TV GGN: A renúncia de Teich, o breve, e a continuidade do caos

E mais: militares se comprometem cada vez mais com o insucesso de Bolsonaro; veja o comentário do jornalista Luis Nassif sobre os principais fatos do dia

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  GGN prepara dossiê sobre trajetória de Sergio Moro

7 comentários

  1. E a situação está tão conturbada que o cirurgião plástico televisivo Dr Rey novamente se oferece como o mais qualificado para o governo desqualificado. Será que tem habilidade e humildade para ser destratado por Bolsonaro? Parece que sim. Gravou vídeo dizendo que apoia a cloroquina, está com Israel, EUA e Paulo Guedes. Apoia o governo e tem diplomas.

    Dr. Rey pede para ser ministro da saúde: ‘sou o mais qualificado’.
    https://tvefamosos.uol.com.br/noticias/redacao/2020/05/15/dr-rey-pede-para-ser-ministro-da-saude-sou-o-mais-qualificado.htm

  2. Além da polêmica do isolamento (só dos véinhos), a da tal da cloroquina é “tão perigosa” que já causou a baixa de dois ministros, mesmo sem Covid.
    A insistência do adolinquente com a florentina, digo cloroquina, dentre outros motivos, está na grana que já gastou para produzí-la.
    Além de tentar evitar sua desmoralização (tadinho) e não ser o seu papel nem sua formação, elegastou dinheiro público CONTRA a recomendação de seus ministérios;
    Lembrando que tanto a Anvisa (aparelhada por ele) quanto o CFM liberaram o uso politicamente (ordens/desgaste) e não cientificamente.
    Ou seja, mais um crime de (i)responsabilidade na lista do “doutor”.

  3. Complementando:
    O uso cada vez mais frequente da taxa de mortalidade é um sintoma de mínions e aliados para tentar buscar dados que os ajudem. Sem sucesso.
    A taxa de mortalidade (mortes/hab.) só faz sentido no FIM da pan/epidemia, não enquanto ela está em andamento. O mesmo pode se dizer da contaminação (casos/hab).
    A letalidade, embora sempre um tato defasada en relação ao ciclo da doença (contaminação/morte) é um índice que pelo menos pode ser usado durante o andamento com algum sentido.
    De resto, em tempos fora de Covid, 80% das mortes por pneumonia é de idosos. E morre-se mais por pneumonia (200 mil de 2015 a 2017 ou 67 mil/ano) do que de gripe (H1N1/influenza, 333 em 2018), que tentam comparar com a Covid-19.

  4. Tem método nesse caos. O boicote do Bolsonaro ao combate à epidemia, dificultando os recursos para a população e jogando a favor e ao lado do Covid e consequentemente contra o seu combate, tudo isso tá fazendo a população banalizar a morte e a carnificina, que poderia ser amenizada ao mínimo, seria bem menor
    Deve ser o cérebro daquele banana lá do Norte, que se acha o helmintos do terceiro mundo, que está por trás desse caos. Eles são toscos. No chance

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome