O Copom do social

O uso de indicadores para a definição de políticas sociais está transformando o PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio) em documento com tanto impacto quanto as Atas do COPOM (Comitê de Política Monetária). Este é mais um elemento para comprovar como a questão da integração das classes D e E ao mercado de consumo e de cidadania é o fenômeno mais relevante dos últimos cinqüenta anos.

Do seminário “Mercado Popular: o consumidor invisível”, participam especialistas em políticas públicas, ONGs, consultorias como a A.T.Kearney, multinacionais como a Nestlé, Phillips e Carrefour.

O novo cidadão aparece nas pesquisas eleitorais; o novo consumidor está mapeado no radar das principais empresas.

Ontem entrou um leitor no Blog. Com um português claudicante escreveu você com cê cedilha, tropeçou aqui e ali, mas deu sua opinião. Vocês não sabem a importância desse processo, da inclusão também digital das classes D e E.

Sem prática de escrever, ele não se fez de rogado. Entrou sem complexo, opinou, leu e vai aos poucos aprendendo a se inserir no mercado de opinião. Esse fenômeno da Banda B da opinião pública é fantástico e mostra o poder regenerador do voto.

As políticas públicas no país só seguiram as pressões pontuais entre eleições. FHC curvou-se oito anos ao tal do mercado; e Lula mais quatro anos. E é a perspectiva das eleições que muda tudo. Mais do que nunca, Lula saberá que, se não houver desenvolvimento e manutenção da inclusão, sairá escorraçado do segundo mandato, da mesma maneira que FHC.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora