Coronavírus: líderes europeus dizem que vírus pode acabar com UE

Relação entre países do bloco não era das melhores, e pandemia tem fortalecido políticas nacionalistas – e muitas vezes autoritárias

Foto: Reprodução

Jornal GGN – A pandemia do coronavírus agravou os problemas existentes na União Europeia (UE), e existe o temor entre líderes da região que o vírus possa acabar com o bloco de uma vez por todas.

Fatores como o Brexit, o fluxo migratório descontrolado desde 2015 e a crise financeira de 2008 já vinham afetando a coesão da integração, mas o vírus acabou por criar atritos entre países e fortalecendo autocracias, como aconteceu recentemente na Hungria, onde o primeiro-ministro Viktor Orbán usou poderes emergenciais para praticamente suspender a democracia, criticando os princípios básicos de um estado de direito.

Segundo o jornal The Washington Post, diversos fatores tem comprometido a relação entre os países do bloco comum, como o fechamento descoordenado das fronteiras, a proibição de exportação de equipamentos médicos por parte da França e da Alemanha mesmo quando a Itália mais precisava – o que levou países como Rússia e China a entrarem no mercado e capitalizarem com a situação.

O ponto mais alto das divergências ocorreu durante uma videoconferência onde nove países, incluindo Itália e Espanha, pediam apoio financeiro. A gota d’água veio por parte do ministro holandês das Finanças, Wopke Hoekstra, que respondeu com um pedido para Bruxelas investigar porque alguns governos não dispunham de recursos financeiros para combater sozinhos a pandemia.

Agora, com as necessidades ainda maiores, cresce o questionamento sobre o sentido do bloco, se os membros mais ricos não se mostram dispostos a apoiar os vizinhos que passam por dificuldades.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora