Morre aos 92 anos o quadrinista Uderzo, criador do “Asterix”

Com René Goscinny, Albert Uderzo imaginou em outubro de 1959 as aventuras do gaulês de bigode loiro, um personagem "cult" nos quadrinhos. Desde a sua criação, os álbuns de "Asterix" venderam 380 milhões de exemplares em 111 idiomas.

Albert Uderzo posa ao lado de seus personagens famosos: Asterix (à esq.) e Obelix, em 19 de abril de 2007 em Paris. © AFP/Arquivo

da RFI

Morre aos 92 anos o quadrinista Uderzo, criador do “Asterix”

Com René Goscinny, Albert Uderzo imaginou em outubro de 1959 as aventuras do gaulês de bigode loiro, um personagem “cult” nos quadrinhos. Desde a sua criação, os álbuns de “Asterix” venderam 380 milhões de exemplares em 111 idiomas.

 

A última obra da série, “A filha de Vercingetorix”, dirigida por Jean-Yves Ferri e Didier Conrad, chegou às livrarias em 24 de outubro de 2019, com uma circulação mundial de cinco milhões de cópias, para celebrar o 60º aniversário da primeira edição. Sempre atual, a heroína do 38º álbum das histórias de Asterix e Obelix é uma jovem reivindicativa que lembra a ativista sueca Greta Thunberg. Outro aspecto que transcendeu a história em quadrinhos é a existência, na história, de um grupo de resistência clandestino batizado de FARC.

Inspiração para aldeia gaulesa

Uderzo, filho de imigrantes italianos originários das regiões de Veneto e da Toscana, nasceu na cidade francesa de Fismes, a 138 km de Paris. Durante a infância, ele sonhava em ser mecânico de aviões, embora já demonstrasse talento para as artes. Depois de se mudar para a Bretanha, no noroeste da França, durante a Segunda Guerra Mundial, encontrou nessa região o cenário ideal para a aldeia gaulesa da série Asterix. Ao final do conflito, em 1945, Uderzo iniciou sua carreira de artista na capital francesa.

Leia também:  Benko, o João que dignificou Abadiânia (GO), por Marcelo Auler

Ele conheceu Goscinny em 1951 e logo se tornaram grandes amigos, decidindo trabalhar juntos. Asterix, o gaulês, apareceu pela primeira vez na revista francesa “Pilote”,  em histórias apresentadas em capítulos. O personagem era um guerreiro baixinho e de aparência inofensiva que habitava uma aldeia da Gália, território que se estendia entre França, Bélgica e Itália, por volta de 50 a.C. Na época, o poderoso império romano já havia invadido a região, mas encontrava resistência da aldeia de Asterix. Seus habitantes rechaçam os invasores graças à enorme força que conseguem ao tomar a poção mágica do druida da aldeia. O maior aliado de Asterix é o grandalhão Obelix, que é proibido de tomar a poção mágica, pois caiu dentro do caldeirão da poção quando era bebê e desenvolveu força constante. Ao lado de Obelix e do cãozinho Ideiafix, Asterix viveu inúmeras aventuras ao redor do mundo.

Banquetes de javali

Depois da morte de Goscinny, em 1977, Uderzo passou a tomar conta da obra e dos direitos autorais dos irredutíveis gauleses. Em 2008, entretanto, ele cedeu sua editora, Albert René, para uma outra editora francesa, a Hachette. Uderzo, que dizia ser contra a publicação dos gibis após a morte do colega, mudou de ideia – segundo ele, em respeito aos fãs do gaulês. A única condição era que as novas histórias terminassem sempre com os famosos banquetes de javali.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome