Maringoni defende aproximação do PSOl e FHC, e diz que Lula também foi procurado

Jornal GGN – Ex-candidato do PSOL ao governo de São Paulo, o professor da UFABC Gilberto Maringoni fez uso de sua página no Facebook nesta terça-feira (1) para defender a aproximação da cúpula do partido com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, na tentativa de emendar o pacote da reforma política já aprovado pela Câmara e agora discutido no Senado. A ideia dos socialistas é fazer com que, no mínimo, as mudanças prejudiciais a pequenas legendas sejam aplicadas apenas a partir de 2018.

Nesta terça-feira (1), membros do PSOL foram ao encontro de FHC na sede de seu instituto, em São Paulo, para pedir que o tucano converse com a bancada do PSDB no Senado. O objetivo é conquistar votos para empurrar para depois da próxima eleição presidencial as novas restrições impostas aos nanicos em debates televisivos. Pela proposta da Câmara, só participarão dos programas na TV os candidatos que tiverem ao menos 9 deputados federais eleitos. 

Na visão do PSOL, adiar a aplicação da reforma é emergencial, mas o partido também pretende reduzir de 9 para cinco o número mínimo de deputados exigidos para que as agremiações tenham direito de participar de debates na TV. Além disso, querem rediscutir as alterações relativas a tempo de propaganda eleitoral televisiva aprovadas pela Câmara, que também reduzem ainda mais a expressão de partidos menores, incluindo o PV.

Ao Valor, a ex-presidenciável Luciana Genro (PSOL) disse que FHC “prometeu ajudar” a conversar com o PSDB e também com o relator da reforma política no Senado, Romero Jucá (PMDB). A ex-deputada pretende concorrer ao Paço de Porto Alegre e seria prejudicada se o Congresso correr para aprovar as mudanças no sistema eleitoral a tempo de fazê-las valer para 2016.

Nas redes sociais, a investida do PSOL foi mal vista por alguns críticos que apontaram que o partido, formado majoritariamente por dissidentes do PT, está fazendo o velho jogo político de se aliar a oposicionistas em benefício próprio.

No Facebook, Maringoni disse que o PSOL, na verdade, faz a “grande política” não só em causa própria, mas pela democracia. “Não procedem críticas ao encontro da direção do PSOL com o ex-presidente. O partido não foi lá articular coisas como arrocho fiscal, retirada de direitos trabalhistas ou lei antiterrorismo. Foi conversar sobre uma questão essencial não apenas à agremiação, mas à democracia brasileira”, disse.

Ainda de acordo com Maringoni, o “partido também procurou o ex-presidente Lula e aguarda uma resposta de sua assessoria.”

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

17 comentários

  1. Hum,. quer dizer que fazer

    Hum,. quer dizer que fazer polítioca não é tão demonizável assim, né?

    Muito engraçado esse Pisol. Cade aquela coragem avalassaladoro que diz que é só fazer isso e aquilo e não se render ao “Capetal”?

     

    Entenderam como a Política precisa ser feita? Estão enfim largando o purismo adolescente?

     

    Só o tempo dirá.

  2. O psol perdeu a virgindade

    O psol perdeu a virgindade antes mesmo de chagar ao poder. Espero que o Presidente Lula não perca seu precioso tempo pra discutir com esse pessoal.

  3. Esquerda de bosta !
    Esquerda

    Esquerda de bosta !

    Esquerda frustada !

    Esquerda que fica de quatro para direita, tomara que ganha uma trolhada bem dada.

    Os grandes esquerdista nacionais devem está se remoendo em seus túmulos.

    Idiotas, não percebem se a direita voltar ao poder eles também perdem.

  4. Para o Povo, o PSOL não presta

    Na foto, Heloísa Helena, líder do PSOL, quando derrubaram a CPMF. Os que a circundam compartilhando de sua euforia, considerando-se os benefícios da contribuição para o Povo, para a democratização fiscal e para as finanças estatais e, ainda, considerando-se os que ganharam com a extinção da contribuição, provam incontestavelmente que o PSOL é partido que, sob a ótica popular, não presta.

     

  5. Hipocrisia na cara dura

    Não teria nada de mais o PSOL fazer uma aliança pontual com o PSDB em torno desse ponto específico se esse partido não tivesse condenado o PT e outros partidos de esquerda por fazerem alianças pontuais com partidos de direita em torno de pontos específicos também.

    Ao fazer exatamente a mesma coisa que vem criticando em relação ao PT, o PSOL mostra de forma flagrante e inequívoca sua hipocrisia.

    Não precede a patética defesa de Maringoni citando que o PSOL “não foi lá articular coisas como arrocho fiscal, retirada de direitos trabalhistas ou lei antiterrorismo”, isso porque o PSOL criticou o PT quando este foi buscar apoio para coisas como políticas sociais, aumento o salário mínimo e garantias de direitos civis… Enfim, o PSOL criticou todo e qualquer tipo de acordo com a direita independentemente do tema do acordo e agora está adaptando seu discurso para tentar esconder sua incoerência.

    Claro que o PSOL já havia feito acordos com a direita antes, sempre no sentido de atacar o PT, não há diferença agora, continuam desmentindo com sua prática aquilo que seu discurso inconsistente cobra dos outros e que não pode mesmo ser feito, tanto que eles não fazem. Mas talvez a maior desonestidade do PSOL nem seja essa, o pior mesmo é que não admitem ae continuam praticando a hipocrisia na cara dura.

  6. O PSOL nasceu com um único

    O PSOL nasceu com um único objetivo: fazer birra contra Lula e o PT. Nada mais natural que eles agora passem a andar de braços com os tucanos. PSOL, aquele que foi, sem nunca ter sido…

  7. Fazer política sempre

    Fazer política sempre fizeram. Tanto que chegaram ao parlamento, pela via do voto, sem o dinheiro das grandes empreiteiras ou dos grandes bancos. São, hoje, somente 4 parlamentares na Câmara, mas incomodam, pelo visto, pois têm o que toda a bancada do pt (com minúsculas mesmo) não tem: coerência da defesa dos trabalhadores, dos despossuídos desse país. Ao pt (com minúsculas mesmo) não interessa a existência de uma oposição de esquerda a lhe lembrar o tempo todo de seus compromissos com os trabalhadores desse país, mesmo que isso seja feito com todas as incoerências próprias do PSOL ou do PSTU. Melhor extirpá-la do debate político. Além disso, e haja jogo retórico, se o PSOL procura o PSDB para tentar se salvar na reforma política, o pt (com minúsculas mesmo) se alia ao PMDB de Eduardo Cunha para acabar com o que resta de democracia na vida partidária njo país.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome