Margarida Alves, a inspiradora da Marcha das Margaridas

Sempre em agosto, as Marcha das Margaridas leva reivindicações e propostas das mulheres do campo para o centro do poder, sempre com foco na igualdade de gênero, combate à fome e à violência.

Margarida Alves. Foto: Arquivo CPT

do Instituto Lula

Memória: Há 35 anos, Margarida Alves morria com um tiro no rosto

Margarida Maria Alves foi assassinada com um tiro no rosto em 12 de agosto de 1983, há exatos 35 anos. A mando de fazendeiros da região, pistoleiros armados de calibre 12 atiraram no rosto da presidenta do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Alagoa Grande, na Paraíba, na frente de seu filho e de seu marido, na porta de casa.

O crime foi motivado pelas denúncias que a sindicalista fazia contra abusos e desrespeito aos direitos dos trabalhadores nas usinas da região. Durante os 12 anos em que presidiu o sindicato, Margarida moveu mais de 73 ações contra as usinas de cana de açúcar da região. Depois de sua morte, ela se transformou num símbolo da luta das mulheres camponesas por terra, justiça e igualdade.

Os conflitos entre trabalhadores rurais  e proprietários de terra seguem fazendo vítimas e manchando de sangue a história do campo no Brasil, o país mais violento do mundo para populações camponesas. Só em 2017, 71 pessoas foram assassinadas no campo por lutarem por terra ou em defesa do meio ambiente – maior número registrado desde 2003. Os crimes costumam ser motivados pelas disputas de interesses entre comunidades tradicionais, agricultores e grupos interessados em explorar territórios, como o agronegócio. A maioria deles, porém, segue sem esclarecimentos.

Desde o ano 2000, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag), com apoio da Articulação de Mulheres Brasileiras, da Marcha Mundial de Mulheres, da Central Única dos Trabalhadores e de outras 27 federações estaduais e mais de 4 mil sindicatos, realizam em Brasília a Marcha das Margaridas.

Leia também:  Gleisi é o PT que o poder econômico não quer ver, por Patrus Ananias

Sempre em agosto, as Marcha das Margaridas leva reivindicações e propostas das mulheres do campo para o centro do poder, sempre com foco na igualdade de gênero, combate à fome e à violência.

Mais de 20 mil mulheres do campo participaram da primeira edição da Marcha das Margaridas, há 18 anos. Outras marchas aconteceram em 2003, 2007, 2011 e 2015. Na última, mais de 100 mil mulheres participaram.

No 1º de março deste ano, a Marcha das Margaridas e organizações parceiras lançaram o manifesto que chama para a Marcha das Margaridas de 2019, que esperam ser a maior mobilização de massa das mulheres do campo da América Latina.

Memorial da Democracia

Memorial da Democracia  é um museu virtual dedicado às lutas democráticas do povo brasileiro. Nele você encontra a história de Margarida Alves e mais de mil episódios entre 1930 e 2010.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. essas mulheres mostram que ainda
    há esperanças em lutar por um país mais
    inclusivo e justo social e politicamente….

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome