Defesa de Lula se manifesta sobre revelações de que Lava Jato escondeu provas

Vaza Jato mostra que força-tarefa selecionou conversas e escondeu que ex-presidente não queria assumir Casa Civil e tentou dialogar com a oposição para estancar crise política

Foto: Agência Senado

Jornal GGN – A força-tarefa da Lava Jato manteve em sigilo gravações de conversas do ex-presidente Lula que revelam que o petista manifestou incômodo em aceitar o cargo de ministro da Casa Civil, oferecido pela então mandatária Dilma Rousseff, em março de 2016.

Os procuradores, assim como o então juiz Sérgio Moro, selecionaram apenas as conversas que davam margem à tese de que o ex-presidente tinha como objetivo tentar escapar da Lava Jato. Obtendo foro privilegiado, as investigações contra Lula, caso se tornasse ministro, passariam a correr no Supremo Tribunal Federal, em Brasília, não mais sob a jurisdição de Moro.

Várias conversas travadas entre Lula e pessoas próximas mostram que o petista tentou recusar o convite. Antes de aceitar ser ministro, Lula conversou com políticos, incluindo o então vice-presidente Michel Temer, para uma conciliação com partidos afim de reverter a crise política.

Em nota sobre a reportagem Folha-Intercept, a defesa do petista afirma que revelação “auxilia a reconstrução da verdade histórica”, além de expor “as grosseiras ilegalidades” cometidas pelo então juiz Sergio Moro e procuradores da Lava Jato “contra o ex-presidente, seus advogados e também contra o Supremo Tribunal Federal”.

Ao decidirem selecionar as conversas telefônicas que seriam anexadas no processo, os procuradores “esconderam dos autos e do Supremo Tribunal Federal aquelas que mostravam a verdade dos fatos, ou seja, aquelas que deixavam claro que o ex-presidente aceitou o cargo de Ministro de Estado para ajudar o governo e o país e não para qualquer outra finalidade ligada às investigações da Lava Jato”, continua a defesa.

Leia também:  "Janot tentou derrubar Temer para impedir escolha de Dodge à PGR", diz Elio Gaspari

Os advogados de Lula reforçam ainda que a reportagem revelou que os procuradores da Lava Jato tinham consciência de que era ilegal divulgar conversas telefônicas, “inclusive aquelas captadas após a decisão judicial que determinou o encerramento das interceptações”, comprovando a tese defendida pela defesa do ex-presidente de que a Lava Jato busca “alcançar resultados políticos e estranhos ao processo”.

A reportagem Folha-Intercept também confirma que os advogados do ex-presidente foram grampeados, tanto que o então juiz Sergio Moro determinou a exclusão dos arquivos de duas conversas entre Lula e sua defesa, argumentando que envolvia sigilo profissional.

“Lava Jato grampeou deliberadamente conversas entre advogados e Lula por mais diversos meios e usou dessas conversas para reforçar o ‘lawfare’ [guerra jurídica] contra o ex-presidente”, acusa a defesa de Lula, completando em nota que “a conversa mantida entre o advogado Cristiano Zanin Martins e o ex-Presidente Lula em 16/03/2016, gravada e ouvida ilicitamente pela Lava Jato, reforça que o ex-presidente Lula sequer tinha o objetivo de aceitar o cargo de Ministro de Estado e muito menos o de impedir qualquer investigação da Lava Jato”.

A defesa arremata que os “membros da Lava Jato e sistematicamente esconderam provas de inocência e estruturaram condenações pré-estabelecidas e medidas invasivas contra Lula e seus familiares com base em delações e outros elementos sem qualquer valor probatório, afrontando as garantias fundamentais do ex-presidente, a legislação internacional incorporada pelo Brasil (…) além de diretrizes das Nações Unidas sobre a atuação de membros do Ministério Público”.

“Os habeas corpus que aguardam julgamento no Supremo Tribunal Federal tratando da suspeição do ex-juiz Sérgio Moro e dos procuradores da Lava Jato são de grande importância para restabelecer o Estado de Direito e para dar a Lula a possibilidade de um julgamento justo e por isso devem ser julgados com urgência — embora sejam irreparáveis os prejuízos causados por tais agentes públicos não apenas ao ex-presidente, mas à própria democracia do país”, conclui a defesa.

Leia também:  Lula, Ciro & Marta, por Patrícia Valim
Nota - FSP - 08.09.19

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

12 comentários

  1. Para Moro principalmente, estas revelações de hoje são as mais arrasadoras. Quando mostram tudo o que fizeram, levando o país a um rápido declínio social, político e econômico, diante de uma grave situação mundial e difícil de sair. Se antes era mais convicção de que a quebra da economia tinha a ver com atitudes lavajatistas, agora se mostra cada vez mais que a ânsia manipuladora para derrubar o ex-presidente e seu partido, se valia sem escrúpulos do que tivesse adiante, mesmo que fosse a desgraça de uma nação.
    Ajudam a transformar o ex-presidente ainda em vida, num grande herói nacional, já que mesmo sendo perseguido com atitudes vis da injusta “justissa”, buscava a unidade do país, mostrando-se um patriota de fato. Um dos maiores brasileiros é nosso contemporâneo, no momento em que as próprias forças armadas se vendem ao que pior está acontecendo no mundo, sem perceber a grande arapuca que criam, num governo onde não haverá condições de produzir riqueza para efetivarem-se no poder.

    14
  2. Pode chamar de bandidagem em bozonhol clássico, mas no popular é golpe. O termo jurídico para isto é conspiração, espero que de cadeia.

  3. STF deixar-se enganar por um juiz de piso como Moro e pelos que o acompanharam nesta investida escancarada em aprofundar laços com golpista, vai correr o mundo como uma das falhas mais infames que já se viu em uma suprema corte

    10
  4. “…para dar a Lula a possibilidade de um julgamento justo…”
    ???
    Pedindo um novo julgamento? Não pedindo anulação?
    Alguém sabe explicar esse pequeno detalhe?

  5. Este episódio demonstra claramente o que já sabemos todos. A mídia o STF, sabia muito bem do que se tratava. Sabiam que ali o golpe poderia ter sido estancado. Renan Calheiros falou isto explicitamente. Em nome de uma pseudo moralidade, e de uma pseudo luta contra a corrupção, figuras como FHC e todo o PSDB, assim como toda a mídia sabiam que Lula no ministério, poderia ser o fim do golpe, sem que isto desse fim a luta contra a corrupção. Todso fizeram coro ao que lhes parecia mais conveniente. Este foi um dos episódios mais cruciais na história deste golpe. E STF, políticos do MDB, e principalmente do PSDB estiveram masi do que ativos neste momento. O que vimos foi uma imprensa militante, com Kamel, Bonner e outros, mentindo desavergonhadamente ou então se mostrando inocentes úteis. ( eu acredito na primeira hipotese). O movimento de levar Lula ao ministério foi a última tentativa de trazer o país a um curso democrático. O resto foi o golpe. Este golpe demonstra claramente que a Lava jato sempre foi , mais do que a luta conta corrupção, uma militância política , ou pior uma militância do golpismo, cujos interesses políticos, não são nacionais. Idiotas acreditaram na demagogia da luta contra a corrupção, enquanto a força tarefa agia apenas em favor a seus próprios podres poderes. A ambição de poder deste grupo, foi extremamente útil, para grupos de interesse, que descartaram posteriormente toda a classe política, colocando no senado um grupo de lobbyistas, defendendo interesses fragmentários, e no executivo uma força tarefa de entrega e destruição do pais. Aos seguidores de Aécio e FHC, vai restas as cinzas de um país. O beijo que deram no liberalismo, foi o beijo da morte.

    14
  6. DENUNCIA – NOTICIA – CRIME – PEDIDO DE PROVIDÊNCIA URGENTE – AÇÃO PÚBLICA INCONDICIONADA.

    Requer que os SENADORES a “IMPRENSA” e toda SOCIEDADE BRASILEIRA, salve essas DENÚNCIAS em seus ARQUIVOS, bem como requer que fiscalize, acompanhe e adote as providências urgente nas DENÚNCIAS DA AÇÃO PÚBLICA INCONDICIONADA que se encontra autuada no SENADO FEDERAL, sob o n. 00200.004885/2019-88 e 00100.087582/2019-11, para que as mesma seja julgada nos termos do artigo 5º inciso LIV, LV, LVII e LXXVIII, e nos termos do artigo 52 inciso II, e artigo 71 inciso II e IV todos da Constituição Federal, para que seja feito JUSTIÇA”, para trazer uma resposta a SOCIEDADE BRASILEIRA.

    Veja a INICIAL DA REPRESENTAÇÃO CRIMINAL, com 974 folhas, sob o n. 00200.004885/2019-88, que se encontra autuada no SENADO FEDERAL, que pode ser acessada através do LINK: https://mega.nz/#!OzRRyA4B!zjrGrJPKiKpmqIZLFgB7i39OTwsaKWBdDukl5KvlHlA – onde foram requerido pedidos para abertura da CPI – DA LAVA TOGA, e Veja também a INICIAL DA REPRESENTAÇÃO CRIMINAL com 453 folhas, sob n. 00100.087582/2019-11, que encontra autuada no SENADO FEDERAL em apenso ao feito sob o n. 00200.004885/2019-88, que pode ser acessada através do LINK: https://mega.nz/#!juxABKzR!Tg5Da5mx-8JSp-AxIERkbaTCufYq20J-ClUKBMnBuHs – onde foram requerido pedidos para abertura da CPI – DA LAVA TOGA, para ver que esses fatos que envolvem o REPRESENTANTE AUREO MARCOS RODRIGUES, são os mesmos fatos que envolvem o EX-PRESIDENTE LULA, e os mesmo fatos que envolveu o Juiz LEOPOLDINO MARQUES DO AMARAL, que denunciou o Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso, por um período de (9) nove anos, até ser morto e enterrado com suas provas, pois na sua carta http://www.prosaepolitica.com.br/wp-content/uploads/2010/03/CARTA-JUIZ-LEOPOLDINO.pdf, que foi enviada à CPI – DO JUDICIÁRIO – DA ÉPOCA, o Juiz Leopoldino, que foi assassinado já reclamava do TJ-MT, STJ , STF, MPF, e do Ministério Público Estadual do Estado de Mato Grosso. Portanto requer que as AUTORIDADES COMPETENTES, adote as providências urgente nas DENÚNCIAS DA AÇÃO PÚBLICA INCONDICIONADA nos termos do artigo 5º inciso LIV, LV, LVII e LXXVIII, e nos termos do artigo 52 inciso II, e artigo 71 inciso II e IV todos da Constituição Federal, para que seja feito JUSTIÇA”, para trazer uma resposta a SOCIEDADE BRASILEIRA, pois a POLICIA FEDERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO, tem elemento e prova suficiente para abrir a caixa preta do Poder Judiciário Brasileiro e punir os infratores, que vem proferindo decisão contra o Direito em afronto a Constituição Federal, para favorecer criminosos em processo Civil e Criminal, com direito de pessoas INOCENTES.

  7. A defesa de Lula segue em cacoete técnico jurídico. O processo não é nem nunca foi jurídico. Nunca se investigou fatos. Houve uma devassa contra pessoas a procura de argumentos com aparência de criminalizáveis, ainda que baseados em fatos indeterminados. Poderia ser qualquer coisa: um imóvel nunca comprado, uma palestra, uma atividade política qualquer. Até um espirro na biblioteca poderia servir de pretexto. Não há processo a anular; o que há é uma blitz política travestida de ação penal.

  8. Nassif, avise a todos os blogueiros e se tiver acesso a alguém do PT, para que todos parem de pedir novo julgamento para o Lula e dizer que ele não teve um julgamento justo etc e tal.
    Ele não foi julgado ele foi justiçado, não houve crime algum declararam ele culpado e depois forjaram vários crimes, ele não cometeu crime algum e por isto não precisa de julgamento algum.

  9. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome