A estrutura científica do chamado Gabinete do Ódio, por Rogério Maestri

Porém, como além de não acreditar na mão invisível do mercado não acredito em geração espontânea, a mão de quem gerou este esquema todo é simplesmente encontrada fora do nosso país

A estrutura científica do chamado Gabinete do Ódio, ou quem está atrás de tudo

por Rogério Maestri

Poucas pessoas tiveram estomago para seguir o depoimento de mais de oito horas da Deputada Joice Hasselmann, na CPI das fake News. Porém, como disponho de tempo de aposentado, terminei assistindo em torno de três horas do depoimento.

A deputada, provavelmente com uma assessoria técnica razoável e com “insider information”, descreveu com detalhes a estrutura de funcionamento do chamado gabinete do ódio. Houve na blogosfera uma série de análises baseadas na indignação e que não se deram conta do principal.

A deputada a partir do seu caso, conseguiu rastrear com um cuidado praticamente acadêmico, quais os níveis que se desenrolava, a maneira em que eram propagadas mentiras e a montagem de um discurso para desmoralizar os adversários. A estrutura do chamado Gabinete do Ódio, era montado em vários níveis que começavam dos supostos cabeças, os irmãos da famiglia miliciana, até os divulgadores finais.

Estrutura de funcionamento do Gabinete do Ódio segundo a apresentação da deputada.

A estrutura de funcionamento deste Gabinete do Ódio, conforme as conclusões do trabalho da deputada, que ao meu juízo tem algumas imperfeições mas mostra a complexidade do esquema, era profissionalmente montada em termos de camadas, como uma rede em cascata (termo técnico empregado pelos profissionais da informática). Além desta estrutura, havia, segundo a apresentação da Deputada, calendário de eventos perfeitamente definidos. O mais interessante não é o acompanhamento do depoimento da convidada, porém a leitura do dossier que ela apresentou.

Dois exemplos de propagação em cascata (Fonte: Luis Fernando de Abreu, 2016)

Leia também:  Democracia e o mercado financeiro, por Joel Pinheiro da Fonseca

Mas vou subir mais um ponto na análise da apresentação. Como exemplificação da articulação da forma de propagação do tal Gabinete do Ódio, ela colocou mensagens entre os seus componentes que demonstram claramente o seguinte:

1)      A montagem das redes de disseminação de notícias com uma estrutura em cascata é um esquema sofisticado que começam a ter estudos acadêmicos sobre o assunto (Estrutura e dinâmica de redes de informação dissertação de Luis Fernando Dorelli de Abreu).

2)      Que a montagem deste tipo de rede, as pessoas que operavam e os interessados nelas (a famiglia) não tinham capacidade de criar.

3)      Para criar uma rede deste tipo é necessário pessoas com conhecimento e vontade para tanto.

A conclusão mais importante dos itens anteriores é que o esquema montado pelo chamado “Gabinete do Ódio”, devido sua sofisticação, certamente não foi montada por nenhum de todos aqueles citados na apresentação da deputada.

Porém, como além de não acreditar na mão invisível do mercado não acredito em geração espontânea, a mão de quem gerou este esquema todo é simplesmente encontrada fora do nosso país, e somente para dar uma ideia coloco uma foto famosa, mas peço que prestem atenção a quem está à direita.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Sergio Moro é o J. Edgar Hoover do governo Bolsonaro?