Mortes por Covid chegarão a 2 milhões antes da vacina ser distribuída amplamente, prevê OMS

O número de mortes em cerca de 9 meses de pandemia do novo coronavírus - desde que foi descoberto na China - é de quase 1 milhão

Da Reuters internacional (De Genebra)

O número global de mortes causadas pelo COVID-19 pode dobrar para 2 milhões antes que uma vacina bem-sucedida seja amplamente utilizada e pode ser ainda maior sem uma ação conjunta para conter a pandemia, diz um funcionário da Organização Mundial de Saúde (OMS).

“A menos que façamos tudo, [2 milhões de mortes] não é apenas imaginável, mas infelizmente muito provável”, disse Mike Ryan, chefe do programa de emergências da agência da ONU, em um briefing na sexta-feira (25).

O número de mortes em nove meses desde que o novo coronavírus foi descoberto na China é de quase 1 milhão.

“Não estamos fora de perigo em parte alguma, não estamos fora de perigo na África”, disse Ryan.

Ele disse que os jovens não devem ser responsabilizados por um recente aumento nas infecções, apesar das crescentes preocupações de que elas estejam impulsionando sua disseminação depois que as restrições e bloqueios foram amenizados em todo o mundo.

“Eu realmente espero que não discutamos: é tudo por causa da juventude”, disse Ryan. “A última coisa que um jovem precisa é de um velho pontificando e balançando o dedo.”

Em vez disso, reuniões internas de pessoas de todas as idades estavam causando a epidemia, disse ele.

A OMS continua conversando com a China sobre seu possível envolvimento no esquema de financiamento da COVAX, destinado a garantir acesso rápido e equitativo globalmente às vacinas da COVID-19, uma semana após o prazo para comprometimento.

Leia também:  Covid-19 – Balanço de momento: 89 milhões de casos, 1,9 milhão de mortes e 63 milhões de altas, por Felipe A. P. L. Costa

“Estamos discutindo com a China sobre o papel que eles podem desempenhar à medida que avançamos”, disse Bruce Aylward, conselheiro sênior da OMS e chefe do programa ACT-Accelerator para apoiar vacinas, tratamentos e diagnósticos contra COVID-19.

Ele confirmou que Taiwan aderiu ao esquema, embora não seja um membro da OMS, elevando o total para 159 participantes. Cerca de 34 ainda estão decidindo.

As conversas com a China também incluem a discussão sobre a segunda maior economia do mundo, potencialmente fornecendo vacinas para o esquema, disse ele.

A agência da ONU publicou na sexta-feira um esboço de critérios para a avaliação do uso emergencial das vacinas COVID-19 para ajudar a orientar os fabricantes de medicamentos conforme os testes das vacinas atingem estágios avançados, disse a diretora-geral assistente da OMS, Mariangela Simão.

O documento estará disponível para comentários públicos até 8 de outubro, disse ela.

No início da sexta-feira, um oficial de saúde chinês disse que a OMS deu seu apoio para que o país começasse a administrar vacinas experimentais contra o coronavírus para pessoas, mesmo enquanto os testes clínicos ainda estavam em andamento.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome