Polícia Federal queria a prisão de Dilma e ministro do TCU, mas Fachin negou

PF alegou que a medida era necessária para dar prosseguimento as investigações; PGR também foi consultada e negou o pedido de restrição de liberdade

Ministro do STF, Edson Fachin. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Jornal GGN – O relator dos processos da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, ministro Edson Fachin, negou a solicitação da Polícia Federal de prender a ex-presidente Dilma Rousseff, o ex-ministro Guido Mantega e o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Vital do Rêgo.

Os pedidos de prisão incluíam o ex-presidente do Senado, Eunício Oliveira e do ex-senador Valdir Raupp. Na manhã desta terça-feira (5), a PF cumpriu mandados de busca e apreensão. Também foram alvos, os senadores do MDB Eduardo Braga (AM), Renan Calheiros (AL) e Jader Barbalho (PA).

A ação deu prosseguimento ao inquérito que investiga o suposto repasse de R$ 40 milhões do grupo J&F para políticos, durante a campanha eleitoral de 2014. Em nota publicada hoje cedo, a PF afirmou que não iria divulgar “detalhes das medidas”, porque a investigação tramita em sigilo.

Na solicitação ao ministro Fachin, pedindo as prisões, a PF alegou que a medida era necessária para dar prosseguimento as diligências. “É imprescindível a decretação da prisão temporária dos investigados de maior relevância nos crimes praticados pela associação criminosa, bem como daqueles que atuaram na entrega e no recebimento em espécie das quantias ilícitas.”

A Procuradoria Geral da República (PGR) também foi consultada pela PF e negou o pedido de restrição de liberdade dos investigados, entendendo que não existiam elementos suficientes que justificassem a medida.

Criminalização do caixa um

Desde de dezembro de 2013 o GGN alerta para os riscos da proibição do caixa um. Na época, publicamos um artigo de análise no Blog Luis Nassif, logo após uma decisão histórica do STF, que, ao tentar proibir o caixa dois, caminhou no sentido de proibir o financiamento privado de campanha.

Na decisão, o relator da discussão aberta pela OAB, por meio de uma ADIN, ministro Luiz Fux, apresentou dados mostrando que um percentual consideravelmente pequeno de empresas brasileiras contribuiam para as campanhas, defendendo a tese de que o financiamento privado legal estimulava o caixa dois.

Leia também:  Deputados pedem destituição de Eduardo Bolsonaro da Comissão de Relações Exteriores

Para Luis Nassif, entretanto, a tese não se sustentava, observando que “é a legalização do financiamento que facilita o caixa dois, por dificultar a separação entre as legais e as por baixo do pano”, portanto, a decisão do STF, estimulava a ilegalidade. “Com a proibição, todo financiamento será facilmente identificado e criminalizado”, destacou.

Dos 11 ministros da Corte, 8 entenderam que a contribuição de empresas privada para campanhas eleitorais contrariavam a Constituição. Na ocasião, Fux propôs ainda um prazo de 24 meses para a entrada em vigor das novas regras que proibiram a doação de empresas para os partidos.

A tática de criminalizar o caixa um é o que está acontecendo na operação realizada pela PF nesta terça-feira (5). Um dos atingidos é o ex-senador Valdir Roupp (MDB-RO). Em 2017, o Supremo tornou o político réu entendendo que ele realizou lavagem de dinheiro por meio de doações oficiais, declaradas às Justiça Eleitoral.

Alguns anos antes, em 2014, o Tribunal Superior Eleitoral, tinha aceitado uma denúncia do PSDB que pedia a cassação da chapa Dilma-Temer por abuso de poder econômico em 2014. Os tucanos e um ministro do Supremo chegaram a usar a Lava Jato para insinuar que empresas doaram grandes soma à campanha petista, por medo de perder contratos com a Petrobras.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Empresas não podem financiar campanhas mas podem financiar eventos e palestras do judiciário? Isso também não seria intromissão indevida,?

    Outra, escapamos da influência das empresas, mas caímos nas bancadas irrigadas com recursos de empresários, que transformaram congressistas em serviçais….e o congresso que deveria regular tudo isso zzzzzzzzzz

    21
    • Bem lembrado, Naldo! É uma hipocrisia dessa gentalha do judiciário: as empresas podem, de bom grado, bancar as palestras do Sejumoro, DD Dinheirol e demais assemelhados, mas não podem financiar campanhas….
      Lembrar também que hoje teremos o megaleilão do nosso pré-sal onde serão entregues nossas melhores áreas de petróleo e reservas que pode chegar a 20 bilhões de barris e esse pedido de prisão de Dilma, justamente um dia antes desse megaleilão, está sendo visto como uma tática para DESVIAR A ATENÇÃO DO MESMO, onde o Brasil e o povo brasileiro perderão cerca de US$ 300 bilhões, segundo o descobridor do pré-sal, sr. Gilberto Estrela. E os bolsominions só cacarejando contra Dilma, Lula e o PT…….. como sempre!

      6
      1
  2. Quer dizer, bastou Fernandes afirmar que convidaria para a posse forças progressistas brasileiras, Dilma inclusa, e alguns de seus representantes, para a pf do moro tentar golpe, dentro do golpe, dentro do golpe…
    Com estas prisões absurdas ainda jogariam cortina de fumaça na suspeita de comprometimento da famiglia na morte de Mariele e Anderson.

    7
    1

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome