João Gilberto em livro para pensar

De O Globo – 09/06/2012

Obra foge do anedotário em torno do cantor e reúne ensaios sobre sua originalidade, além de raras entrevistas


João Gilberto em Ipanema, no fim dos anos 1950: imagens do livro ‘João Gilberto’, organizado por Walter Garcia
Foto: Divulgação/Francisco Pereira

João Gilberto em Ipanema, no fim dos anos 1950: imagem do livro ‘João Gilberto’, organizado por Walter Garcia


RIO – João Gilberto completa 81 anos neste domingo. E chega, enfim, às livrarias o volume que deveria ter sido lançado para comemorar os 80. Depois de retardar a publicação alegando precisar da autorização do artista — embora o livro nem toque em sua vida pessoal, consistindo numa reunião de ensaios sobre ele e entrevistas já saídas na imprensa —, a editora Cosac Naify apresenta as 512 páginas de “João Gilberto”.É, desde já, uma obra de referência sobre o criador da bossa nova. Mas não é para muitos: custa em torno de R$ 215 e parte dos ensaios tem, naturalmente, um viés acadêmico. 

–  É claro que a gente sonha com o dia em que um livro desse vai custar R$ 15 no Brasil — lamenta o organizador Walter Garcia, que não teve qualquer ingerência no preço nem no adiamento da publicação. — Sobre os ensaios, há ideias deles que podem se popularizar com o tempo. É o que aconteceu com o do Lorenzo Mammì (“João Gilberto e o projeto utópico da bossa nova”, de 1992). Hoje ouvimos com frequência a bossa nova associada à ideia da “promessa de felicidade”.

Artigos inéditos

Por sua importância, o artigo de Mammì está reproduzido no livro, no bloco “O Brasil de João” da seção “Caminhos cruzados: ensaios, perfis e resenhas”. Mas os outros ensaios do bloco são inéditos, incluindo um de Garcia, “Cordialidade, melancolia, modernidade”.

Há outros capítulos inéditos no bloco “Segredos do ofício”, como o do maestro Diogo Pacheco e o do músico baiano Aderbal Duarte, hoje o mais completo explicador da originalidade e da complexidade do violão de João.

Garcia, ele mesmo um investigador da obra do artista e autor do livro “Bim bom — A contradição sem conflitos de João Gilberto”, procurou organizar um dossiê que aprofundasse as visões sobre o tema, afastando o anedotário em torno do músico. Há até um bloco chamado “Antianedotário”, com textos de quem esteve próximo dele, como a reportagem “A viagem de João”, publicada por Mario Sergio Conti na “Folha de S. Paulo”, em 2000.

— A primeira preocupação do livro foi afastar a série de mitologias em torno do João, toda essa bobagem. E colocá–lo no lugar que é o dele: o de grande artista, que dialoga com os maiores do Brasil e do mundo — diz Garcia, referindo-se às associações feitas em ensaios com Carlos Drummond de Andrade, Guimarães Rosa, Piet Mondrian e outros.

O organizador, no entanto, também procurou fugir de textos que tratam João como “mito”, “deus”, “gênio”.

— O Edu Lobo contou uma vez que o Tom Jobim dizia: “Depois de um certo tempo, espetam umas medalhas em você e não escutam mais suas músicas”. A ideia no livro era mostrar como João foi mudando, executando as músicas de formas diferentes — diz Garcia, ainda lembrando, para mostrar como não buscava a unanimidade, que há ensaios que contradizem outros.

A primeira seção, “De conversa em conversa”, reúne algumas das poucas entrevistas dadas por João. Há famosas, como a feita por Tárik de Souza em 1971, para a “Veja”; outras um pouco menos conhecidas, mas também relevantes, como a que John S. Wilson publicou no “New York Times” em 1968 e a de Mara Caballero no “Jornal do Brasil”, em 1979; e as mais frívolas, do início da bossa nova, tempo em que o artista tinha menos aversão à imprensa — casos das de “Radiolândia”, “Revista do Rádio” e “Fascinação”.

Edinha Diniz, profunda conhecedora do trabalho de João, cedeu alguns depoimentos para a seção inicial, cuidou da cronologia e ainda publicou na íntegra o artigo “A grande síntese”, cuja primeira versão saiu em 2001, no caderno do “Jornal do Brasil” dedicado aos 70 anos do músico. Este se juntou, no bloco “Um artista moderno”, a outros dois ensaios importantes: “O samba cubista”, de Ronaldo Brito, e “‘Eu mesmo mentindo devo argumentar’”, de José Miguel Wisnik.

Das contribuições do exterior, uma interessante é “Procurando Sonny”, entrevista do professor americano Christopher Dunn com Sonny Carr, o lendário baterista do “disco branco” de João (de 1973) e que muitos pensavam ser um pseudônimo. Ele morreu pouco depois da entrevista

                                                                                              ###   ***   ###

 

Vídeos:

1) Joao Gilberto and Antonio Carlos Jobim – Chega de Saudade

Teatro Municipal do Rio de Janeiro – 1992

 2) João Gilberto – Wave

live in Roma – agosto de 1983

 3) Corcovado by Joao Gilberto

 João in Concerto

4) Joao Gilberto – Garota de Ipanema (junto a Tom Jobim)


Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome