OMS: Suécia, que não fez lockdown, é “modelo a ser seguido” contra coronavírus

A forma diferente de lidar com a pandemia foi criticada por acadêmicos e intelectuais do país, que escreveram uma carta aberta ao governo para solicitar um endurecimento

Da Agência Brasil

Após adotar uma estratégia polêmica de combate ao novo coronavírus, a Suécia foi citada por Michael Ryan, diretor executivo da Organização Mundial da Saúde (OMS) e especialista em saúde emergencial, como “modelo de combate [à covid-19].”

A Suécia se recusou, no período entre março e abril, a implementar leis específicas para quarentena e isolamento social. Em vez da regulamentação pesada de outros países da Escandinávia (região do norte europeu que agrupa Dinamarca, Noruega e Suécia), o governo sueco propôs uma política pública baseada em compreensão, cuidado e segurança com o próximo – uma forma de isolamento social baseado em cidadania, não em multas ou regulamentações severas.

“Há uma percepção de que a Suécia não criou medidas de controle e deixou a doença se disseminar, mas isso não poderia estar mais longe da verdade”, afirmou Ryan.“[O país] criou uma política pública muito dura de distanciamento social baseada em cuidar e proteger pessoas internadas. O que houve de diferente foi a confiança na cidadania e a habilidade individual dos cidadãos de se imporem o distanciamento social e os devidos cuidados [contra a infecção]”, afirmou o médico em coletiva.

A forma diferente de lidar com a pandemia foi criticada por acadêmicos e intelectuais do país, que escreveram uma carta aberta ao governo para solicitar um endurecimento das medidas contra o novo coronavírus. O documento registrou mais de 2.300 assinaturas. A Suécia apresentou um número maior de casos em comparação com os vizinhos, que adotaram medidas regulatórias por meio de decretos. Foram 20.300 casos e 2.462 mortes.

Leia também:  Tata Amaral: Brasil avançava contra desigualdades no audiovisual, mas Bolsonaro abortou incentivos

“Se não queremos uma sociedade que necessite de lockdowns, devemos olhar para a Suécia como representante de um modelo [de ação]”, complementou Ryan.

 

Diferenças

O país, porém, apresenta uma realidade bem diferente do resto do mundo. A Suécia conta com cerca de 10,3 milhões de habitantes, e possui um produto interno bruto (PIB) de cerca de US$ 528 bilhões. O país tem uma renda média anual de US$ 54.600 por pessoa – cerca de R$ 300 mil. A Suécia figura entre os 10 países com a população mais feliz do mundo, e também com maior liberdade econômica. A média de impostos que o cidadão sueco paga gira em torno de 32% dos ganhos individuais, o que torna o país um dos mais onerosos para os contribuintes.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

10 comentários

  1. Não entendo por que apresentam a Suécia como modelo a ser seguido. O número de mortos por COVID 19 por milhão de habitantes lá está hoje em 265. Portugal, com um PIB per capita MUITO MENOR, tem 102. A Áustria teve 66. A Noruega, 39. A Grécia, 14. O Vietname teve zero mortos. Por que essa adoração à Suécia? Realmente não compreendo.

  2. Na região escandinava, a Suécia tem índices de n. de casos ~2,5 vezes piores que a Dinamarca, ~3 vezes piores que a Noruega e ~4 vezes piores que a Finlândia.
    Em termos de mortes, é ~5 vezes pior que a Dinamarca e ~10 vezes pior que a Noruega e Finlândia.
    A letalidade sueca é a 5a. pior do mundo, em uma lista de mais de 200.
    Leve-se em conta que o frio e sua baixa densidade populacional (população menor que a da cidade de São Paulo em um dos maiores países da Europa Ocidental já resulta em um dos maiores distanciamentos sociais naturais do mundo.
    A única coisa que se pode elogiar é o alto IDH, suas condições econômico-sociais de ponta, o que dá adicionalmente uma melhor consciência popular e demais recursos.
    Mas se o atual governo de direita juntasse a isso algum isolamento mais regrado, certamente não estaria com números regionais (e até mundiais) tão RUINS.

  3. É imperativo frisar que a Suécia seria modelo a seguir no combate à COVID-19 se, e somente se, o objetivo fosse priorizar a eugenia. A opção por não adotar o isolamento social é a causa da taxa de mortalidade sueca ser maior que o dobro da observada nos países vizinhos, tais como Dinamarca, Finlândia e Noruega. Segundo dados atuais da Johns Hopkins University (03/05/2020) a situação é esta descrita na tabela abaixo:

    Países Dinamarca Noruega Suécia Finlandia
    Casos Confirmados 9.721 7.809 22.317 5.254
    Óbitos Registrados 484 211 2.679 230
    Taxa de mortalidade 0,0498 0,0270 0,1200 0,0438

  4. O titulo faz parecer que a oms defende o “modelo sueco”, mas o texto fala da declaração de um diretor da instituição. Entre uma coisa e outra a diferenca é grande. Está confuso. A fala de um membro não se confunde com a posição da instituição.

  5. Não duvido que tenham tido êxito. Só penso que apontar a Suécia como modelo é cegueira de classe. Todos sabemos que a Suécia tem um nível de cidadania, igualdade social e serviços públicos que a maioria dos países do mundo simplesmente não tem. Não vejo “características suecas” no Brasil. É um erro apontar um caso com tantas particularidades como exemplo geral. Como se política seguida não se baseasse tanto sobre a infraestrutura econômica quanto sobre a superestrutura dirigente do país. O que seria mais útil ao mundo seria o modelo bem-sucedido de combate em um país pobre.

  6. A OM$ jogou a toalha e coloca o profit before the life.
    What a shit!

    O Luciano da Havan, o dono da Madero, o Bolsonaro e outros crápulas vão aplaudir a OM$.

  7. Que reportagem esquisita. A suécia é o pior desempenho entre os países nórdicos. a doença está se espalhando lá perigosamente.

    Que reportagem esquisita.

  8. É imperativo frisar que a Suécia seria modelo a seguir no combate à COVID-19 se, e somente se, o objetivo fosse priorizar a eugenia. A opção por não adotar o isolamento social é a causa da taxa de mortalidade sueca ser maior que o dobro da observada nos países vizinhos, tais como Dinamarca, Finlândia e Noruega. Segundo dados atuais da Johns Hopkins University (03/05/2020) a situação é esta descrita na tabela abaixo:

    Países Dinamarca Noruega Suécia Finlandia
    Casos Confirmados 9.721 7.809 22.317 5.254
    Óbitos Registrados 484 211 2.679 230
    Taxa de mortalidade 0,0498 0,0270 0,1200 0,0438

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome