Globo faz ataque político com fake news da Procuradoria, diz Lindbergh

Jornal GGN – “Essa Rede Globo é muito canalha. Falo isso porque estou indignado.” É assim que o senador Lindbergh Farias (PT) começa um vídeo divulgado em sua página no Facebook, após tomar conhecimento de que virou alvo de um inquérito apresentado ao Supremo Tribunal Federal na segunda (16), pela equipe de Raquel Dodge na Procuradoria Geral da República. Os procuradores entregaram “indícios” de que o senador petista teria atuado em favor da OAS durante a aprovação de uma Medida Provisória e a notícia virou o principal destaque no site O Globo.
 
O problema é que, segundo o senador, a reportagem não se deu ao trabalho de verificar sua “participação” na aprovação da MP. Se tivesse apurado, não teria comprado a “fake news” fabricada pela PGR. O motivo é simples: Lindbergh nem estava participou da comissão que debateu a matéria, nem estava no plenário no dia em que foi aprovada.
 
“Eles falam que teve um lobby em cima da MP 600, que favorecia a OAS. Só que eu não participei da comissão dessa MP, não fiz discurso sobre essa MP e, mais grave, nem participei da votação em plenário!”, disparou Lindbergh. “Eu não estava lá! Por algum motivo eu estava viajando. Esse pessoal nem para levantar isso. O que querem é, porque sou PT, fazer um ataque político. É um inquérito tão inacreditável que só tem um caminho para ele. Vai ser arquivado”, completou.
 
Lindbergh ainda afirmou que desde o começo da Lava Jato vem assistindo às tentativas da PGR em incriminar suas condutas com base em indícios vagos. A imprensa, por sua vez, tem dado destaque exarcebado às denúncias e, quando as mesmas são arquivadas por falta de provas, “não sai uma linha.”
 
“Esse jogo todo é perseguição contra o PT, porque eles acharam que Lula era para estar destruído neste momento, e nós resistimos com Lula”, disse o senador. “Se vocês acham que nos intimidam, não nos intimidam”, acrescentou.
 
Lindbergh ainda insinuou que a PGR está focando nos políticos errados. “Eu moro apartamento alugado com minha mulher e meus 3 filhos. Não tenho conta na Suíça. Não vai ser esse ataque que vai me intimidar.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  MPF volta a investigar empresas financiadoras da ditadura militar

3 comentários

  1. Isso é… “fake news”?!

    Tem erro honesto de jornalismo, geralmente decorrente de falta de verificação. Tem erro desonesto, em que se deturpa os fatos, tira-se trechos de declarações do contexto etc. Tem erro que é mera aprontação de jornalista gozador, em que faltou deixar ao receptor mais pistas de que o texto é falso.

    Porém o que temos visto agora, a meu ver, não é nada disso. E nem precisaria de estrangeirismo, talvez usar a frase original em grego antigo: “Na guerra a primeira vítima é a verdade” (dramaturgo Ésquilo, 500 anos antes de Cristo).

    “Fake news” é boimate. Isso agora é guerra aberta do capitalismo contra os estados nacionais, contra organizações democráticas… contra qualquer tipo de organização humana que não passe pelo dólar, que não pague a “taxa de proteção” à máfia.

  2. Senador tem poder pra agir

    O senador pode convocar a PGR para se explicar, se ela injustamente o acusa. E se for justo, ela dirá em rede nacional as provas contra ele.

    Aproveitando, o Lindbergh está na CCJ? Por que não pergunta aos juízes dos tribunais superiores se desrespeitaram alguma vez a Loman? Principalmente, o artigo que impede de falaram de processo na mídia.

  3. cachorro mordido por cobra tem medo de linguiça

     Lindberg erra ao comentar que vai ser arquivado seu processo, haja vista o processo ridiculo do triplex e Lula esta na cadeia e numa situação dificil de sair, qualquer processo hoje da cadeia por convicção, estão fritando um importante candidato a presidencia nestas eleiçoes apesar de não ser citado, é meu candidato favorito.a globo percebeu isso.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome