Que mistérios têm Laila Curi?, por Luciano Hortencio

Ontem o amigo Tadeu Kebian solicitou, no Grupo Facebook Arquivo Confraria do Chiado, notícias atualizadas sobre a cantora Laila Curi. Segundo o amigo Kebian há pouquíssimas informações sobre a cantora na internet, o que foi por mim confirmado.

Curioso como sou, passei boa parte da noite procurando e fui recompensado. Trago aqui um excelente vídeo com toda a trajetória artística de Laila Curi, inclusive com imagens por ela gravadas, falando e também cantando.

Se algum dos que passarem por esse Post tiver notícias mais frescas da grande Laila Curi, favor postar através dos comentários.

luciano

Fontes:

youtube

http://brazilianpop-30-40-50.blogspot.com.br/2012_05_01_archive.html

27 comentários

  1. O rapto da Laila

     

    O Pirata Cearense e a Vaca Atolada

    O pirata matreiro

    com espada de pau,

    chapéu de caveira

    e cara de mau,

    faz muita marola…

    Imagem via ChaCha

    Diz que quer tesouro

    com prata e ouro

    e enfrenta o mar bravio

    com seu navio sombrio.

    Mas não me engana não!

    Esse tal pirata

    nada tem de mau,

    ele gosta mesmo

    é de um bom prato

    de mingau.

    (Andra Valladares)

    O piratinha, que raptou a Laila Curi, só fica sossegado quando manda pro bucho um belo prato de mingau de macaxeira, cozida com uma gorda costela de boi zebu. Dizem que ele tá de olho na boutique do Berloque da Bonsucesso, na foto.

      • Lenita Mizifia

         

         

        Enfie o seu pé na jaca da  “vaca atolada”, sem moderação; vai!

        Veja como preparar uma maravilhosa receita de vaca atolada, fácil de fazer e muito saborosa.

        INGREDIENTES

        ·       2 Quilos de costela bovina

        ·       1 Cabeça de alho

        ·       5 Tomates

        ·       2 Quilos de mandioca

        ·       3 Cebolas

        ·       Orégano à gosto

        ·       Salsinha à gosto

        ·       Sal à gosto

        MODO DE PREPARO

        ·       Tempere a costela com alho, sal, orégano e frite até ficar douradinha.

        ·       Depois junte os tomates, a salsa e coloque a água suficiente para cobrir e deixe cozinhar em fogo baixo.

        ·       Quando tiver cozida, coloque a mandioca do Luciano Hortencio e deixe até que fique macia ao ponto.

                 Dica: Se preferir coloque um pouco de massa de tomate

        Do  Mega Receitas

        http://megareceitas.com.br/receita-de-vaca-atolada/

        • Obrigada JNS

          Copiei a receita, pois adoro esta “vaca”. Mas não judie do Luciano, que é o meu “oásis”, em meio a tantos Posts azedos do  “Seo” Nassif .

  2. Pirata do Ceará

     

     

    Sou o único homem a bordo do meu barco.

    Os outros são monstros que não falam,

    Tigres e ursos que amarrei aos remos,

    E o meu desprezo reina sobre o mar.

    Gosto de uivar no vento com os mastros

    E de me abrir na brisa com as velas,

    E há momentos que são quase esquecimento

    Numa doçura imensa de regresso.

    A minha pátria é onde o vento passa,

    A minha amada é onde os roseirais dão flor,

    O meu desejo é o rastro que ficou das aves,

    E nunca acordo deste sonho e nunca durmo.

    (Sophia de Mello Breyner)

  3. incrível teu conhecimento e gosto musical

    Hortêncio,

    sempre te vejo, ou no youtube também. Arte (não gosto muito da separação cutura popular x cutura erudita. Você é uma pérola, graças ao ggn temos o enorme prazer que nso proporciona, arte alarga visões, aspectos,claro, super subjetivos, claro. humberto cavalcanti – http://humbertohpc.wordpress.com (imagens do tipo instantaneos do cotidiano, equipamento analógico, não tenho dinheiro pra uma camera digital que se aproxime em manuseio e emqualidade que o negativo tem (que naõ foi abandonado no tal primeiro mundo). Meu blog temvárias páginas internas, a que não for verdadeiramente isntantânea eu boto um aviso. Lá tem um texto calmo meu , uma cronica linda de rubem braga (aprendi a ler com minha maae por cronicas dele e por jornais). Meu email tá lá, IP tudo (tudo que o Nassif e equipe têm, certamente mais do que meu inconsciente acha que tem…). Nickname foi o nome mais óbvio, por ser mais óbvio é que escolhi. Cartier-Bresson é o q mais aprecio – já vi exposição dele ao lado foto a foto com as de S Salgado, em são paulo !!!!!

  4. LAILA CURI SEM MISTÉRIOS – III

     

    Por

    Lulu Pavone

     

    ‘Almôço com as estrêlas’ transmitido todos os sábados das 12:00 as 13:00 horas pela TV Tupi, Canal 4 de São Paulo desde 1956, completa 4 anos em Agosto 1960.

    Laila Curi canta ao fundo enquanto os artistas se alimentam…  

    Ayrton Rodrigues entrevista Hebe Camargo e Lolita Rodrigues assiste, enquanto Laila Curi encanta o pessoal da mesa.

    Revista do Radio reports on Laila Curi

    RR introduces Laila Curi in mid-1958; Laila is chosen as revelation of 1958 by journalists

    Laila leaves her weekly TV show on TV Tupi and goes to the USA to have a nose job done.

    Laila among the most popular performers in S.Paulo

    In mid-1959 Mondays had Orlando Silva at 21:00 TV Paulista; Morgana at 22:10; Tuesdays had Angela Maria at 20:35 (TV Record) & Laila Curi at 22:05 (TV Tupi); Wednesday had ‘Espetáculos Maysa’ at 20:30 & ‘Espetáculos Leny Eversong’ at 21:05 (Record); Fridays had Lana Bittencourt at 20:30 (TV Paulista) and Sylvio Mazzucca at 21:10 (Tupi); Saturdays had ‘Discoteca do Chacrinha’ at 12:00 and ‘Almoço com as estrêlas’ at 13:45 (Tupi). Ivon Curi & Laila Curi (no relation) pose for a picture.

    Laila finally poses with her brand-new nose for Revista do Radio – 1959

    Crédito:

      Informações do detetive Lulu Pavone

     

  5. LAILA CURI SEM MISTÉRIOS – II

    Por

    Lulu Pavone

    Roberto Luna, Silvio Luiz, Maysa… e Laila Curi em segundo plano, olhando para trás; no intervalo da entrega do prêmio Roquette Pinto da TV Record.

    Laila Curi nasceu em São Paulo. Filha de imigrantes libaneses originarios de Duma. Quando ainda criança de colo a familia Curi retornou ao Líbano onde seu pai lecionava na Universidade de Beirut. Lá morou seis anos com os pais e os irmãos.
     
    Aos cinco anos de idade, Laila cantou num evento da Universidade. A familia Curi era da religião presbiteriana e foi no coral da igreja que desenvolveu sua voz e musicalildade. Após retorno ao Brasil, aos 18 anos fez seu primeiro solo na igreja, e como ela diz: “desde então não parei mais de cantar em louvor”.
     
    O estrelato de Laila Curi aconteceu quase por acaso. Sua voz grave e a afinação já impressionavam os familiares e amigos que sempre solicitavam seu talento nas festas e eventos sociais. No entanto, a rígida moral da sociedade brasileira de então trazia empecilhos àqueles que pensavam em seguir carreira artística.

    O preconceito certamente atingia ainda mais as mulheres, taxadas e estigmatizadas pela mentalidade conservadora. Laila se recorda da expressiva e controversa figura de Maysa Matarazzo, então no auge: “ao lado de Dolores Duran, Maysa é uma das maiores influências na minha carreira” – aponta.

    Em julho de 1957, Laila fez um teste na TV Tupi apenas para ganhar uma aposta. Cantava em festas de amigos e, ao perguntarem porque não tentava entrar para a TV, ela dizia que sua mãe não permitia. Eles não acreditavam e diziam que era medo de ser gongada em programa de calouros.

    Com seu violão a tiracolo, Laila compareceu então a uma entrevista na TV Tupi, quando cantou cinco canções em árabe, português, espanhol e inglês. Cassiano Gabus Mendes e Homero Silva, os homens-fortes da Tupi, estavam presentes, e no mesmo instante a contrataram para o cast da emissora. Durante um mês, fotos e entrevistas suas sairam nos jornais Associados até o dia da estreia de seu programa.

    Logo em seguida foi contratada pela RGE onde gravou ‘Sodade véia’ e canção M’amin, uma rumba oriental trazida ao Brasil pela libanesa Hannan, que foi considerada moderna demais por alguns membros da colônia árabe da época, mas causou impacto entre os brasileiros para quem a cultura árabe ainda era vista com bastante exotismo.

    Laila, a Noite e a Música

    Em 1958, Laila grava na RGE o LP “Laila… a noite e a música” com um repertório curioso, mesclando toadas, beguine, samba-canção, música árabe e até uma espécie de rock libanês. Como destaque há a música “Minha véia” tema popular recolhido pela cantora, que fazia muito sucesso em suas apresentações ao vivo, onde Laila fazia questão da participação da platéia na resposta de ‘os pintinhos píu, os pintinhos píu…’. O LP é considerado muito bom até os dias de hoje e se tornou um item de colecionador valioso. As orquestrações e arranjos são dos Maestros Simonetti e Rubens Perez, o  “Pocho”.

    Por conta desta receptividade entre a comunidade sirio-libanesa, a RGE decidiu gravar ‘Mil e uma noites’, um LP todo cantado em árabe. A alta venda entre os membros da colônia, assim como entre os curiosos brasileiros, era muito mais uma certeza do que uma expectativa.

         Edgar Gebara & Laila Curi em 6 de março de 1961.

    No dia 6 de março de 1961, Laila Curi se casou com Edgar Gebara na Catedral Presbiteriana, abandonando a carreira artística para se dedicar apenas à sua familia. Teve três filhos e dois netos. Ela lembra que o marido sempre a apoiou incondicionalmente, afinal, os dois se conheceram em uma festa, mas o namoro começou quando Edgar a viu cantando a música “Eu sei que vou te amar” de Vinícius de Moraes em apresentação que fez na TV Tupi sob a direção de Luiz Galon. Ele e outros amigos de Laila estavam nos bastidores e naquele dia o pedido de namoro foi oficializado.

    A decisão de abandonar os palcos partiu da própria Laila, que aliás diz não sentir nenhum tipo de arrependimento por sua decisão. Edgar era diretor de uma multinacional e devido às muitas viagens que a família fazia, ficaria difícil para Laila assinar contratos com gravadoras e redes de TV.

    Como presente da sua gravadora RGE, grandes aparelhos Ampex foram levados à igreja com uma fita gravada por ela no estudio, com orgão. Na hora da benção, sua voz encheu a igreja com um hino pedindo as bençãos de Deus.

     

    Casamento de Laila Curi e Edgard Gebara na ‘Revista do Radio’ de 15 Abril 1961.

    Láila Curi, cantora das Emissoras Associadas de São Paulo, contraiu núpcias com o engenheiro Edgard Gebara. A noiva teve por padrinhos, no civil, o casal Carlos Bianco, d. Menta Rebene e sr. Jorge Antar. Do noivo foram padrinhos, o casal Mário Mari, sr. Alair Amarante e d. Salua Curi. A cerimônia religiosa, realizada às 19:00 h do dia 6 de março de 1961 na Catedral Evangélica de São Paulo, foi assistida por destacadas figuras da colônia sirio-libanêsa, artistas de radio e TV e numeroso público admirador da cantora. No religioso, o sr. Carlos Jafet e senhora, d. Inês Mokdessi e o sr. Edmundo Monteiro, superintendente das Emissoras Associadas, e por parte do noivo, o sr. Demétrio Calfat e senhora, srta. Margareth Gebara e sr. Charles Stephens. Terminado o ato, a voz de Láila Curi, em gravação, entoou um hino sacro inspirado no ato solene dos esponsais. Foi uma cerimônia nupcial de grande beleza que emocionou a todos os paulistas. ‘Revista do Radio’ , em 5 de abril de 1961. 

     
     

    RGE’s EP 90.079 ‘Alguém é de alguém’ (would be anti-thesis of ‘Ninguém é de ninguém’) plus ‘Menino dos ôio meu’ (folk song), ‘Primeira estrela que vejo’ and ‘Serenata’. 

    Laila Curi in Concert in Marilia-SP | 27/08/1960

    Assim aparecia o anúncio no ‘Correio de Marilia’:

    Laila Curi – a maior sensação da televisão paulista apresenta-se às 20:30 no Salão Nobre do Colégio Sagrado Coração de Jesus, em benefício da 4a. série ginasial nocturna do Ginasio São Bento.

    As 23:00 Laila apresenta-se no Clube Sírio-Libanês, patrocínio exclusivo de Chácaras Jussara, promoção da PRI-2, Radio Clube de Marília.

    Fiquei fã de Laila Curi em 1960, quando ela fez uma tournee pela Alta Paulista – região a 500 km a oeste de São Paulo – e cantou no Salão Nobre do Colégio Sagrado Coração de Jesus, recém-inaugurado e o melhor espaço cultural de Marília. Eu tinha 10 anos. Não fui ao concerto, pois era… criança.

    Acontece que a Radio Clube de Marília, PRI-2 tinha o habito de gravar shows de cantores visitantes e os apresentava na íntegra em um programa que ia ao ar ao meio-dia do dia seguinte.

    Foi justamente ouvindo a gravação desse concerto que me tornei fã de Laila Curi. Ela comandou o espetáculo com tal maestria e fez o público, que superlotava a casa, fazer coro em resposta ao canto folklorico ‘A minha véia’… e no final o teatro inteiro entoava… ‘e os pintinhos piu, os pintinhos piu…’ Laila me cativou para sempre.

    P.S.: como já dito acima, o espetáculo do Sagrado Coração foi devidamente gravado pelo pessoal tecnico da PRI-2 e reapresentado na 2a. feira ao meio-dia, no programa de maior audiência daquela simpática cidade-moça. Não se esqueçam que naquela época, as pessoas iam almoçar em casa e audiência radiofônica tinha seu ‘pico’ ao meio-dia.

    Crédito: Informações de Lulu Pavone

      • Só procê

         

        Parceirinho Maior,

        O material parece ser bom – nem lí todo ele, ainda – e, para atender ao comando do Meu Parça, sapequei as informações ao seu belo post, para valorizar o seu trabalho de conservação das raridades que você guardou durante a épica travessia nautica, junto do visionário e destemido Noé, quando vocês transportaram aquela bicharada vistosa, surfando o Dilúvio que foi despejado aquí na Terrinha pelo Divino.

        O material disponibilizado fica bagunçado quando é copiado e transladado diretamente para o LNO.

        De outro modo, separadamente, você pode copiar as imagens ou o texto e colá-los no espaço de destino no blog.

        Importante:

        Não apenas copie as imagens diretamente da fonte onde elas foram disponibilizadas; clique nas imagens, para que as mesmas sejam destacadas e fuja do Chrome.

          [ é chato prá krai e impede o redimensionamento da imagem sacada na origem ]

        Use o Powerpoint para dar uma bypassada no texto por lá, porque o Word mantém a formatação da origem e isso enche o saco dos especialistas em Ctrl + C / Ctrl + V, como eu sou.

        Devem existir métodos mais simples, mas, fique esperto: eu passo por aí…

        Beijo nas nádegas!

        Fui!

  6. LAILA CURI SEM MISTÉRIOS – I

    Laila Curi at the peak of her singing career in 1959 | Laila Curi na Revista do Radio de 30 /08/1958.

    Laila Curi na feira da Praça Roosevelt à esquerda. A direita, Laila em companhia de sua sobrinha e Leonel Gualter, atravessam a Avenida Ipiranga com a Avenida São Luiz em São Paulo.

    São Paulo, que já projetou grandes cartazes – Maysa, Agostinho dos Santos, Roberto Luna, Isaurinha Garcia, Elzinha Laranjeira – tem agora uma nova voz-sensação: Laila Curi.

    Tendo começado a cantar em reuniões familiares, Laila, que pertence a tradicional família da colônia síria de São Paulo, tornou-se profissional mais como um meio de desenvolver seus dotes artístico do que buscando remuneração para seu talento. É que sua família é de grandes posses, como os leitores podem ver, pelas fotografias de sua residência que ilustram essa reportagem.

    Um dia, Laila resolveu fazer um teste nas Emissoras Associadas paulistas e foi imediatamente contratada. Desde suas primeiras audições, sempre se apresentou da mesma forma: sem qualquer nervosismo ou embaraço. O seu programa de estréia foi feito empregando-se o recurso do ‘play-back’, ou melhor explicando, foi dublado, o que mostrou a sua grande capacidade de se adaptar às dificuldades impostas pela necessidade de programação.

    Pouco depois de sua estréia no radio, foi contratada pela RGE, que a fez assinar um contrato de 2 anos e logo lançou seu primeiro disco, no qual Laila apresenta musica que que se tornou seu prefixo na TV Tupi, ‘Sodade véia’ e ‘Mamim’, esta última uma rumba-árabe, seu grande sucesso em São Paulo. Devido ao êxito desta gravação, Laila já fêz seu primeiro LP na RGE.

    Mesmo famosa, Laila faz questão de não alterar muito seu ritmo de vida: não dorme depois da meia-noite e não acorda depois das 8 da manhã. Ainda não sabe o que é uma boite por dentro; não fuma, não bebe nada que contenha alcool e é religiosa praticante. Em casa é a querida da família e tem uma vida normal, gostando muito de ir à feira. Só se lembra que é artista nas têrcas-feiras, dia de seu programa.

    Laila foi duas vêzes campeã paulista de volley-ball e uma vêz campeã brasileira. Atuou no quadro do Clube Athlético Paulistano e na Seleção Paulista. Ela é enfermeira formada [samaritana]. Ainda não achou seu ‘príncipe encantado’. Mas assim que encontrar, casará e gostaria de ter quatro filhos e dedicar-se completamente à sua vida caseira, deixando por completo a vida artística. Mas faz questão que o eleito tenha gôsto pela música, para cantar em casa e sentir o aplauso da ‘platéia’ caseira.

    É fã de Angela Maria, Mysa, Sylvio Caldas e Dorival Caymmi. No futebol, torce pelo São Paulo FC e no Rio pelo Flamengo. Adora o mar e a vida simples.

    Laila Curi na RGE

    http://3.bp.blogspot.com/-dtNiI6o4gXk/T55QYZsAEdI/AAAAAAAAAGY/NchTB9Y293M/s320/036.JPG  

    Laila Curi e sua sobrinha nas páginas da Revista do Radio | RGE – XRLP 5026 – 1958

    Laila, a Noite e a Música

    1. Ondas do mar

    2.  Minha véia

    3.  Ya Habibe

    4.  Além

    5.  Se ele vier

    6.  Mamim

    1.  Era bom

    2.  Daddy Lolo

    3.  Souvenir

    4.  Sodade véia

    5.  Quando a saudade vem chegando

    6.  Passado, presente e futuro

    Para ler a critica do LP de Laila Curi feita por Toque Musical

    http://toquemusical.wordpress.com/2010/10/06/laila-curi-laila-a-noite-e-a-musica-1958/

    Laila Curi, cantora de origem libanesa, surgiu em São Paulo em 1957, fez parte do ‘cast’ da RGE em sua fase de ouro. Gravou inicialmente dois discos de 78 rpm com temas folclóricos nacionais e árabes. A singularidade ao cantar músicas libanesas e também em inglês, lhe garantiram programa próprio na TV Tupi, Canal 3. 

    Neste 1o. LP ha um repertório curioso, mesclando toadas, beguine, samba canção, música árabe e até uma espécie de rock libanês. Como destaque temos a música “Minha Véia” tema popular recolhido pela cantora e “Passado, Presente e Futuro”, samba canção de Billy Blanco. As orquestrações e arranjos são dos Maestros Simonetti e Rubens Perez “Pocho”.

    Daddy Lolo it’s Oriental Rock ‘n’ Rollo

    O rock-oriental “Daddy Lolo”, que Laila canta em seu LP, foi composto e gravado originalmente por Charles “Chick” Ganimian, em Novembro 1957, e lançado pela East-West Records – braço da poderosa Atlantic [ATCO]. Ganimian nasceu em Troy, NY, USA, de pais Armênios, que imigraram da Turquia. Portanto “Chick”, ou “Hachik” [como é conhecido na Russia] falava armênio e turco, alem do inglês. Ganimian tem um LP em catálago [ATCO-35-107] chamado “Come with me to the Casbah” – Ganimian & His Oriental Music, onde ele toca o “oud” [uma espécie de alaúde], que você pode ouvir na gravação da nossa querida Laila.
    Daddy lolo daddy lolo lolo
    means it’s oriental rock and rollo
    daddy lolo daddy lolo lolo
    turna around and do a solo

    Daddy lolo daddy lolo lolo
    hand-in-hand you dance and keep your toe
    daddy lolo daddy lolo lolo
    rock and roll in oriental tempo

    Ai está a letra bem “engraçadinha” de Rock’n’Rollo, oriental style.

    ‘Mil e uma noites’  RGE – XRLP 5052 – Laila Curi – 1959

    1.  Canção dos meus vinhedos
    2.  Soraya
    3.  O amor de Laura
    4.  Carícia de amor
    5.  Minha terra
    6.  Ya Hala Ya Hala

    1.  Moça bonita
    2.  Minha mãe
    3.  Meditação
    4.  Visita
    5.  Olhar fascinante
    6.  Ya Habibe

    Com Orquestra RGE conduzida pela Maestro Pocho – Ruben Perez

    Alaíde Costa, Abelardo Barbosa & Laila Curi | Laila Curi na Revista do Radio – 1959

    Crédito: Informações enviadas por Lulu Pavone ao Brazilian Pop

  7. Ô Luciano, vc não acha que a

    Ô Luciano, vc não acha que a voz de Laila Cury, muito bonita por sinal, lembra a da Helena de Lima? Eu achei bem parecida, talvez pelo tom grave.

  8. Laila Curi

     

    A Noite do Meu Bem

    “Ah! como este bem demorou a chegar/ Eu já nem sei se terei no olhar/ Toda pureza que eu quero lhe dar”

     

    ‘Em foto recente’, publicada pelo Brazilian Pop em 01/05/2012

    [video:http://youtu.be/Pe6Mv3U9jGs width:600 height:450]

  9. Parece dezembro de um ano dourado

    Caro Luciano, iria dizer que de Laila Curi so conhecia algumas canções como “Minha Véia” que ouvi muitas vezes quando criança e cantava a meu curumim quando menorzinho. Mas eis que JNS, O Grande ( te enviou um beijo na bunda :::))), ja trouxe muitas noticias da bela cantora Laila.

    So acho uma pena que algumas mulheres dessa geração, que se emanciparam através da musica, deixaram a carreira para se casar. Eh escolha de cada um, claro, mas muitas foram empurradas a tomar essa decisão pelo preconceito que imperava na sociedade classisita ou pelo marido. Em todo caso, Laila deixou alguns registros que valem a pena ser recuperados.

    No mais, a correria de fim de ano ja começou ! 

    Meus olhos molhados, insanos, dezembro…

    • Preconceito sem duvida

      Preconceito sem duvida nenhuma, mas era a maneira que a sociedade era construida mesmo.  Ate mesmo Grace Kelly causou um mini escandalo quando o rumor circulou que ela ia filmar de novo com Hitchcock (o rumor era verdade), e nunca mais se ouviu falar dele depois disso.

    • bjs

       

      Anos Dourados

      “Bolero, nossos versos são banais/ Mas como eu espero”

      “Te ligo afobado/ E deixo confissões no gravador/ Vai ser engraçado’, com todo o respeito, claro, pois ele é o nosso Comandante!

      Partiu J.!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome