Investigação do CNJ precisa virar notícia-crime contra Moro, Dallagnol e Hardt, diz Kakay

Cintia Alves
Cintia Alves é graduada em jornalismo (2012) e pós-graduada em Gestão de Mídias Digitais (2018). Certificada em treinamento executivo para jornalistas (2023) pela Craig Newmark Graduate School of Journalism, da CUNY (The City University of New York). É editora e atua no Jornal GGN desde 2014.
[email protected]

Um dos maiores criminalistas do País, Kakay defendeu em sessão da Câmara a investigação profunda dos ilícitos praticados pela Lava Jato

O trabalho da Corregedoria Nacional de Justiça, liderado pelo ministro Luís Felipe Salomão, confirma o que há anos juristas que acompanharam a Lava Jato de perto suspeitavam: que há indícios de que houve interesses financeiros ou pessoais por parte dos magistrados e procuradores envolvidos. É o caso do advogado criminalista, Antônio Almeida Castro, o Kakay, que exaltou o trabalho de Salomão e afirmou que, agora, é hora de a Procuradoria-Geral da República transformar o material em notícia-crime para que figuras como Sergio Moro e Deltan Dallagnol sejam investigados.

No mês passado, Salomão entregou ao plenário do CNJ um relatório com mais de 1 mil páginas, fruto do trabalho da correição extraordinária realizada na 13ª Vara Federal de Curitiba e na 8ª Turma do TRF-4. A correição concluiu que agentes da Lava Jato incorreram nos crimes de peculato, prevaricação e corrupção, por terem usado os recursos pagos por investigados a título de multa para atender a seus próprios interesses, como na tentativa de constituição da Fundação Lava Jato.

“Eu falava desde o início que tinham que investigar [a atuação da Lava Jato] porque estavam quebrando grandes empresas para combater corrupção. Corrupção quem comete são pessoas, não empresas. E depois, descobriu-se o ponto fundamental: existia, sim, conluio [entre a Lava Jato] com autoridades americanas, inclusive na feitura daquela fundação privada onde 2,5 bilhões [de reais] seriam aproveitados. É quase um fundo partidário que esses procuradores, indigentes intelectuais sem escrúpulo nenhum, queriam criar para fazer política. Quem diz isso não sou eu, é o Conselho Nacional de Justiça”, disparou Kakay.

O criminalista que defendeu mais de duas dezenas de clientes na Lava Jato foi ouvido na tarde desta terça (21) na Câmara dos Deputados, em Brasília, numa sessão convocada por parlamentar do Novo por ocasião dos 10 anos da Lava Jato. Também foi convidado o ex-procurador e ex-deputado federal cassado, Deltan Dallagnol.

Após fazer sua explanação mostrando os abusos da Lava Jato, Kakay asseverou que a operação não acabou. “A Lava Jato está agora em processo diferente, de necessária investigação desses juízes e procuradores da força-tarefa”. O jurista fez um paralelo entre o atual trabalho do CNJ e da PGR contra agentes da Lava Jato e a época da ditadura, quando o País decidiu não fazer o enfrentamento correto aos militares que atuaram como torturadores em nome do Estado.

Para Kakay, sem fazer justiça de transição, o Brasil pagou um preço caro e viu, em 2018, a ascensão de um filho do fascismo, Jair Bolsonaro, apoiado por setores golpistas da área militar.

“Sabendo do que estamos sabendo, temos que investigar [a Lava Jato]”, disse. “O trabalho do Salomão, o relatório diz que a Lava Jato – Sergio Moro, Deltan Dallagnol, Gabriela Hardt e outros – se uniram para fazer irregularidades. E ele diz: corrupção, peculato, prevaricação. A obrigação agora que se tem é de transformar o relatório em notícia-crime, para que a Procuradoria-Geral da República possa fazer uma investigação séria”, concluiu.

Assista à sessão completa abaixo:

LEIA MAIS:

Cintia Alves

Cintia Alves é graduada em jornalismo (2012) e pós-graduada em Gestão de Mídias Digitais (2018). Certificada em treinamento executivo para jornalistas (2023) pela Craig Newmark Graduate School of Journalism, da CUNY (The City University of New York). É editora e atua no Jornal GGN desde 2014.

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. É impressionante a quantidade dos longos desvios e dos curtos atalhos que, de forma desnecessária e maliciosa, parece terem sidos infiltrados na justiça brasileira. Eu penso que são formas danosas de se prolongar e seguir empurrando com a barriga, a intenção e a estratégia defendida pela parte mais poderosa do embate. A história da justiça no Brasil registra alguns processos seculares, tanto em suas durações quanto em suas questionáveis explicações. No caso da Lava Jato, a alta velocidade dos processos e das punições é totalmente inversa a lenta velocidade do andamento dos merecidos processos de investigação contra o que seria a suposta quadrilha da República de Curitiba.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador