Papa Francisco doa 250 mil euros em ajuda ao Líbano após explosão em porto

A ajuda foi enviada através da Nunciatura Apostólica de Beirute e destina-se a apoiar os afetados pelas devastadoras e mortíferas explosões registradas terça-feira no porto da capital libanesa

CLAUDIO PERI / EPA

Da Agência Lusa, via SIC Notícias (Portugal)

O papa Francisco enviou hoje para o Líbano uma primeira ajuda de 250 mil euros “para atender às necessidades da Igreja libanesa nestes momentos de dificuldade e sofrimento”, indica hoje um comunicado do Vaticano.

“A doação pretende ser um sinal de atenção e de proximidade de Sua Santidade à população afetada e da proximidade fraternal às pessoas que se encontram em graves dificuldade, lê-se na nota.

A ajuda foi enviada através da Nunciatura Apostólica de Beirute e destina-se a apoiar os afetados pelas devastadoras e mortíferas explosões registadas terça-feira no porto da capital libanesa, que causou, segundo os dados mais recentes, 154 mortes, mais de 5.000 feridos, 120 deles em estado grave.

As explosões destruíram bairros inteiros da capital libanesa, deixando mais de 300 mil pessoas sem teto, havendo ainda cerca de uma centena de desaparecidos.

Hoje, na nota do Vaticano, é adiantado que a Caritas Líbano, Caritas Internacional e várias organizações religiosas já deram uma primeira resposta à necessária ajuda de emergência.

Numa audiência realizada quarta-feira, o papa pediu para que se rezasse pelo Líbano para que, com o compromisso de todos os componentes sociais, políticos religiosos, “se possa enfrentar este momento trágico e doloroso”, com Francisco a apelar também à ajuda da comunidade internacional.

Em Beirute, as autoridades locais continuam com os trabalhos de resgate nas zonas mais afetadas pela explosão, nos arredores do porto, procurando sobreviventes.

Leia também:  "Sem dúvidas há uma crise no bolsonarismo moderado", diz Esther Solano ao GGN

Cerca de 2.750 toneladas de nitrato de amônio que estavam armazenadas no porto de Beirute estarão na origem das explosões, que levaram à declaração da capital como “zona de desastre”.

Na quarta-feira foi decretado o estado de emergência em Beirute por duas semanas.

A tragédia atingiu o país que vive uma crise económica séria – marcada por uma desvalorização sem precedentes da sua moeda, hiperinflação, despedimentos em massa -, agravada pela pandemia do novo coronavírus, que obrigou as autoridades a confinarem a população durante três meses.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome