Sarre [um dos estados da Alemanha] escapou completamente deles nas eleições intermediárias: o SPD venceu triunfantemente as eleições regionais, com 43% dos votos.

Por fim, se o Partido Trabalhista britânico está em grande crise, mas está longe de ter alcançado pontuações tão baixas nas eleições nacionais quanto seu alter ego na França.

Acrescentemos que o próprio adjetivo socialista pode experimentar fortunas surpreendentes, como nos Estados Unidos, onde, quase tabu desde a Guerra Fria, tornou-se moda na ala esquerda dos democratas em torno de Bernie Sanders por dez anos.

A exceção francesa?

O socialismo ainda existe. Neste contexto, a eleição presidencial francesa é quase uma anomalia. A principal diferença – mesmo que não explique tudo – está em um sistema de votação muito específico.

A eleição presidencial favorece ao extremo a personalização, muito mais do que em quase todos os outros países do continente. Em um momento de crise entre os partidos políticos, esta eleição amplia ainda mais a distância entre eleições intermediárias e locais – onde os partidos sempre conseguem se manter – e a eleição para o cargo supremo.

O resultado parece de fato distorcido, com grandes partidos completamente enrolados. À esquerda, chama a atenção que, desde 2017, a LFI [(La France Insoumise, a França Insubmissa] não conseguiu em nenhum lugar se impor, em nenhuma eleição intermediária local, mesmo quando havia âmbito nacional como nas eleições europeias.

Além disso, a organização passou por fortes crises, mudou seu paradigma em questões essenciais (principalmente sobre a laicidade) à distância da campanha de 2017.

Ao mesmo tempo, onde a LFI conseguiu obter funcionários eleitos e uma pontuação honrosa, como nas eleições regionais na Ilha-de-França, vemos que é uma união muito clássica da esquerda que lhe permitiu ter eleito oficiais.

A personalidade de Jean-Luc Mélenchon [líder da LFI], seus talentos oratórios e a verdadeira “máquina de guerra” habilmente construída por executivos que dominavam perfeitamente todos os códigos de excessiva presidencialização (ao mobilizar o voto “útil” ou “efetivo” na reta final) permitiram esmagar, como em 2017, todos os seus concorrentes à esquerda.

Isso dá a impressão – e a provável ilusão – de que acaba de se formar um poderoso “bloco popular”. Será que ele conseguirá estruturar uma alternativa sustentável?

Se um processo semelhante for repetido com os mesmos jogadores nos últimos anos, podemos legitimamente duvidar. Certamente não faltarão argumentos que sublinhem que os outros dois grandes blocos, em torno do LREM [La République En Marche, partido Em Marcha, considerado social-liberal] e do RN [Rassemblement National, partido Reagrupamento Nacional, de extrema-direita], conseguem dominar a vida política apesar de sua falta de estabelecimento.

Mas a comparação rapidamente encontra seus limites, pois o liberalismo político e elitista de um Macron não precisa de uma grande base militante para se impor, diferentemente da esquerda e das formações decorrentes dos ideais do movimento operário. Defender os dominados implica uma estrutura durável e democrática para poder enfrentar os poderosos.

Uma esquerda torna-se forte quando se firma, quando trava uma guerra duradoura de posições. Se as modalidades da vida política certamente mudaram, nada indica que possamos prescindir definitivamente desse lento trabalho de estruturação, que no passado permitiu importantes vitórias aos partidários do socialismo.

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

carlos

- 2022-04-17 15:35:09

Anitta você é orgulho do Brasil e do mundo, assim omo Davi era um protegido de Deus, você é tal e qual uma protegida de Deus no mundo, olha falo isso pq acompanhei sua carreira nos tempos de Honório Gurgel, Deus te abençoe e a verdade sempre vai prevalece um grande abraço.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador