Lava Jato prevaricou engavetando denúncia feita por Cunha em proposta de delação

Procurador de Curitiba usou até a palavra "sonegação" para se referir a um trecho específico do acordo de colaboração que acabou rejeitado pelo MPF

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – Procuradores da Lava Jato prevaricaram ao negar acordo de delação premiada ao ex-presidente da Câmara e deputado federal cassado, Eduardo Cunha, sob a alegação de que a negociação não era “conveniente”. É o que revelam mensagens de Telegram expostas pelo Intercept Brasil em parceria com o UOL, nesta terça (10).

Em um grupo formado por procuradores de Brasília, Rio de Janeiro, Natal e Curitiba, membros da Lava Jato e também da Operação Greenfield discutiram sobre a possibilidade de negociar benefícios jurídicos com Cunha em troca de informações. Mas a turma de Curitiba opinou incisivamente para que o ex-deputado não tivesse vez com o Ministério Público Federal – a decisão final era de competência da Procuradoria-Geral da República.

As mensagens mostram que, no começo da negociação, em meados de 2017, havia expectativa de que Cunha, envolvido na política há décadas, teria informações que comprometeriam o Judiciário, a classe política, o Tribunal de Contas e até o MP do Rio. Os procuradores também queriam ouvir relatos implicando a JBS em pagamentos a parlamentares do baixo clero, seguidores de Cunha.

Com o passar do tempo, os procuradores perceberam que a delação de Cunha poderia ser substituída pela de Lúcio Funaro e outros delatores. E o que o político tivesse delatado de novo poderia, ainda, ser discutido com o operador do MDB, que ficaria com o crédito.

Assim, os procuradores de Curitiba foram alimentando a tese de que não precisavam de Cunha, porque ele era vago e não admitia crimes de corrupção, somente de caixa 2. Além disso, fechar um acordo com ele teria impacto negativo para a Lava Jato.

PREVARICAÇÃO

Leia também:  Começa debate sobre o que o Congresso pode fazer por prisão em 2ª instância

Mesmo tomando a decisão de não seguir com as negociações, o procurador do MPF em Curitiba, Orlando Martello, admitiu que estavam deixando para trás pelo menos 1 anexo da delação que merecia investigação imediata. Tratava-se da denúncia de Cunha sobre suposta fraude ou manipulação, na Câmara, durante o processo que viria a cassar seu mandato.

Martello, inclusive, usou a palavra “sonegação” para se referir ao fato de que a Lava Jato decidiu não entregar esse trecho da delação para que as autoridades competentes pudessem investigar.

“Realmente esse é um fato que talvez não devesse ser sonegado da sociedade. Isso mostra/expõe como ainda somos um País subdesenvolvido, em que os políticos estão tão distantes da realidade”.

O UOL ouviu 2 advogados que avaliaram, sem saber que o caso era sobre a delação de Cunha, que houve prevaricação por parte dos procuradores.

Isto porque o MP não pode escolher o que ou quem investigar. Se tomou conhecimento de um suposto crime, deveria ter entregue à Justiça pelo menos este trecho da delação e fechar o acordo com Cunha na proporção do que foi reportado.

Essa opinião ficou ainda mais forte depois que o Supremo Tribunal Federal decidiu, em 2018, que a Polícia Federal também pode fechar acordo de delação premiada com investigados, pois o instrumento é “meio de prova”, não deve ser usado como produto final – como faz, muitas vezes, a Lava Jato.

UOL também lembrou declaração do ministro do STF Marco Aurélio Mello, apontando que procuradores tem o “dever” de levar ao Judiciário a proposta de um candidato a delator quando vislumbrar necessário. As mensagens dos procuradores lamentando que a suposta fraude no Conselho de Ética da Câmara ficaria na gaveta vão de encontro ao entendimento do ministro.

Leia também:  Prisão após 2º grau só poderia ser permitida com nova Constituição, dizem professores

Procurados, os procuradores disseram, por meio de assessoria, que “em negociações de possíveis acordos de colaboração, quando os fatos revelados envolvem mais de uma jurisdição, é comum que os respectivos procuradores manifestem-se sobre a conveniência de eventual acordo tendo vista as investigações que conduzem.”

A defesa de Cunha frisou que a delação de seu cliente não foi aceita pelo MPF porque o ex-deputado não seguiu o script de interesse dos procuradores.

O GGN prepara uma série de vídeos explicando como os EUA influenciaram a Operação Lava Jato. Quer apoiar o projeto? Saiba como em catarse.me/LavaJatoLadoB

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Querem o quê de juízes e promotores que têm “aliados”? Eduardo Cunha, na verdade, foi um dano colateral. Espetaram o garfo nele pra ele tocar o impedimento da Dilma. E ele o fez por gosto e interesse. Mas, acabou sendo engolido pela farsa a jato. Moro, Dalagnol, Kataguiri, Globo, Mercado traíram o Cunha.

  2. Não vai ter golpe, vai ter luta!
    Houve o golpe e luta foi restrita…
    E LULA está preso há mais de 500 dias!
    A reação de Gilmar Mendes aos últimos diálogos publicados pelo Intercept foi apenas um “Oh! meu deus!”.
    Devemos olhar para a realidade sem falsa esperanças…
    O Itaú no pre-golpe tinha uma pendência de 25 bilhões no Cart e mais 15 bilhões com a receita federal…
    Hoje enche as burras numa economia de agiotas!
    Vai querer que se restaure a democracia?
    A cada déficit público aumenta o bolo da dívida, que aumenta ganhos futuros!
    E os religiosos que votam contra o povo nas noites no parlamento, são os pastores de suas ovelhas que angustiadas lotam suas igrejas e lhes dão força e poder politico, além de dízimos e sabe lá o que mais!
    Vão votar contra o golpe?
    Criminosos e milicianos assistem a prostituição da justiça onde procurador que ganha líquidos 24 mil pode facilmente ser aliciado em troca de favores!
    O brasil virou uma janelas de oportunidades para o crime organizado!
    O diálogos do Intercept também mostram isso…
    Com fortes indícios de corrupção em acordos, licitações e até quem denuncia recebimento de pedidos não republicanos torna-se a cabeça que rolou…
    É preciso que esquerda entenda que não será do judiciário – do guardião da constituição e das leis que será restaurada a verdade…
    Não será das forças armadas que deveria dar o primeiro exemplo de nacionalismo que virá a defesa das riquezas do brasil!
    Quem deu o golpe tem muito dinheiro e muita ambição sobre as riquezas do Brasil!
    Eles compram o que quiserem de robôs da internet a juizes e procuradores…
    É preciso que aquele que está pagando e que vai pagar essa conta cobre por esses serviços!
    A saída do Brasil de volta para a democracia está no povo!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome