Toffoli manda investigar atuação da “duvidosa” Transparência Internacional em conluio com a Lava Jato

Ana Gabriela Sales
Repórter do GGN há 8 anos. Graduada em Jornalismo pela Universidade de Santo Amaro. Especializada em produção de conteúdo para as redes sociais.
[email protected]

Diálogos mostram que integrantes da TI no Brasil articularam acordos de leniência em conluio com procuradores de Curitiba

Foto: Nelson Jr./STF

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli mandou investigar se a ONG Transparência Internacional (TI) recebeu parte dos valores obtidos com multas de acordos firmados no âmbito da extinta Operação Lava Jato.

Diálogos apreendidos na Operação Spoofing mostram que integrantes da TI no Brasil articularam acordos de leniência em conluio com procuradores de Curitiba, na expectativa de poder direcionar parte dos recursos.

Em 2018, o então chefe da força-tarefa, Deltan Dallagnol, chegou a sugerir a criação de uma fundação para gerir R$ 2,3 bilhões obtidos por meio do acordo de leniência firmado com a J&F.

Na decisão, publicada neste segunda-feira (5), Toffoli afirmou ser no mínimo “duvidosa a legalidade da criação de uma fundação privada para gerir recursos derivados de pagamento de multa às autoridades brasileiras“.

Com isso, o ministro determinou que a Procuradoria-Geral da República encaminhe cópia de documentos relacionados ao acordo firmado por integrantes da força-tarefa da Lava-Jato. As cópias também deverão ser encaminhadas ao Tribunal de Contas da União (TCU) e a Controladoria-Geral da União (CGU).

Tal providência faz-se necessária especialmente para investigar eventual apropriação indevida de recursos públicos por parte da Transparência Internacional e seus respectivos responsáveis, sejam pessoas públicas ou privadas”, escreveu Toffoli na decisão, sob sigilo. 

O ministro ordenou ainda que se dê ciência da sua decisão ao procurador-geral da República, Paulo Gonet; advogado-geral da União, Jorge Messias; ao ministro da Justiça e Segurança Pública; Ricardo Lewandowski; e ao presidente do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco, “para as medidas cabíveis”.

Toffoli também intimou que a empresa J&F Investimento S.A. ou sua sucessora se manifeste nos autos sobre os fatos.

Conforme já apontado pelo jornalista Luís Nassif, a Transparência Internacional foi um dos grandes agentes da indústria da anticorrupção no país, sendo a matriz dos grandes escândalos que trincaram definitivamente a imagem da Lava Jato de Curitiba.

Leia também:

Ana Gabriela Sales

Repórter do GGN há 8 anos. Graduada em Jornalismo pela Universidade de Santo Amaro. Especializada em produção de conteúdo para as redes sociais.

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Demorou. Me parece óbvio que a PF não poderá investigar a ONG que recebeu o dinheiro sem investigar quem conspirou para que o pagamento fosse realizado.

    Agora a questão é saber quem fará uma delação premiada primeiro: Sujo Moro, Deltan Dellagnol ou o dono da ONG que lucrou com os abusos e ilegalidades cometidos pela gangue lavajateira?

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador