Maia defende posição de Toffoli sobre quarentena de ex-juízes

Presidente da Câmara afirma que as carreiras de Estado “não podem ser usadas como trampolim político-eleitoral”

Foto: Reprodução

Jornal GGN – O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), alinhou-se ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, na defesa de uma quarentena de oito anos para que ex-juízes possam disputar eleições.

Para Rodrigo Maia, as carreiras de estado não podem ser usadas como trampolim político-eleitoral. “O presidente Toffoli está correto e essa matéria esta sendo amadurecida e perto de chegar a um entendimento de que as carreiras não podem ser usadas como trampolim”, disse, segundo informações da Agência Câmara de Notícias.

Embora reconheça que o prazo de oito anos é longo, o presidente da Câmara disse que é preciso debater o tema. “O presidente Toffoli conhece o Judiciário e propôs oito anos. É um prazo alto para que uma decisão judicial não influencie o processo eleitoral, mas não discuto o prazo. O Parlamento deve ouvir e decidir se oito, seis ou quatro anos”, afirmou.

Ao ser questionado sobre atos do governo federal na área ambiental, Rodrigo Maia, disse esperar que os atos não estejam na linha de flexibilizar a proteção ambiental.  Segundo reportagem do jornal “Folha de São Paulo”, o governo editou 195 atos na área ambiental. Comparado com igual período de 2019, foram 16 atos. “Quem vai ser prejudicado são os brasileiros, por estar correndo o risco de um desmatamento maior e o impacto da decisão de investidores de investir em países emergentes”.

Maia reafirmou que o País é dependente de capital externo e o meio ambiente é um dos eixos fundamentais para a decisão de investir no Brasil. “Precisamos de capital externo e investimentos para superar a crise e ter um ciclo de investimento sustentável”, completou.

 

 

Leia Também
Equipe de Dallagnol diz que Aras faz “ilações” e nega acesso a dados de 38 mil pessoas
Advogados lançam livro sobre suspeição de Moro e procuradores da Lava Jato
‘As eleições dos EUA são para os americanos’, diz Eliot Engel
Aras condena métodos da Lava Jato, mas vê “justiça” nas condenações em Curitiba

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora