Catarina e Jarirí – uma paixão sobre-humana

– Éissa ie uma situassão comprétamienti imprévista. Num dava pá imájina uilsso, qui u puóvo iria si sintí tão cunfianti di si qui andaria cum a cabeça in pé dianti dus ópressoris. Ieu num tô venu salução pra uilsso. Vai parecê fraqueza nuóssa fala preles vortá a baxá a cabeça dianti dus poderósus. Num vão admití uilsso i a jienti vai perdê pontos.

– Maisi, mestre, Vardí falô qui u pai di Catarina acha uilsso, eile num tem célteza di nada, num tem próva. Cum u tempo, eile vai si acustumá cum uilsso, achanu qui num ié nada impórtanti.

– U póbrema, Nicanor, é eile mandá u juiz prendê arguns qui num baxam a cabesa, pá fazê eiles confessá u purquê deiles ficá cum a cabesa in pé cuandu passam pelus poderósus. Ucê sabi qui u juiz é cupincha deiles.

Adispois du mestre falá uilsso, tudos eiles ficaru silêncio, pensanu in cumo résórvê aquela situação délicada. Arguns pegaru pedaços di pexe i cumessaru a cumê divagarinhu, ispéranu aparecê arguma ideia boa. Entoncis, Néja quebrô u silêncio:

– Ieu acho qui num tem jeito, mestre. Eisses qui vão pá ciudadi falá cum os úrtimos contatados dévem falá pa éiles pidí qui tudos eiles baxem a cabesa prus póderosus porqui num vai démóra muito preles andá ca cabesa in pé pra sempre. E qui eiles dévem tê paciência.

– Ucê tá cérta, Néja. Vamu tê di fazê uilsso sim. Num tem otro jeito.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora