TVGGN: “Acabam as favelas, aparecem os prédios”: a especulação imobiliária por trás dos incêndios no Chile

Áreas devastadas eram ocupadas, majoritariamente, por vulneráveis; depois de destruídos, terrenos são vendidos a preço de banana

Crédito: Tebni Pino Saavedra

Ainda que seja considerada uma das piores catástrofes ambientais da história do Chile, o incêndio que atinge a região de Valparaiso e Viña del Mar, cidades turísticas no litoral chileno, não são acidentais. As informações são do jornalista Tebni Pino Saavedra, convidado do programa TVGGN 20H desta segunda-feira (5).

“Hoje soubemos a crueldade dos incêndios, que não começaram hoje, começaram sexta-feira passada (2). Para que o fogo se expandisse como se expandiu, contribuiu muito a secura do Chile nesta época do ano. Chile no verão não chove como no Brasil. Chile é seco, queima, o vento conseguiu expandir e acabou com mais de 25 mil hectares de terra”, comenta o entrevistado.

Saavedra comenta que o governador da região atingida, Rodrigo Mundaca, deve apurar as causas do incêndio, uma vez que existe uma “clara intencionalidade” na destruição da área.

Isso porque as quatro cidades mais atingidas (Viña del Mar, Limache, Quilpué e Villa Alemana) registraram que os incêndios começaram no mesmo horário. “Você queima e depois constrói. Empresários compram os terrenos a preço de banana, pois o solo não serve nem para agricultura, nem para nada”, observa o jornalista.

Tragédia social

Outro indício relevante é o fato de que as regiões turísticas de Valparaíso e Vinã del Mar estão preservadas. Entre as áreas mais atingidas estão os morros em torno das cidades, outrora ocupados por pessoas pobres que não tiveram alternativa de constuir suas casas senão ali. E 30% do território queimado era mantido pelo programa social do governo Vivienda e Urbanismo.

“Nunca houve governo algum que atacou esse problema. As pessoas com menos recursos passaram a invandir os morros e construir casas artesanalmente, casas pareicas com as favelas no Brasil. Não tem abastecimento de água, situação piorada pelo tempo seco e falta de vento”, continua Saavedra.

O jornalista relata ainda que os incêndios nas favelas chilenas costumam ser três vezes mais letais que os acidentais. Mais de 120 pessoas morreram, enquanto outras 200 seguem desaparecidas. A tragédia social é ainda maior: mais de três mil casas foram queimadas, indústrias foram destruídas, cerca de 1.700 pessoas estão desalojadas e possuem, somente, a roupa do corpo. Animais domésticos vagam pelas ruas desorientados.

Até o momento, duas pessoas foram detidas por suposto envolvimento no crime. Mas talvez uma das maiores negligências do país conhecido pelos vinhos e pelas belezas naturais da Cordilheira dos Andes e da Patagônia seja a negligência: há mais de 20 anos existe um projeto de lei parado no congresso que proíbe construções sobre terrenos abandonados pela população em decorrência de catastrofes. Além de incêndios, o Chile também sofre com inundações e terremotos.

LEIA TAMBÉM:

Camila Bezerra

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. O mesmo aconteceu na cidade de Sao Paulo durante a gestao do Serra e do Kassab. Tinha incendio em favelas toda semana.Em muitas os moradores nunca mais foram autorizados a voltar. Eram area nobres da cidade que as construtoras tinham intetessa.

    1. Toda sexta feira tinha um incêndio e a mídia “inocente” anunciava como se fossem acidentais, um pode ser, mais inúmeros em sequência? até eu que sou meio imbecil não acreditei na época…

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador