Os protestos que a mídia quer

No afã de constranger o governo federal, a imprensa oposicionista voltou a elogiar os protestos do ano passado. Os mesmos analistas que desqualificavam até os manifestantes sem máscaras retomaram a apologia da turba revoltosa, anunciando (na verdade, incentivando) novas barricadas no decorrer da Copa do Mundo.
 
A propaganda começa pela apropriação da revolta segundo os raciocínios mais convenientes para seduzir os ingênuos. As plataformas genéricas, outrora tidas como inviáveis e pueris, se transformam em grito de insatisfação heroica. Mesmo a violência, tão reprovada, virou o último recurso de um desespero cheio de vapores cívicos. A depender das retrospectivas, 2013 foi ano revolucionário, que marcará o surgimento de um novo país.
 
Depois de bravatear bobagens sobre a Copa, alguns comentaristas deram de ponderar contra a violência mascarada que sua própria histeria incentivou. Espertalhões: evitam a pecha de agitadores, mas sugerem protestos “pacíficos” numa atmosfera que os tornou quase inviáveis. No fundo, querem apenas ressuscitar a imagem positiva das manifestações, provocando a juventude e canalizando seu espírito reivindicatório para o grande inimigo comum.
 
Logo os veículos ajudarão a conclamar o povo às ruas, como faziam há exatos cinquenta anos. Sempre exercendo puro jornalismo, claro, desde que ninguém se meta com os pedágios do candidato Geraldo Alckmin.
 
Publicado no blog: http://www.guilhermescalzilli.blogspot.com.br/

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Conteúdo bolsonaro: Twitter apaga, imprensa turbina, por Gustavo Conde

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome