Revista GGN

Assine

Operação Lava Jato

“Com o Supremo, com tudo” não é crime, conclui Polícia Federal

Jornal GGN – O Supremo Tribunal Federal (STF) recebeu da Polícia Federal (PF) relatório que descarta possível obstrução da Justiça por parte dos senadores Romero Jucá e Renan Calheiros, do PMDB, e do ex-senador José Sarney. Segundo a PF eles não intentaram atrapalhar as investigações da Lava Jato.

O relatório foi enviado no dia 21 para o STF, com o entendimento que, a conversa entre os políticos com o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, não configuraram crime.

Leia mais »

Média: 1 (3 votos)

Na Alemanha, imprensa fala em "provas ralas" na condenação de Lula

sergio_moro_-_marcos_oliveira_ag_senado_1.jpg
 
Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado
 
Jornal GGN - Os jornais alemães repercutiram a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em sentença proferida pelo juiz Sérgio Moro dentro da Operação Lava Jato. 
 
O Die Zeit aponta que o combate à corrupção no Brasil se misturou com objetivos políticos de “forma demasiadamente óbvia”, lembrando que Lula lidera as pesquisas de intenção de voto para 2018. 
 
O Süddeutsche Zeitung afirma que o “caçador de corruptos alcançou sua maior presa”, afirmando que Moro poderia se passar por um James Bond tupiniquim. O jornal destaca que o juiz afirmou, na sentença, a condenação do ex-presidente não lhe traz satisfistação pessoal. “No máximo, metade dos brasileiros acredita nele”, diz a publicação alemã.

Leia mais »

Média: 3.9 (7 votos)

Garantismo Integral: a "teoria" que só existe no Brasil, por Alfredo Copetti Neto e Ana Cláudia Pinho

dallagnol_-_marcelo_camargo_abr2.jpg

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Do Justificando
 
 
Alfredo Copetti Neto e Ana Cláudia Pinho

É incrível como tudo por aqui é deturpando conceitualmente. Em verdade, não seria demasiado afirmar que, pelas bandas de cá, muito pouco (ou quase nada) se trabalha seriamente um conceito. É como se eles realmente não existissem, não possuíssem um DNA, uma identidade. É como se pudéssemos, nós mesmos, atribuir qualquer sentido para um conceito, um instituto e, até – pasmem – uma teoria! Porém, não há conceito sem coisa, da mesma forma que não há coisa sem história, sem contexto, sem uma tradição, uma construção. Os conceitos não são inventados! Eles hão de possuir uma genealogia. Em suma: o que permite alguém dizer algo sobre algo?

A literatura não responde taxativamente, mas nos auxilia no percurso. Recordamo-nos do livro “O livreiro de Cabul”, escrito pela jornalista norueguesa Asne Seierstad, que tece profundas considerações acerca do ambiente familiar de Sultan Khan, o livreiro de Cabul, homem culto que difundia entre seus conterrâneos as possibilidades – e também as mazelas – da liberdade, por meio da literatura.

Leia mais »
Média: 2.6 (5 votos)

Falta de provas leva Moro ao descontrole nos argumentos, por Janio de Freitas

sergio_moro_lula_marques_agpt_1.jpg
 
Foto: Lula Marques/AGPT
 
Jornal GGN - A sentença do juiz Sérgio Moro que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem um pouco de tudo e dizem mais sobre o magistrado do que sobre o acusado. 
 
A opinião é do colunista Janio de Freitas, que afirma que não há igualdade nas condutas de Lula e do ex-deputado Eduardo Cunha, ao contrário do que defende o juiz federal de Curitiba. Para o jornalista, a falta de sucesso na busca por provas que contrariem Lula  leva os procuradores e Moro ao descontrole das argumentações, priorizando o “desejado contra a confiabilidade”. 
 
“O apartamento pode até ser de Lula, mas ainda não há provas. Leia mais »
Média: 4.4 (14 votos)

PT repudia bloqueio de bens e diz que Moro tomou 'decisão mesquinha'

lula_diretorio_-_lula_marques_agpt.jpg
 
Foto: Lula Marques/AGPT
 
Jornal GGN - Por meio de nota oficial, o Partido dos Trabalhadores repudiou a decisão do juiz Sergio Moro de bloquear os bens do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, afirmando que ela é uma pena de “asfixia econômica” que tira do petista os meios até mesmo para se defender das acusações.
 
Além disso, a legenda diz que o bloqueio foi um “decisão mesquinha” e um caso típico de retaliação. Para o partido, Moro não tem equilíbrio e a parcialidade necessária para julgar os processos que envolvem o ex-presidente.
 
O partido também aponta que os sigilos fiscal e bancário de Lula e seus familiares haviam sido quebrados, e que, por isso, o juiz da primeira instância de Curitiba “sabe que o ex-presidente não tem contas ocultas nem patrimônio inexplicável”.

Leia mais »

Média: 3.3 (7 votos)

EUA assumem controle de 83% da importação brasileira de óleo diesel, por Miguel do Rosário

abreu_e_lima_divulgacao_0.jpg

Desde muito tempo, o óleo diesel figura em primeiro lugar no ranking das nossas importações. Foto: Divulgação

Do Cafezinho

EUA assumem controle de 83% da importação brasileira de óleo diesel

por Miguel do Rosário

Em agosto de 2015, o juiz Sergio Moro estava em plena campanha em favor do golpe. Dava palestras onde quer que lhe chamassem e suas decisões seguiam uma agenda estritamente conectada às forças de oposição que conspiravam para derrubar o governo Dilma.

No dia 31 daquele mês, Moro proferiu uma palestra com o tema “Corrupção sistêmica: as lições da operação Mãos Limpas”, num evento organizado pela editora Abril, em São Paulo.

O juiz responsável pela operação Lava Jato, então no auge de sua popularidade, explicava aos executivos que se dispuseram a pagar R$ 1.800 por um ingresso, o que, na sua opinião, eram investimentos não baseados em razões de “ordem econômica e racional”.

Como exemplo, ele cita a refinaria Abreu e Lima, lembrando que o custo inicial da obra, estimado em 2 bilhões de dólares, passara para 18 bilhões de dólares.

Moro conta que alguns “colaboradores” capturados pela Lava Jato lhe disseram que a obra jamais se pagaria.

Trajando seu tradicional terno preto, com uma expressão aflita no rosto, o juiz de Curitiba conclui que tudo isso “leva a uma natural suspeição: será que o fator de recebimento de propina não foi o agente motivador dessas decisões de investimento mal sucedidas?”

Leia mais »

Média: 4.1 (17 votos)

Identificação de Lula como alvo não é gratuita, por Roberto Amaral

lula_-_ricardo_stuckert.jpg
 
Foto: Ricardo Stuckert
 
Do site de Roberto Amaral
 
POR QUE LULA?
 
A identificação de Lula como alvo da reação não é gratuita. Se dá pelo que ele simboliza
 
Sem surpresa, o País recebeu a anunciada condenação de Lula, sentença que já estava pronta antes mesmo da mal articulada denúncia do Ministério Público Federal, antes mesmo do julgamento na ‘República de Curitiba’, pois, antes de tudo, estava lavrada pelas classes dominantes – os rentistas da Avenida Paulista, as “elites” alienadas, a burguesia preconceituosa, um empresariado sem vínculos com os destinos do povo e de seu país. Uma “elite” movida pelo ódio e pela inveja que alimenta a vendeta. Denúncia, julgamento, condenação constituem uma só operação política, cujo objetivo é avançar mais um passo na consolidação do golpe em progresso iniciado com a deposição da presidenta Dilma Rousseff.
 
Tomado de assalto o poder, cumpriria agora destruir eleitoralmente a esquerda, numa ofensiva que lembra a ditadura instalada em 1964. Para destruir a esquerda é preciso destruir seu principal símbolo, assim como para destruir o trabalhismo caberia destruir o melhor legado de Getúlio Vargas. Não por mera coincidência, o dr. Sérgio Moro decidiu dar à luz a sentença a ele encomendada no dia seguinte em que o Senado Federal violentava a Consolidação das Leis do Trabalho.
 
Desinformando e formando opinião, exaltando seus apaniguados e difamando aqueles que considera seus inimigos, inimigos de classe, a grande imprensa brasileira promove o cerco político, e tece as base da ofensiva ideológica unilateral, porque produto de um monólogo. 

Leia mais »

Média: 3.7 (9 votos)

Abusiva, prisão de Humala pode atrapalhar Lava Jato no Peru, alerta jornalista

ollanta-humala_presidencia_do_peru.jpg

Ollanta Humala foi o primeiro ex-presidente a ser preso na investigação da Lava Jato no continente. Foto: Presidência do Peru

Da Agência Pública

Prisão de Humala é abusiva e pode prejudicar a Lava Jato no Peru, diz jornalista

por Natalia Viana

Diretor de site investigativo avalia que ex-presidente peruano corre o risco de ser bode expiatório

Leia mais »
Média: 3 (4 votos)

Por que Moro condenou Lula, Por José Gilbert Arruda Martins

sergio-moro-pedro_oliveira_alep_2_0.jpg
 
Foto: Pedro Olveira/Alep
 
Por que Moro condenou Lula
 
Por José Gilbert Arruda Martins
 
“Sejamos o pesadelo dos que querem roubar nossos sonhos”. É uma tremenda responsabilidade abrir este ou qualquer outro texto usando palavras do guerrilheiro argentino Che Guevara, mas o momento político brasileiro exige a ousadia. 
 
Como podemos ser o pesadelo dos caras que estão roubando sonhos de milhões de trabalhadores e trabalhadoras do país com apenas marchas, passeatas, acampamentos, discursos e reuniões?
 
Comícios, marchas, panfletagens, caminhadas, passeatas etc., parecem não surtir o menor efeito sobre a voracidade dos rentistas daqui e de fora. Do impedimento até hoje, mesmo com todas as ilegalidades cometidas pelos golpistas, nada, absolutamente nada, do que a classe trabalhadora e os movimentos sociais fizeram nas ruas e praças desse país, parece impedir o desmonte total de todo o ensaio de Estado do Bem-estar Social que existia desde 1943.

Leia mais »

Média: 3.5 (8 votos)

Uma pena e duas medidas: a prisão domiciliar para os presos comuns e os da Lava Jato

vitoria_-_andrea_dip_apublica.jpg

A venezuelana Vitória deixou o presídio quando o filho, a quem deu à luz no cárcere, tinha seis meses (Foto: Andrea Dip/Agência Pública)

Da Agência Pública
 
 
por Andrea Dip
 
Enquanto as mulheres com filhos pequenos lutam para obter a prisão domiciliar, direito previsto por lei, presos da Lava Jato gozam desse benefício sem amparo da legislação penal

A pequena casa de dois cômodos onde moram Vitória*, seu bebê e sua mãe, Laura, no Jardim Guarani, na periferia da zona norte de São Paulo, em nada se parece com as mansões luxuosas onde vivem em prisão domiciliar alguns réus delatores da operação Lava Jato – uma até com vista para o mar. Em contraste com as áreas verdes, piscinas e academias, como mostrou em abril deste ano uma reportagem do Fantástico sobre os presos domiciliares da Lava Jato, Vitória nos recebe para um café em uma pequena cozinha que também faz as vezes de sala. Ao fundo, o quarto com um beliche onde os três dormem e guardam seus pertences frequentemente é inundado pela água que transborda do banheiro, conta Vitória enquanto amamenta o filho. É algo a mais para resolver na lista da família, que tenta sem sucesso uma vaga para Lucas na creche do bairro e tem como renda apenas o dinheiro que dona Laura ganha trabalhando com limpeza em três empregos diferentes.

Na Venezuela, a mãe de Vitória era professora primária, mas sem fluência no português tudo aqui é mais difícil. Quando soube da prisão da filha grávida, dona Laura deixou a família e veio correndo ao auxílio dos dois. Não descansou até conseguir alugar essa casa e por a documentação da filha em ordem para, junto ao Instituto Terra, Trabalho e Cidadania (ITTC), que trabalha com mulheres estrangeiras presas, tentar o habeas corpus para a prisão domiciliar. Vitória foi presa com cocaína no aeroporto de Guarulhos e levada para a Penitenciária Feminina da Capital (PFC), onde descobriu a gravidez e permaneceu por pouco mais de um ano, até que seu filho completasse 6 meses. Apesar da vida difícil, ela se sente aliviada por ter deixado o presídio e se sente “privilegiada” entre as tantas mães que conheceu no cárcere que continuam sem previsão de mudança de rumo. “Quando saí, deixei tudo que tinha para as mães com os bebês de lá. Porque é muito difícil, tem gente que não tem família, não tem nada. Eu mesma lavava roupa para outras mulheres para conseguir maços de cigarro que trocava por sabonete e fraldas para o Lucas até minha mãe chegar”, lembra.

Leia mais »
Média: 4.7 (6 votos)

Para Haddad, não há possibilidade de Lula ficar inelegível

haddad_paulo_pinto_fotos_publicas.jpg
 
Foto: Paulo Pinto/Fotos Públicas
 
Jornal GGN - Após a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo juiz Sérgio Moro, os analistas políticos começaram a levantar a hipótese de outra candidato do PT em 2018, caso Lula se torne inelegível.
 
Um dos nomes lembrados é o de Fernando Haddad, mas o ex-prefeito de São Paulo refuta não só a hipótese de disputar a presidência como também a possibilidade de não disputar a presidência no ano que vem.
 
Em entrevista para a Folha de S. Paulo, Haddad afirma que tanto Lula quanto o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso erraram ao não ter conseguido criar bases para convivência entre PSDB e PT, o que fez os partidos se tornarem “reféns do atraso. 
 
Ao comentar a Operação Lava Jato, Haddad critica o uso das delações premiadas. “Aqui introduzimos uma novidade sem as cautelas regulamentares. Qual o protocolo para delação com trecho falso?”, questiona. 

Leia mais »

Média: 3.2 (9 votos)

O juiz que entregou ao maligno a alma de magistrado, por Alvaro Augusto Ribeiro Costa

justica_crop_pixabay.jpg
 
Foto: Pixabay
 
por Álvaro Augusto Ribeiro Costa
 
Condenado a condenar, condenou... e condenou-se 
 
Julgamento ou farsa? Quando o julgamento do acusado termina, começa o julgamento do próprio julgamento e do julgador.
 
Não estou me referindo, por enquanto, a uma sentença condenatória há muito tempo anunciada e esperada desde quando  lançado aos quatro ventos o nome do acusado, antes mesmo que fosse alardeado o crime a ser imputado e de formalmente (embora ineptamente) apresentada uma acusação.
 
Não! Estou falando, ainda, de uma novela diariamente apresentada pela televisão, o rádio, o jornal e a internet e replicada nas ruas, casas, ambientes de trabalho e muitos outros lugares. 
 
Uma novela tão medíocre e inverossímil quanto o roteiro e os personagens, mas tão ao gosto de uma enorme e   “aglobalhada”  audiência, multiplicada em torcidas e apoiadores, claques organizadas ou desorganizadas, unidas na expectativa da proclamação do  final: a condenação do mal pelo bem, a consagração gloriosa dos mocinhos e a definitiva execração do inimigo escolhido.

Leia mais »

Média: 4.4 (14 votos)

Lava Jato será estudada mais por seus desmandos, por Jânio de Freitas

lula_curitiba_ricardo_stuckert_1.jpg
 
Foto: Ricardo Stuckert
 
Jornal GGN - Mais do que as suas condenações, a Operação Lava Jato será lembrada e estudada por suas arbitrariedades e desmandos, afirma o jornalista Janio de Freitas, em sua coluna de hoje (16), na Folha de S. Paulo.
 
O colunista ressalta que a conexão entre o apartamento no Guarujá (SP) e os subornos na Petrobras nunca foi demonstrada, apesar de isso embasar a decisão do juiz. 
 
“Não houve no Conselho Nacional de Justiça e no Supremo Tribunal Federal quem pusesse o juiz de Curitiba abaixo da lei”, diz Janio, lembrando das gravações feitas no âmbito da Lava Jato e que foram divulgadas ilegalmente. 

Leia mais »

Média: 4.3 (11 votos)

Quem está em risco com a sentença de Moro é você, por Rogério Galindo

sergio_moro_lula_marques_agpt_0.jpg

Foto: Lula Marques/AGPT

Jornal GGN - Ao condenar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a nove anos e meio de prisão com base em indícios, o juiz Sérgio Moro ignora uma regra do direito penal que afirma que, na dúvida, o réu deve ser considerado inocente.

A análise é de Rogério Waldrigues Galindo, no jornal paranaense Gazeta do Povo. Para o colunista, mesmo que Lula não seja inocente culpado, uma condenação sem provas cabais atropela uma das garantias fundamentais do Direito e da também da democracia.

"Os fins jamais podem justificar os meios. Ainda mais quando os “meios” calham de ser nossa única proteção contra uma ditadura do Judiciário", afirma.

Leia mais »
Média: 2.8 (13 votos)

A Justiça é para todos?, por Marcelo Zelic e Cecília Capistrano

ccj21307_marcelo_camargo_abr.jpg

Deputados da tropa de choque de Michel Temer na CCCJ da Câmara, entre eles (à dir.) Darcísio Perondi (PMDB/RS), cujo pedido de investigação por crime de improbidade administrativa está parado no STF desde 2004. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Do Jornalistas Livres

 
por Marcelo Zelic e Cecília Capistrano Bacha para os Jornalistas Livres
 
No final dos anos 1970 o Senador Teotônio Vilela, um liberal, em suas andanças pelo país pregando a redemocratização, pronunciou palavras que merecem registro e meditação. Dizia ele: “As decisões dos tribunais são a última etapa da vida do direito. Sem um funcionamento adequado da organização judiciária, o país caminharia para a desordem e a descrença nas suas instituições políticas.”
 
A sentença do juiz Sérgio Moro condenando o ex-presidente Lula com base em suposições e desconsiderando as provas contidas nos autos, tornou-se, conforme declaração de seus advogados, “um processo ilegítimo e usado para fins políticos”, retrocedendo o funcionamento da organização judiciária para as práticas da ditadura militar combatidas pelo Menestrel de Alagoas, como Teotônio era chamado à época.
Leia mais »
Média: 5 (1 voto)