Presidente da OAB manifesta solidariedade ao GGN após censura judicial

"Os brasileiros tem direito a uma explicação e os jornalistas que suscitaram a questão, Luís Nassif e Patricia Faermann, merecem apoio, jamais censura", escreveu Felipe Santa Cruz

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz, usou o Twitter nesta segunda (31) para manifestar apoio aos jornalistas Luis Nassif e Patrícia Faermann, do GGN, que estão sendo processados pelo banco BTG Pactual. Por ordem judicial, o site precisou retirar do ar, no último final de semana, 11 reportagens exclusivas, publicadas nos últimos meses, sobre negócios envolvendo o banco.

“Questionar a venda de créditos avaliados em 3 bilhões por 371 milhões é absolutamente legítimo, para não dizer obrigatório. Os brasileiros tem direito a uma explicação e os jornalistas que suscitaram a questão, Luís Nassif e Patricia Faermann, merecem apoio, jamais censura”, escreveu o presidente da OAB.

Em sua sentença, o juiz da 32ª Vara Cívil do Rio de Janeiro afirmou que a imprensa deve ser livre, mas não para “causar danos à imagem de quem quer que seja”. Sem entrar no mérito das denúncias feitas pelo GGN sobre o BTG, ele ainda anotou que o “pequeno jornal”, como definiu o site, “transbordou os limites da liberdade de expressão”. O GGN vai recorrer da decisão.

Nesta segunda (31), o BTG Pactual foi o assunto mais comentado no Twitter. Até às 14h, mais de 45 mil mensagens sobre a censura judicial foram disparadas na rede social.

Leia também:  Covid-19 Brasil: Com 6 milhões de casos, especialistas alertam para o repique da 1º onda

O GGN recebeu apoio de jornalistas, políticos, acadêmicos, artistas, influenciadores e sites da imprensa independente. A ABI (Associação Brasileira de Imprensa) manifestou solidariedade e entrará no processo nas instâncias superiores como “amicus curiae”.

A ex-presidente Dilma Rousseff e o governador Flávio Dino afirmaram que a decisão é genérica e inconstitucional. O ex-presidenciável do PT, Fernando Haddad, disse que a grande mídia deve defender a liberdade de imprensa e dar continuidade às reportagens sobre o BTG enquanto a Justiça não revisa a decisão do magistrado do Rio.

O GGN procurou, por e-mail, a Abraji, Fenaj, ANJ, Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, entre outras associações de classe, na manhã desta segunda (31).

Leia mais:

Políticos e jornalistas manifestam apoio ao GGN após censura do banco BTG

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. SE o BTG soubesse o tamanho da repercussão que ia ter teria ficado quietinha.
    Agora aguenta, faltam pronunciamentos de parlamentares das diversas esferas para ajudar a esquentar mais a chapa. É hora de procurar os candidatos a prefeito de São Paulo onde a maracutaia da Zona Azul foi realizada para ver se os mesmos estão a favor do negócio.

  2. Solidariedade? O que Presidente de OAB deve exigir é repulsa, é condenação, é afastamento, é investigação e absoluta contrariedade de todos Órgãos e Instâncias do Poder Judiciário contra este Ato Arbitrário. É a paralisação das atividades de todos Advogados enquanto não se revoga tal decisão. Solidariedade, GGN deve esperar dos seus Leitores.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome