Revista GGN

Assine

Como Henfil driblou a ditadura

Sugerido por Mara L. Baraúna

Do Vermelho

Henfil, o cartunista que driblou a ditadura e enviou recados

Esta foi a forma que Henfil encontrou de contar para a cunhada, Gilse Conseza, presa e torturada durante a ditadura militar, que a filha dela, Juliana Conseza, estava bem. Tudo começa em 1970, quando a então militante da Ação Popular (AP), Gilse Conseza é presa pela ditadura militar e permanece reclusa na Penitenciária de Linhares em Juiz de Fora, Minas Gerais, por mais de dois anos. 

À esquerda do tio Henfil, Juliana, à direita a irmã mais nova, Gilda.

Na época a pequena Juliana tinha apenas quatro meses e foi acolhida pelos tios Gilda Conseza e Henrique de Souza Filho, o Henfil, com quem viveu durante todo o período em que a mãe e o pai estiveram presos. 
Na prisão era difícil até para ler os jornais diários, mas eventualmente um exemplar caía na cela de Gilse. Ela conta que todos iam direto ver as notícias e ela corria para ver as tirinhas do Henfil e saber se ele estava bem, desta forma, Juliana talvez também estivesse segura. Chorou e gritou de alegria ao ler num quadrinho com a Graúna e os fradinhos “Juliana, chega de comer sorvete de morango, pois você vai ter caganeira”. 

Ela entendeu na hora o recado do cunhado Henfil, que a avisava sobre Juliana estar bem, e soube mais tarde que o tal frase, para muitos sem pé nem cabeça, havia sido publicada em muitas edições, para de alguma forma o recado chegar a ela. 

Como forma de agradecimento, se tivesse outro filho, levaria o nome da tia Gilda caso fosse menina, ou do tio Henfil, caso fosse menino. Ainda na clandestinidade Gilse teve mais uma filha a quem deu o nome da irmã. 

Hoje com 45 anos, Juliana é grata aos tios por terem cuidado dela enquanto a mãe estava presa. “Tenho uma gratidão sem tamanho por ele e por minha tia. Sem tamanho. Eu devo minha vida a eles”. E lembra do tio como um “um cara extremamente brincalhão”.

A tia Gilda lembra que a pequena Juliana estava muito frágil quando foi recebida pela família, aos quatro meses tinha apenas três quilos. E vê com maus olhos a pouca informação sobre a ditadura militar nos dias de hoje. “É importante falar dessa época para que as pessoas não se esqueçam disso. Assusta-me muito que os jovens não saibam o que foi a ditadura, o que essas pessoas passaram e o horror que foi a tortura”, afirma. 

Da Redação do Vermelho, 
com informações de O Estado de Minas

Média: 5 (3 votos)
12 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Teo Ponciano
Teo Ponciano

Esta foi de emocionar. Estou

Esta foi de emocionar.

Estou aqui me recompondo.

Valeu!

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Ronaldo Medeiros
Ronaldo Medeiros

Henfil

É  tão surpreendente e lindo que fica dificil de comentar. É de arrepiar.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Que bobagem é esta? No Brasil

Que bobagem é esta? No Brasil não teve ditadura. Tivemos "ditabranda".

Só que temos também donos de empresas de mídia safados e alguns empregados da mídia mais safados ainda.

Seu voto: Nenhum (5 votos)

Vera Lucia Venturini

Curta-metragem sobre Cartas

Curta-metragem sobre Cartas da Mãe, publicadas por Henfil em jornais e em livro. Direção de Fernando Kinas, Marina Willer, de 2003. Locução de Abujamra, e depoimentos de Lula, Angelli, Laerte, LF Veríssimo, e de Gilse Conseza, entre outros.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Detalhes paulistanos

Enquanto escutava o fantástico declamador Abujamra acabei por notar alguns detalhes de uma São Paulo que não existe mais, o São Vito, o Carandiru e o Laerte masculino.

As time goes by.

Quanto ao Henfil, recebi dele minha primeira aula de jornalismo: com raiva não escreva.

Lembro dele todas as vezes que não sigo a recomendação e tenho que me desculpar.

Seu voto: Nenhum

Ouso pensar porque ouso pensar que ouso pensar.

 

Excelente, Jair, obrigada

Seu voto: Nenhum
imagem de Mara L. Baraúna
Mara L. Baraúna

Curta-metragem sobre Cartas

Adorei!! Vai já pro Facebook!

Abraços

Mara 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

TU FAZ UMA FALTA!

Seu voto: Nenhum (6 votos)

"Recria tua vida, sempre, sempre. Remove pedras e plantas roseiras e faz doces. Recomeça. Faz da tua vida mesquinha um poema e viverás no coração dos jovens e na memória das gerações que hão de vir". Cora Coralina

Henfil faz muita falta...

Henfil faz muita falta...

Seu voto: Nenhum (4 votos)

ABAIXO A DITADURA

 

imagem de Mauricio Salles
Mauricio Salles

VIDA LONGA A HENFIL

Para mim isso é o sentido da eternidade. Um gesto humano que transcende as mísérias da vida. Além do caráter, revela io gênio desse grande Henfil.  

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Henfil é eterno!

e o irmão do Henfil também.

Será que os jovens de hoje sabem disto?

Seu voto: Nenhum (6 votos)

Henfil faz parte da nossa historia

O pior é que se você contar para eles quem foi (e ainda é) Henfil, vão achar que está exagerando.

Seu voto: Nenhum (3 votos)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.