Comunidade internacional deve se unir, ou será esmagada pelo caos, avisa chefe da ONU

A perigosa mistura de altas tensões geopolíticas e ameaças complexas à paz, agora complicadas pela COVID-19, exige um pensamento inovador sobre governança global e multilateralismo

No Níger, os ataques de grupos armados têm aumentado, exacerbando a situação difícil das comunidades que sofrem com o impacto da pandemia. Na foto, uma mulher com membros de sua família, que foram obrigados a fugir de suas casas devido à violência e à insegurança. Foto: UNICEF/Juan Haro

O secretário-geral da ONU apresentou na quinta-feira (24) um caso inequívoco para fortalecer o multilateralismo e construir a confiança entre os países do mundo em face da devastadora pandemia de coronavírus, que expôs lacunas em várias frentes.

A perigosa mistura de altas tensões geopolíticas e ameaças complexas à paz, agora complicadas pela COVID-19, exige um pensamento inovador sobre governança global e multilateralismo, disse António Guterres, em briefing ao Conselho de Segurança via vídeo-link.

A pandemia COVID-19 é um teste claro para a cooperação internacional, “um teste em que essencialmente falhamos”, acrescentou. “Ela já matou quase 1 milhão de pessoas em todo o mundo, infectou mais de 30 milhões e continua fora de controle. Este foi o resultado de uma falta de preparação global, cooperação, unidade e solidariedade.”

Necessidade de redes

Com os 15 membros do Conselho também participando remotamente, Guterres apelou ao “multilateralismo em rede” baseado em fortes vínculos e cooperação entre organizações globais e regionais, instituições financeiras internacionais e outras alianças e órgãos globais.

A necessidade é ainda mais premente com o agravamento do impacto da pandemia. “Não temos escolha… Ou nos reunimos em instituições globais adequadas para o propósito ou seremos esmagados pela divisão e pelo caos”, disse o secretário-geral.

Convocado pelo Níger, na qualidade de presidente do Conselho para o mês de setembro, o evento de cúpula discutiu reformas para a governança global no contexto de paz e segurança, em um contexto de pandemia. A reunião foi presidida por Mahamadou Issoufou, presidente do Níger.

Leia também:  MP desmonta capacidade de P&D do setor elétrico 

Governo mais eficaz

Juntamente com a responsabilidade da ONU de melhorar a eficácia da governança global, os Estados-membros também têm um papel igualmente importante em forjar uma ação coletiva para desafios comuns.

Conflitos, violações de direitos humanos, crises humanitárias e progresso estagnado no desenvolvimento se reforçam e estão interligados, enquanto a resposta global é cada vez mais fragmentada, advertiu Guterres.

Emular o modelo de parceria UA-ONU

O secretário-geral destacou a parceria entre a União Africana (UA) e a ONU como um modelo a ser imitado nas relações com outras organizações regionais, recordando o quadro União Africana-Nações Unidas para a paz e segurança no continente.

Ele apelou ao Conselho de Segurança para aprofundar o envolvimento através da criação de ligações fortes e formalizadas e comunicações regulares com o Conselho de Paz e Segurança da UA.

Também informando o Conselho de Segurança, Moussa Faki Mahamat, presidente da Comissão da União Africana, expressou preocupação sobre a resposta, até agora, à pandemia.

Contra o pano de fundo dos impactos da COVID-19 – economias e indústrias destruídas, escolas fechadas, centenas de milhões de pessoas vulneráveis ​​e a diplomacia internacional seriamente perdida – os processos de paz se tornaram moribundos e os conflitos entrincheirados, disse ele.

As operações de várias missões de paz na África também foram atingidas, com as tropas incapazes de se deslocar para o campo. Grupos armados e elementos violentos estão explorando a situação para seus interesses, empurrando sua vantagem tática e intensificando atividades criminosas.

A região do Sahel, a bacia do Lago Chade, a Somália e o norte de Moçambique fornecem ilustrações nítidas, disse Mahamat. Adaptar as instituições e ferramentas globais para melhor responder a tais ameaças, que não respeitam fronteiras, “é uma tarefa urgente e premente”, sublinhou, apelando ao Conselho de Segurança para que exerça as responsabilidades atribuídas na Carta das Nações Unidas.

Leia também:  Quanto mais bolsonaristas fiéis numa cidade, mais casos e mortes por Covid, diz estudo

“A pandemia tornou abundante e dolorosamente claro que a humanidade é uma família indivisível … precisamos mostrar nossa determinação e reunir nossa inteligência e resposta para garantir um renascimento do multilateralismo, construir posições sobre nossos valores comuns”, exortou o líder da Comissão da UA.

“As pessoas do mundo estão famintas por uma governança global eficaz que realmente possa servir para elas”, disse ele. Isso possibilitaria a divisão de trabalho mais eficaz, permitindo a imposição da paz da UA e as operações de combate ao terrorismo, apoiadas por mandatos do Conselho de Segurança, com financiamento previsível, garantido por contribuições estimadas.

“Essa é a única maneira de construirmos a coalizão de que precisamos para vencer o terrorismo no continente africano e cumprir a iniciativa emblemática da União Africana de silenciar as armas”, disse ele.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome