Orixás, de Pierre Verger, será lançado hoje, em São Paulo

    Jornal GGN – A belíssima obra de Pierre Verger, considerada ítem raro de colecionador, tem lançamento programado para hoje, quarta-feira, dia 3 de outubro, na Sala São Paulo. O livro, que está esgotado há muitos anos, é relançado como parte das comemorações de 30 anos da Fundação Pierre Verger.

    O lançamento será das 19h às 21h, com um bate-papo com a griô e Iakekerê Vovó Cici e os escritores Carolina Cunha e Reginaldo Prandi. O livro ‘Orixás, Deuses Iorubás na África e no Novo Mundo’, de Pierre Fatumbi Verger, editado pela própria Fundação Pierre Verger, tem capa dura, 308 páginas e será comercializado por R$ 150. No evento de lançamento, aberto ao público, o livro será vendido por R$ 120.

    Este é um dos primeiros registros da cultura dos orixás na África e no Novo Mundo, resultado das pesquisas etnográficas retratando os cultos aos deuses Iorubás em seus países de origem – Nigéria, Benin e Togo – e em terras para onde os rituais foram levados com o tráfico de escravos, particularmente Brasil e Antilhas. São 250 fotos históricas, com textos sobre as cerimônias, características de cada orixá e descritivo dos arquétipos da personalidade dos seus respectivos devotos.

    Até hoje, a obra de Verger é considerada uma das mais completas e precisas sobre o assunto, utilizada por pesquisadores ao redor do mundo. Esgotado há anos, há uma lista longa de espera por ele, é considerado como objeto de colecionador. Tal volume de interessados e a importância da obra, fizeram com que a Fundação Pierre Verger reeditasse o livro, em edição totalmente nova, novo projeto gráfico, algumas fotos inéditas e prefácio assinado por Mãe Stella de Oxóssi, Ialorixá do Axé Opô Afonjá.

    Além do livro, a Fundação apresenta outra novidade: uma linha de produtos inéditas e limitada intitulada ‘Orixás”, criadas especialmente pela designer Juliana Rabinovitz, com ítens como camisetas e canecas, vendidos como apoio à Fundação (www.lojapierreverger.org.br).

    30 anos da Fundação Pierre Verger

    Criada em 1988 pelo próprio Verger, a Fundação marca seus 30 anos comexposições, doações de fotografias, lançamentos de livros, seminários, workshops e intervenções urbanas. A Fundação Pierre Verger foi presidida pelo próprio Verger até sua morte e, depois, pelo seu grande amigo Carybé. À frente da Fundação desde 2001, o presidente Gilberto Sá destaca o trabalho realizado e as principais ações para o futuro.“Como projeto para novas ações, desejamos montar em nossa sede um memorial, além de manter as atividades das mostras de fotos no Brasil e no exterior e a publicação de livros inéditos e em novas edições. Mas o que mais desejo é que a cada dia esta Fundação seja uma fonte para pesquisadores de todo o mundo neste tema de África-Brasil, sua história e seu desenrolar, ainda muito por estudar, e a fotografia como documento para entendermos a história da humanidade. Esta é uma Fundação para o conhecimento dos povos e do mundo e sua base está em preservar, divulgar, pesquisar e manter vivos a obra e o pensamento de Pierre Verger.”
     
    Pierre Verger
     
     
    Nasceu em Paris, em 4 de novembro de 1902, e morreu em Salvador, em 11 de fevereiro de 1996. Aos 30 anos, iniciou na fotografia e nas viagens. Com o falecimento de sua mãe, sua última parenta viva, Verger decidiu se tornar naturalmente um viajante solitário e levar uma vida livre e não conformista. De dezembro de 1932 até agosto de 1946, foram quase 14 anos consecutivos de viagens ao redor do mundo, sobrevivendo exclusivamente da fotografia. Trabalhou para as maiores publicações da época, mas, como nunca almejou a fama, estava sempre de partida: “A sensação de que existia um vasto mundo não me saía da cabeça e o desejo de ir vê-lo me levava em direção a outros horizontes”, afirmou ele. As coisas começaram a mudar no dia em que Verger desembarcou na Bahia, em 1946, enquanto a Europa vivia o pós-guerra. Foi logo seduzido pela hospitalidade e riqueza cultural que encontrou e acabou ficando. Como fazia em todos os lugares por onde passava, preferia a companhia do povo e dos lugares mais simples. Os negros monopolizavam sua atenção, tornando-se personagens preferidos para suas fotos, cujas vidas e história procurou conhecer com detalhes. Quando descobriu o candomblé, tornou-se um estudioso do culto aos orixás.
     
    SERVIÇO
    Título: OrixásDeuses Iorubás na África e no Novo Mundo
    Autor: Pierre Fatumbi Verger
    Páginas: 308
    ISBN: 9788588971158
    Formato: 21,8 x 28,8 x 3, capa dura
    Preço: R$ 150 (no evento de lançamento, preço especial de R$ 120)
    Vendas: pelo site www.pierreverger.org e nas principais livrarias
    Evento de lançamento: quarta-feira, 3 de outubro, das 19h às 21h
    Local: Sala São Paulo, Salão Nobre, Praça Júlio Prestes, 16, Campos Elíseos, São Paulo
    Bate-papo: Vovó CiciCarolina Cunha Reginaldo Prandi
    Entrada franca

    Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

    Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

    Assine agora

    Deixe uma mensagem

    Por favor digite seu comentário
    Por favor digite seu nome