Revista GGN

Assine

apartamentos

Moro não consegue congelar 94% do que calculava de Lula

Quantia foi vasculhada, sem sucesso, nas quatro contas do ex-presidente e até um carro de mais de 30 anos ficou de fora do bloqueio
 

Foto: Ricardo Stuckert/ Instituto Lula
 
Jornal GGN - Ao decidir bloquear as contas e bens do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o juiz da Vara Federal de Curitiba, Sérgio Moro, conseguiu congelar apenas 6% da quantia que previa para a condenação de Lula. O magistrado do Paraná também dispensou reter o carro do lider petista, por ser uma caminhonete antiga, de 1984.
 
No despacho que integra o processo que condenou Lula a 9 anos e meio de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o juiz federal pediu o sequestro de três apartamentos de Lula em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, sendo um deles a própria residência do ex-presidente, e pediu ao Banco Central que congele um limite de até R$ 10 milhões em contas encontradas relacionadas a ele.
 
O pedido de Moro ocorreu no dia 14 de julho e tramitava em segredo de Justiça. Seria uma forma de reparação de danos à Petrobras, no âmbito da Operação Lava Jato. Mas ao vasculhar as quatro contas bancárias de Lula, o Banco Central conseguiu detectar pouco mais de 6% do limite imposto pelo magistrado: 606.727 reais e doze centavos.
Média: 4.5 (15 votos)

A resposta do Instituto Lula à Operação Triple X


 

Jornal GGN - As alegações do juiz Sérgio Moro, para autorizar a deflagração da Operação Triple X, não se basearam em novas informações, como sugere seu despacho. A existência de offshore em nome de terceiros já constava pelo menos desde agosto de 2015 no processo conduzido pelo Ministério Público Estadual de São Paulo. O Instituto acusa a Lava Jato de requentar a notícia para justificar a operação.

Os apartamentos do Guarujá, investigados pelo MPF na Operação Lava Jato, foram lançados pela cooperativa habitacional Bancoop (Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo). Em 2009, o empreendimento foi transferido para a OAS, após a cooperativa ter entrado em crise financeira.

Em 2005, quando o projeto estava na planta, a esposa do ex-presidente Lula, Marisa Letícia Lula da Silva assinou um terno de adesão com a cooperativa, para financiar a unidade de apartamento 141, de três dormitórios (um com banheiro), de 82,5 metros quadrados, pagando uma entrada de R$ 20 mil, e prestações mensais e intermediárias para a empresa. Leia mais »

Média: 4.6 (24 votos)