As balas usadas na morte da juíza

Os assassinos da juíza Patrícia deixaram pistas: as balas certamente foram disparadas por integrante(s) da PM. O que comprova que foi executada a mando das milícias, como já se apontava. É preciso pôr, com urgência máxima, o combate a essas máfias na posição de altíssima prioridade da política de segurança pública NACIONAL, envolvendo polícia estadual, federal, ministério público e justiça. E, mas talvez aí já seja querer demais, a Assembleia Legislativa do Estado.

Do JB

Balas usadas na morte de juíza são da Polícia Militar, diz jornal 

Jornal do Brasil

Os 21 projéteis recolhidos por peritos no carro onde a juíza Patrícia Acioli foi morta no dia 11 teriam sido compradas pela Polícia Militar e enviadas para três batalhões do Rio, entre eles o 7º BPM (São Gonçalo). As informações foram publicadas no jornal O Dia desta segunda-feira. 

As informações teriam sido conseguidas junto aos agentes da Divisão de Homicídios (DH). Segundo os policiais, os cartuchos de calibre 40 – recolhidos no local do assassinato – pertencem a um lote de 10 mil projéteis vendido pela Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC) à Polícia Militar. 

Agora a polícia quer descobrir quais foram os batalhões que receberam as munições deste lote de projéteis calibre 40.  O batalhão de São Gonçalo – área de atuação da magistrada e onde ela já havia determinado várias prisão de policiais envolvidos com um grupo de extermínio – estaria entre os que receberam a munição.

A magistrada foi executada com 21 tiros no último dia 11A magistrada foi executada com 21 tiros no último dia 11

Ainda de acordo com informações dos agentes, apenas os projéteis de calibre 40 são da Polícia Militar. Os de calibre 45, no entanto, pertencem às Forças Armadas. 

Entenda o caso

A magistrada Patrícia Acioli, 47 anos, foi atingida por 21 disparos na noite do último dia 11. Ela chegava em sua casa, em Piratininga, na Região Oceânica de Niterói, quando foi rendida por homens armados em motos e carros. Segundo testemunhas, seriam quatro assassinos.

A juíza constaria numa lista de 12 nomes marcados para morrer apreendida com o miliciano Wanderson Silva Tavares, o “Gordinho”. O suspeito está preso.

http://www.jb.com.br/rio/noticias/2011/08/22/balas-usadas-na-morte-de-ju…

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador