Clipping do dia

As matérias para serem lidas e comentadas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Com os pobres "não tem que dividir renda", diz Bolsonaro em meio à pandemia

53 comentários

  1. MORO SABE DE TUDO SOBRE OS MILICIANOS QUE ELE PROTEGE

    Moro afirmou que Adriano foi assassinado
    13 de fevereiro de 2020, 12:33 , por Jeferson Miola
    Adriano da Nóbrega e Sérgio Moro

    O inconsciente é uma fonte poderosa e confiável da verdade. Através do inconsciente o ser humano revela aquela verdade íntima e profunda que tenta esconder.

    Num ato falho cometido quando explicava a morte do miliciano Adriano da Nóbrega em audiência na Câmara dos Deputados, o ministro Sérgio Moro admitiu que o miliciano aliado dos Bolsonaro foi assassinado.

    Moro rebatia acusação de que sua Gestapo [PF], que não incluiu Adriano na lista dos bandidos mais procurados, estaria protegendo o miliciano aliado e sócio dos Bolsonaro nos negócios políticos do clã.

    MATÉRIA completa: https://www.brasil247.com/blog/moro-afirmou-que-adriano-foi-assassinado?amp&__twitter_impression=true

    Na minha opinião, Moro não colocou o Adriano na lista dos procurados para que o miliciano abaixasse a guarda. Ele não baixou, mas mesmo assim foi assassinado. Todos os dias eu leio´matérias sobre as milícias para saber se o Queiroz ainda está vivo.

    • Cid Gomes levou dois tiros no peito

      Policiais amotinados e paramilitares a paisana

      Milicia

      Como nao poderia de ser, os Bozonaro atacam a vitima e defendem a acao contra Cid

  2. Os Bolsobostas batem carteira e gritam “pega ladrão” prá desviarem eventuais perseguidores

    A execução do Miliciano Adriano interessava à família, pois queimou um arquivo vivo.

    E sabe porque o capanga de miliciano $érgio Moro não incluiu o Adriano na lista?

    Advinha:

    “Não era necessário, ele seria encontrado poucos dias depois”.

    Como o $érgio Moro soube que ele seria encontrado poucos dias depois da divulgação da lista de criminosos mais procurados e que, portanto, não era necessário incluí-lo na lista?

    Aliás, segundo o Ministério da Justiça ele não foi incluído na lista não porque seria encontrado poucos dias depois da divulgação da tal lista mas porque “as acusações contra ele não possuem caráter interestadual, requisito essencial para figurar no banco de criminosos de caráter nacional”.

    E agora, $érgio Moro?

    Pelo visto, o Adriano era um One Man Army (Sepultura). 70 policiais para prendê-lo e não obtiveram sucesso.

  3. O CINISMO DO GENERAL AUGUSTO HELENO

    Compaixão com um criminoso, diz Heleno sobre encontro de papa com Lula General Augusto Heleno, chefe do GSI

    O ministro-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general Augusto Heleno, escreveu hoje em seu Twitter que o encontro do papa Francisco com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi um “gesto de compaixão com um criminoso”. Na mensagem, ele citou condenações de Lula na Justiça e disse que o encontro, realizado ontem, é um “exemplo de solidariedade a malfeitores”…. –

    Gleisi responde ao general Heleno sobre encontro entre Lula e Papa: vai dar murro na mesa?

    Presidente nacional do PT rebateu ataque feito pelo chefe do GSI, general Augusto Heleno, que definiu o encontro entre o Papa Francisco e o ex-presidente Lula como “um exemplo de solidariedade a malfeitores, tão a gosto dos esquerdistas”

    247 – A presidente nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), repudiou o ataque feito pelo chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, ao ex-presidente Lula e ao Papa Francisco, após o encontro entre os dois no Vaticano nesta quinta-feira 13.

    “Parabéns ao Papa Francisco pelo gesto de compaixão. Ele recebeu Lula, no Vaticano. Confraternizar com um criminoso, condenado, em 2ª instância, a mais de 29 anos de prisão, não chega a ser comovente, mas é um exemplo de solidariedade a malfeitores, tão a gosto dos esquerdistas”, postou o militar no Twitter

    Gleisi rebateu: “General Heleno tá nervoso porque o Papa recebeu Lula. Vai dar murro na mesa, @gen_heleno? Fica nervoso não. O papa sabe quem, no Brasil, defende o povo, a justiça e a democracia. E o seu governo não está em condições de dar exemplos”.

    A deputada se referiu a um episódio de junho de 2019, quando Heleno deu um murro na mesa ao reagir revoltado à declaração do ex-presidente Lula, que, em entrevista à TVT, disse enxergar “alguma coisa muito estranha” na facada recebida por Jair Bolsonaro durante a campanha em 2018. O ministro chamou Lula de “canalha”, “desonesto” e pediu prisão perpétua contra o petista.

    Gleisi Hoffmann

    @gleisi
    General Heleno ta nervoso pq o Papa recebeu Lula. Vai dar murro na mesa, @gen_heleno? Fica nervoso não. O papa sabe quem, no Brasil, defende o povo, a justiça e a democracia. E o seu governo não está em condições de dar exemplos

    Gal Heleno, deixe de ser cinico. Malfeitor é o senhor que blinda a tropa de milicianos que gravita em torno do governo Bolsonro. E recebe dois salarios por conta disso. VERGONHOSO!

    Vai bater na mesa novamente ou vai repetir o genocídio do Haiti aqui no Brasil?

    Veja a notícia sobre o massacre no Haiti sob o comando do General Heleno e entenda porque ele odeia tanto o Lula

    FANTASMAS DE MASSACRE NO HAITI ASSOMBRAM GENERAIS DO GOVERNO BOLSONARO

    Na madrugada de 6 de julho de 2005, tropas da Missão de Estabilização da ONU no Haiti (Minustah), comandadas pelo exército brasileiro, fizeram uma operação de “pacificação” na maior favela da capital haitiana, Porto Príncipe, conhecida como Cité Soleil. Segundo testemunhas, cerca de 300 homens fortemente armados invadiram o bairro e assassinaram 63 pessoas, deixando outras 30 feridas.

    Na época, o comandante da Minustah era o general brasileiro Augusto Heleno, hoje, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), responsável pela inteligência do governo de Jair Bolsonaro (PSL).

    A ação foi objeto de uma denúncia na Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), baseada em depoimentos de moradores e em relatório elaborado pelo Centro de Justiça Global e da Universidade Harvard (EUA). No documento, a Minustah foi acusada de permitir a ocorrência de abusos, favorecer a impunidade e contribuir para a onda de violência no país caribenho.

    O caso teria causado desconforto no Palácio do Planalto, liderado na época pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Fonte ligada ao Ministério da Defesa confirmou ao Brasil de Fato que o governo brasileiro teria recebido uma solicitação da ONU para substituir o comando das tropas no Haiti, o que foi feito dias depois, com a entrada do general Urano da Teixeira da Matta Bacellar no comando.

    Em resposta às denúncias, assim que assumiu Bacellar afirmou que o número de mortes não coincidia com as informações levantadas pelo exército. Segundo o general, “nove ou dez pessoas” teriam morrido depois de enfrentarem as forças de segurança.

    “Fato é que o [Augusto] Heleno foi removido do Haiti e isso começou a cozinhar a raiva aos governos do PT. O estopim foi realmente a Comissão Nacional da Verdade. Daí pra frente, ele se tornou um militante antipetista”, disse a fonte consultada.

    https://www.brasildefato.com.br/2019/03/18/fantasmas-de-massacre-no-haiti-assombram-generais-do-governo-bolsonaro

  4. Governo dos EUA procura deputada que quer apurar relação Brasil-Cuba nos governos do PT

    A deputada federal Paula Belmonte (Cidadania-DF) recebeu na semana passada, em seu gabinete, integrantes do governo dos Estados Unidos interessados em informações sobre o pedido de abertura de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre a relação do Brasil com Cuba nos governos petistas de Lula e Dilma Roussef.

    https://br.noticias.yahoo.com/governo-eua-deputada-brasil-cuba-pt-203342523.html

  5. “Os abecedarianos foram uma seita cristã alemã do século XVI que defendia o analfabetismo. O ponto principal de sua doutrina era o fato de que todo o conhecimento humano, inclusive o alfabeto (cujas primeiras letras deram nome ao grupo: abc) é desnecessário e supérfluo. Para os abecedarianos, somente o conhecimento das Escrituras é útil ao homem, assim mesmo quando realizado através de comunicação direta com o Espírito Santo, nunca pela leitura.Wikipédia”

    Esse regime miliciano fundamentalista e abecedariano, que fez e faz uso de fake news como meio de se conquistar e de se manter no poder, odeia o conhecimento, dai essa guerra insana contra os livros, a educação, o saber, a verdade e a democracia: pelo menos os nazistas de antigamente disfarçavam menos a opção pela ignorância : queimavam livros nas praças : os de hoje deixam-nos às traças….

    Boa leitura

    👇

    https://www.diariodocentrodomundo.com.br/video-livros-raros-da-biblioteca-da-presidencia-sao-empilhados-para-dar-espaco-a-gabinete-de-michelle-bolsonaro/

  6. Pós-democracia

    A cada ataque mais veemente do arbítrio, surgem novos textos opinativos reafirmando a saúde da democracia brasileira. As instituições funcionam, as liberdades sobrevivem, há eleições. Os vaticínios catastróficos da esquerda falharam. O governo de Jair Bolsonaro pode ser medíocre, mas segue os padrões do estado de Direito.

    Essas afirmações dependem de significados muito convenientes de “ditadura” e “fascismo”, baseados no Brasil de 1964 ou em referências estrangeiras de um século atrás. Também reduzem a ideia de democracia a um conjunto de ritos e estruturas burocráticas que pouco significam sozinhos. Os despotismos atuais, tão criticados, usam as mesmas desculpas.

    As eleições passadas transcorreram nos escombros de um golpe parlamentar. Seu fracasso vergonhoso estigmatizou ainda mais a classe política, fortalecendo a agenda revolucionária do bolsonarismo. Nesse ambiente, o apoio midiático à Lava Jato virou uma campanha maciça a favor da ideologia anticorrupção, com óbvios efeitos persuasivos sobre o eleitorado.

    A disputa vencida por Bolsonaro foi tudo, menos democrática. Sua campanha beneficiou-se de um episódio policial suspeito, espalhou ameaças, agrediu oponentes e cometeu crimes eleitorais em escala inédita. Empresas e órgãos públicos engajaram funcionários na militância bolsonarista. Comícios de estudantes foram impedidos, a propaganda petista censurada.

    Mas nada supera a conspiração judicial que tirou da disputa o favorito das pesquisas, julgando seu caso em tempo recorde, condenando-o por “crime indeterminado”. Promotores federais armaram conchavos clandestinos com veículos de comunicação e grupos de militantes para incentivar o voto em Bolsonaro. Enquanto perseguiam seus opositores.

    A tentativa de criminalização do jornalista que revelou esses escândalos mostra o nível de cidadania vigente. Outro “caso isolado”, de tantos que já parecem habituais: manifestações pacíficas oprimidas, vídeos e textos proibidos, apologias oficiais ao nazismo, execuções e atentados impunes, a inviabilização do trabalho de artistas e acadêmicos.

    São as instituições em pleno funcionamento. Os Poderes divergem no máximo entre círculos hipócritas e raivosos, uns dissimulando a perenização da inconstitucionalidade, outros vazios de quaisquer escrúpulos. Legislativo, Judiciário e Executivo se equilibram numa luta por hegemonia, ávidos para imporem suas respectivas agendas antipopulares e despóticas.

    Esse “normal” é o fato consumado, que os negacionistas tratam como a ameaça perpétua de si mesmo. Os sintomas bastam para conhecermos tanto a doença quanto o antídoto democrático que deveria preveni-la. Um Bolsonaro não chega ao Planalto sem que algo tenha se perdido no trajeto, algo cuja ausência nenhuma fantasia resistente conseguirá suprir.

    Revela-se aí o custo da aventura irresponsável que unificou a direita brasileira pela destruição sistemática do lulismo. Não importa a lisura do objetivo. Os métodos foram (ou precisaram ser) ilícitos, e assim passaram a definir a natureza do resultado. O Regime de Exceção é indissociável da tirania de milicianos que ele ajudou a materializar.

    A ausência de rupturas drásticas significa apenas que elas se tornaram desnecessárias. Uma imprensa que naturaliza a tramoia eleitoral da Lava Jato não irrita os censores. Um STF que ignora a suspeição de Sérgio Moro dispensa baionetas. As polícias garantem o silêncio das ruas, enquanto o império da pós-mentira performa sua liberdade de hospício.

    O fascismo jamais destruirá as fontes institucionais de sua obscena legitimação.

    http://guilhermescalzilli.blogspot.com/2020/02/pos-democracia.html

  7. Estamos numa “ditadura carnavalesca”…..fantasiada de “democracia”…..
    Ministério Público do Trabalho pede prisão imediata de gerente geral da Refinaria de Cubatão por cárcere privado de petroleiros
    https://www.viomundo.com.br/denuncias/ministerio-publico-do-trabalho-pede-prisao-imediata-de-gerente-geral-da-refinaria-de-cubatao-por-carcere-privado-de-petroleiros-em-greve.html
    TST assume a ‘razão facista’ com petroleiros: greve é ilegal
    http://www.tijolaco.net/blog/tst-assume-a-razao-facista-com-petroleiros-greve-e-ilegal/
    TST considera greve dos petroleiros ilegal e autoriza Petrobrás a demitir todos os grevistas
    https://www.brasil247.com/economia/tst-considera-greve-dos-petroleiros-ilegal-e-autoriza-petrobras-a-demitir-todos-os-grevistas
    Não há necessidade de preservar corpo de miliciano Adriano, decide Justiça do Rio
    https://www.brasil247.com/regionais/sudeste/nao-ha-necessidade-de-preservar-corpo-de-miliciano-adriano-decide-justica-do-rio
    https://twitter.com/FUP_Brasil/status/1229414923022761986

  8. Golpe não interessa à burguesia.

    Nem a burguesia brasileira nem os EUA têm interesse num golpe de extrema-direita. Para que mudar um cenário político que está garantindo, no essencial, todos os seus interesses?

    Uma quebra da institucionalidade abriria um quadro altamente instável no país, muito ruim para os negócios e repleto de riscos políticos, impossível de controlar. Qual é o governo estrangeiro que apoiaria uma loucura dessas?

    Os bolsonaristas sabem que é impossível dar um golpe de extrema-direita enfrentando, ao mesmo tempo, o Congresso, o STF, a mídia, o empresariado mais influente e a esquerda, sem o apoio entusiasta da maior parte das Forças Armadas, sem apoio externo.

    O que eles querem é manter um clima de tensão

    permanente para: a) manter as suas bases mobilizadas; b) criar um bode expiatório (os “políticos”) a fim de encobrir a crise econômica e social; c) perpetuar o clima de perseguição e de intimidação dos opositores, em especial a esquerda política e social.

    Igor Fuser, no DCM

  9. https://www.diariodocentrodomundo.com.br/3moro-o-general-patton-das-araucarias-desfile-de-blindado-em-brasilia-por-fernando-brito/

    Moro, o general Patton das Araucárias, desfila de blindado em Brasília. Por Fernando Brito

    PUBLICADO NO TIJOLAÇO

    POR FERNANDO BRITO

    A coisa já foi melhor para Sergio Moro.

    Ontem, a pretexto de vistoriar as providências do Exército para guarnecer a área externa da Penitenciária Federal, desfilou num blindado artilhado com um canhão metralhadora.

    Mas a mídia, mais ocupada com coisa séria, “pulou” a foto do general Patton das araucárias.

    No meio da confusão provocada com o vídeo-apelo de Jair Bolsonaro por uma manifestação onde os militares são insuflados a atacar o STF e o o Congresso, o Ministro da Justiça montado num Urutu é tão diplomático quanto Ernesto Araújo.

    Está tudo gravado em vídeo, que o próprio Moro divulga pelo Twitter.

    É um primor de sensibilidade política, não é, Dr. Celso de Mello?

  10. Ontem em entrevista em vídeo com o Nassif, um professor de direito falou da gravidade que é um presidente recomendar que empresários deixem de anunciar em certas empresas e anunciem com as chapas brancas. Hoje na fiesp, foi justamente o que o presidente fez.

    ‘Não vamos mais falar com a imprensa, pode esquecer’, afirma Bolsonaro
    Presidente adota fala contra jornalistas em live; antes, na Fiesp, sugeriu a empresários que publiquem balanços em veículos pró-governo

    https://www1.folha.uol.com.br/poder/2020/03/na-fiesp-bolsonaro-sugere-a-empresarios-que-anunciem-suas-marcas-na-imprensa-alinhada-ao-governo.shtml

  11. DECLARAÇÃO URGENTE

    Eu ……………………….. CPF …………………….. , bolsominion, votei 17 nas últimas eleições e insisto em concordar com o Jair Messias Bolsonaro. Sendo assim, venho por meio desta declarar minha recusa em aceitar um leito hospitalar ou respirador de U.T.I. caso venha a contrair uma gripezinha, mesmo que teste positivo para Covid-19. Sou blindado pelo profundo conhecimento do meu presidente/atleta e irei às ruas amanhã mesmo contra orientações da O.M.S.
    Deixo assim meu leito de U.T.I. disponível aos esquerdistas, comunistas, fazedores de balbúrdia, comedores de criancinhas e outros que não acreditam que a terra seja plana.

  12. Bolsonaro e as palavras
    Os problemas de Jair Bolsonaro são variados. O sujeito é antidemocrático, simpatizante da tortura e mau caráter. Em decorrência disso, mendaz. Despossuído de leitura em qualquer grau – nem os livros de Olavo de Carvalho foi capaz de compulsar.
    É bem pouco inteligente: em trinta anos de Congresso Nacional, apenas aprendeu a polemizar. Não compreende o funcionamento do parlamento. Não tem bom relacionamento com os principais parlamentares, aqueles que consolidaram poder real, ao longo das últimas três décadas, no recinto. Nada sabe construir. Diante de um problema, tenta resolver a questão criando uma polêmica. Tal tática funciona para um Youtuber. Às vezes. É a antessala do desastre, sempre, quando se fala de um Presidente da República.
    O cidadão é cem por centro desprovido de capital cultural. Daí vem a sua incapacidade de expressão. Além de nada saber, é incapaz de perceber o quanto não sabe. Mesmo assim, dizem que insiste em, assessorado pelos filhos – outras nulidades -, escrever os próprios discursos. E aí vem mais um problema, interessantíssimo. A inveja que sente de Lula. É óbvio que Bolsonaro deseja ser capaz, um dia, de ter o ar anedótico de Lula, que foi capaz, sem causar maiores tsunamis jornalísticos, de chamar a crise de 2008 na economia de “marolinha”. Dentre outras proezas da comunicação.
    Mas por que isso foi possível para Lula? Devido ao fato de, por trás das palavras, haver trabalho. Na equipe de Lula havia medidas econômicas para debate quando veio o choque de 2008. Além de planejamento e sincronia. Coisa que Bolsonaro anda longe de ter, como demonstra ao chamar os efeitos do Covid-19 de “gripezinha”, sem ter o aval da ciência e sem apresentar nada realístico para transformar as suas intenções em prática. O que se vê é uma constrangedora queda de braço entre o Presidente e seu Ministro da Saúde – de quem Bolsonaro também sente inveja. O ministro sabe o que diz, ao passo que Bolsonaro não faz ideia do que fala. A população sente a diferença. E bate panela, em protesto, quando o Presidente se pronuncia na TV.
    É possível que o Presidente atual imagine: “se aquele analfabeto do Lula podia se sair bem falando, eu, um capitão do exército, tenho total direito de ser aplaudido quando abro a boca”. Aí enfia os pés pelas mãos. É mais uma face do seu despreparo. A inveja. Embora Lula não tenha estudos formais, aproveitou as chances de figurar na esfera pública para se aprimorar. Aprendeu a absorver conhecimentos das pessoas que a lida de homem público trouxe para a sua companhia. Resultado: encontra as palavras corretas para encaixar na ocasião, sendo bem compreendido pelo povo – e apreciado. Mais que isso. Formou um time de ministros que, nos momentos de apuros, souberam prestar a ele o necessário assessoramento. Prática que não se vê no governo atual – e a população não está cega para tal ausência de resposta. Bate panela.
    Não é questão de português correto. Muitos destacam que Lula não é um ás no domínio das normas cultas do vernáculo. Trata-se de mero detalhe. O importante em Lula foram compreensão da realidade, experiência e bom-senso, e o seu pragmatismo, sobretudo. Tudo que Bolsonaro tem se mostrado cronicamente incapaz de desenvolver. Ele já teve mais de trinta anos para mostrar algo. Nada fez como Deputado. Lamento muito que tenha sido preciso chegarmos até aqui para que um grande número de pessoas entenda quem é o homem que foi eleito Presidente. As palavras do próprio são a prova viva da sua inadequação para o cargo. Elas são delírio vivo. A evidência de um governo sem rumo. A resposta do povo sela o julgamento de um Presidente que ainda nem completou dois anos de mandato.

  13. O próximo Sergio Moro?

    Se o Ministro da Saúde fosse uma das oitavas maravilhas do mundo, jamais teria topado ser assessor do pior chefe do Poder Executivo da História. A pessoa de Dona Maria, a Louca, estaria passando melhor agora do que esse vexatório Bolsonero que temos por Presidente. O mero fato de estar ao lado de Jair Bolsonaro, no seu time de assessores, põe meu espírito em alerta em relação ao titular da pasta da Saúde.

    Há pouco tempo, a grande chaga nacional era a corrupção. Apareceu transfigurado pela mídia em super-herói um Juiz Federal. O problema da roubalheira persiste. Sergio Moro não tem a força apelativa de outrora. A corrupção é página virada – sem ter sido enfrentada, claro.

    O assunto candente hoje é a crise sanitária do coronavírus. Para mágico da vez, temos o nome chancelado pela mídia: Luiz Henrique Mandetta. Um Deputado Federal bastante alinhado com planos de saúde. Eles até figuraram na sua lista de doadores de campanha eleitoral. 2022 está em aberto, sobretudo por conta da fragilidade de Jair Bolsonaro, alvo frequente de panelaços – que não são prova de carinho da população pelo mandatário, é de se frisar.

    O coronavírus pôs os médicos na moda. As palavras de Bolsonero sobre o assunto lançaram seu nome na baixa. Mandetta é mais um possível aspirante à Presidência. Assim é a vida, assim são as predileções do espírito humano. Pobre ex-superministro Sergio Moro. Se pelo menos ele pudesse retornar ao cargo do qual pediu exoneração…

    Ainda é cedo para cravar. Mas Luiz Henrique Mandetta tem potencial para engrossar o caldo de 2022. (Só espero que haja eleição naquele ano…)

    LUCAS C. VAZ COSTA – 02.04.20

  14. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome