Censura. Com supremo, MPF, Transparência Internacional e tudo, por Armando Coelho Neto

A censura voltou. Este GGN teve 11 matérias censuradas, e o Brasil não pode saber que uma carteira de crédito de R$ 3 bi foi vendida R$300 mi ao banco BTG, que é ou foi ligado ao ministro Guedes. Cadê o MPF fiscal da lei?

Pixabay

Censura. Com supremo, MPF, Transparência Internacional e tudo

por Armando Rodrigues Coelho Neto

Ministério Público Federal (MPF) vergonha nacional. Este seria o título de nossa fala de hoje, sobre o monstro criado pela Constituição Federal de 1988. O espírito do tempo de então, exigia do Brasil pós-ditadura de 1964 proteger os cidadãos contra a tirania do Estado. Vide capítulo “Das funções essenciais à Justiça”.

O Ministério Público é autônomo, não pertence aos três Poderes, não pode ser extinto. Seus membros são vitalícios, têm independência funcional com liberdade para atuar dentro da lei. Podem defender os cidadãos contra o Estado e defender o Estado contra as ameaças por parte de indivíduos ou figuras públicas.

Ele é o fiscal da lei. E é aí que começa o problema, pois ninguém sabe quem vai fiscalizar ou mesmo punir o fiscal, quando ele se converte à tirania. Por exemplo, barnabés fedelhos de seus quadros, cometeram atos de improbidade no decorrer da Farsa Jato, em Curitiba.

Banalizou. Procuradores da República dramatizam, espetacularizaram e turbinam acusações. A forma mais comum é fazer cálculos de roubalheiras, divulgar cifras milionárias e, embora envolva várias pessoas, o valor fica associado a apenas uma pessoa. Lula que o diga.

O MPF tem sido pródigo em criminalizar doações eleitorais legais, em divulgar fraudes de bilhões e com isso criar no imaginário popular a figura de “Lula ladrão”, independentemente de eventual responsabilidade que ele possa vir a ter. Lula passa a ser investigado num esquema de “Xislhões”. O MPF disse, está dito.

Entre leviandades espetaculosas está o famoso Power Point contra Lula. A velha “aranha” do DEA (Drug Enforcement Administration – órgão do Departamento de Justiça Americano) ganhou na Farsa Jato versão digital. Pelo estilo americano, as “aranhas” são feitas para investigar. Não servem para acusar, não são provas.

A “aranha” é um esquema por meio do qual a polícia busca ligação entre pessoas. Não passa de um rascunho. Ao final tem que ser demonstrado (com provas) quem é quem num esquema criminoso. É mero rascunho acessório e a simples ligação de A com B não é crime, mas um caminho, um dado a cotejar. Não é prova.

Leia também:  MPF acusa BHP e Vale de articular ação para reduzir indenização de vítimas do desastre de Mariana

Na Farsa Jato, a “aranha” deixou de ser rascunho ou diretriz para ser peça acusatória. A pretexto de didática, com o MP extrapolando sua função constitucional, dá um tom de sentença a uma hipótese. Destrói reputação, toma partido onde não deveria, virou partidário, influenciou no processo eleitoral, ajudou no caos.

Além da excrescência do PowerPoint, as recentes vitórias de Lula no Judiciário foram precedidas de espetaculosas e contorcionistas denúncias de Procuradores da República, prenhes de ilações hiperbólicas. Traduzindo: exageradas, com forçação de barra, pois crime é o que está definido em lei, não é o que um procurador diz ser.

Para não ser leviano, as linhas a seguir podem ser simples especulações. Mas, para o jornal O Globo, o procurador Januário Paludo disse que a Farsa Jato investigou e denunciou apenas um terço dos crimes de Lula. Então o MPF teria sido omisso em relação a dois terços dos supostos crimes de Lula? E o dever legal de atuar?

Paludo, bom lembrar, foi citado pelo doleiro Dario Messer como beneficiário de propinas, com o objetivo de afastar o risco de que os procuradores atrapalhassem negócios ilegais, segundo publicação do site UOL. Foi investigado? Se o MPF deixou de investigar crimes de Lula, por que não de Paludo? É verdade?

Nas revelações feitas pelo The Intercept, Paludo é aquele que teria insinuado que a Morte de Marisa Letícia seria “queima de arquivo”, e que sempre teve “pulga atrás da orelha” quanto ao aneurisma dela. Fato: leviandades que ilustram e norteiam o coronelismo de membros do Ministério Público. Seriam afirmações reais?

Conforme várias matérias jornalísticas, o procurador Deltan Dalagnol, além de haver tentado influenciar nas eleições do Senado, teria insinuado “negócios ilegais”, chamando ministros do STF de “panelinha”. Mas, quis obter lucros com eventos e palestras, explorando a popularidade adquirida, segundo o Intercept. Verdade?

Leia também:  Como a falta de notícias locais prejudicou o combate à Covid-19

Outras denúncias dão conta de que o site “O Antagonista” foi usado para interferir na escolha do presidente do Banco do Brasil no governo Bozo. Mais recentemente, até o nome da Transparência Internacional surgiu no pacote. A T.I. teria sido utilizada para minimizar prejuízos causados ao Brasil pela Farsa Jato.

É o MPF no golpe com Supremo e tudo, mais a T.I. dando força ao monstro leviano destruidor de reputações, omisso como fiscal da lei, na ruptura constitucional, corroendo a Democracia. Qual o papel do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), a quem cabe apurar disciplinarmente os abusos dos seus membros?

Até o momento as respostas do CNMP têm sido vergonhosas. Os crassos abusos de procuradores na Farsa Jato passam batidos. Deltan Dallagnol conta apenas com uma advertência e foi beneficiado por 42 adiamentos no caso do PowerPoint. O caso foi prescrito. Justo ele que dizia que a prescrição favorece a impunidade. É mole?

O MPF destrói reputações, não aceita críticas, e ainda fatura em cima da liberdade de expressão. O valor da honra de Deltan acaba de ser decidido num antigo Tribunal de Pequenas Causas. Em nebuloso processo tentou calar um jornalista da BandNews. Ah! A TV Globo está proibida de falar dos crimes do filho do presidente.

A censura voltou. Este GGN teve 11 matérias censuradas, e o Brasil não pode saber que uma carteira de crédito de R$ 3 bi foi vendida R$300 mi ao banco BTG, que é ou foi ligado ao ministro Guedes. Cadê o MPF fiscal da lei?

Em carta aberta, o ex-ministro da Justiça Eugênio Aragão, diz que o MPF poderia fazer a diferença na precária democracia. Mas, está cheio de trogloditas arrogantes, megalomaníacos e prepotentes cegos sem autocrítica, que se escondem na formalidade que negam aos seus inimigos.

Leia também:  MPF aponta "Falsa Defesa" dos atingidos na reparação do crime da Samarco no ES

Mas, diz Aragão, ainda há tempo de porem a mão na consciência, “mostrarem remorso e arrependimento. Do contrário, a história não lhes perdoará, por mais que os órgãos de controle os queiram proteger”. Com a palavra o CNMP.

Armando Rodrigues Coelho Neto – jornalista, delegado aposentado da Polícia Federal e ex-representante da Interpol em São Paulo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. O Medium é uma plataforma de blogs com base nos EUA e, portanto, fora do alcance dos vagabundos de toga brasileiros. Os artigos do Luis Nassif censurados podem ser republicados lá por qualquer usuário. Seria interessante desafiar a Justiça brasileira.
    https://t.co/VyPOjNUQIm

  2. “…Ele é o fiscal da lei. E é aí que começa o problema, pois ninguém sabe quem vai fiscalizar ou mesmo punir o fiscal, quando ele se converte à tirania…” Conheceis a Verdade. E a Verdade Vos Libertará. “Do Povo, pelo Povo, para o Povo”. É difícil num país cuja sua única Elite Fascisto-Esquerdopata não crê em Democracia. No tripé da Justiça está o Povo, a própria Sociedade se representando. De forma direta. ADVOGADOS são Representantes Civis representando livremente a Sociedade Civil. O restante de todo processo é estatal. Como demonstra a própria Matéria. Mas como falar em Livre Pensamento, em Livre Expressão, em Liberdade quando Advogados estão submetidos ao cabresto do Monopólio Ditador de OAB? Esta mesma cúmplice de todo este processo. Esta mesma OAB sob o comando de filho de Terrorista Marxista?! Como se dá o milagre? Coincidência? Afinal, estamos na Pátria das Coincidências, não é mesmo?! As ligações, os conluios, as omissões, os disfarces, a mediocridade então dica descoberta. OAB que surge na vanguarda, na primazia de Golpe Civil Militar que inaugura estes 90 anos de Estado Ditatorial Caudilhista Absolutista Assassino Esquerdopata Fascista. Justamente quando ADVOGADOS da Faculdade de Direito do Largo São Francisco lutam e morrem em 1930 e 1932, para garantir Constituição, Democracia, Republicanismo, Liberdade. Então do Projeto Ditador e Fascista surge OAB, para calar qualquer Luta Democrática. O resultado são estes 90 anos. Por parte desta OAB e TODOS ADVOGADOS BRASILEIROS alguma GREVE, alguma PARALISAÇÃO, algum MOVIMENTO contrário à esta MANIPULAÇÃO, ARBÍTRIO, CENSURA DITATORIAL imposta e aceita pelos Órgãos do Poder Judiciário Estatal Brasileiro? Pobre país rico. Até o óbvio ficou de difícil compreensão. 90 anos de doutrinação e escuridão. A cegueira é resultado, porém momentânea. Mas de muito fácil explicação.

    2
    7
  3. EXCELENTE TEXTO, de fácil entendimento

    “A censura voltou. Este GGN teve 11 matérias censuradas, e o Brasil não pode saber que uma carteira de crédito de R$ 3 bi foi vendida R$300 mi ao banco BTG, que é ou foi ligado ao ministro Guedes. Cadê o MPF fiscal da lei?”
    É mesmo revoltante saber que no MPF, denominado fiscal da lei:

    -…”barnabés fedelhos de seus quadros, cometeram atos de improbidade no decorrer da Farsa Jato, em Curitiba.”

    -…” Destrói reputação, toma partido onde não deveria, virou partidário, influenciou no processo eleitoral, ajudou no caos”. etc etc etc

    Tudo isso , evidenciando-se através da FARSA A JATO e, sob a direção do “PALHAÇO” protagonista , o EX JUIZECO LADRÃO, HERÓI ZÉ ROELA DA GLOBO + o apoio da Globo/EUA…

    Até o próximo…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome