Reconstrução do futuro do país deve ser obra coletiva, por Marcio Pochmann

Foto: José Cruz/ Agência Brasil

da Rede Brasil Atual

Reconstrução do futuro do país deve ser obra coletiva

por Marcio Pochmann

Partidarização do Judiciário, favorecimento do interesse privado, e descrédito do sistema político trazem ao centro da agenda progressista o debate sobre a união de forças em torno de um objetivo maior

São Paulo – Decorrido mais de dois anos da pior recessão econômica, aprofundada por inegáveis evidências de partidarização do poder jurídico e de descrédito do sistema político, a tarefa da reconstrução da nação voltou ao centro de uma agenda comprometida com o futuro do Brasil. Tendo por pressuposto que o futuro se constrói a partir do presente e por ser obra de natureza coletiva, superior ao âmbito das iniciativas de interesse privado, sejam individuais, sejam corporativas, o foco passa a ser a reconstrução pela via política.

Para tanto, a vida pública nacional deveria deixar de ser, cada vez mais, mera expressão do poder econômico enquanto decorrência do desmanche da estrutura produtiva herdada desde a segunda metade do século passado. Por conta disso, antigos atores políticos associados ao ciclo da industrialização nacional, como a burguesia e o proletariado da manufatura e, ainda, a classe média assalariada, encontram-se substituídos pela emergência de novas forças sociais descomprometidas das formas tradicionais de fazer a política representativa.    

Trava-se, nesse sentido, uma “batalha” entre a velha e a nova estrutura da sociedade que resulta das profundas transformações na infraestrutura do sistema produtivo, cujos efeitos mais significativos podem ser identificados na superestrutura representada por suas instituições e regras. Isto é, partidos, sindicatos, associações, religião, regras de convivência, entre outras instituições desconectadas do sentido de nação.

Guardada a devida proporção, o ciclo político da Nova República (1985-2016) encerrado por um trágico golpe político, encaixa-se mais à experiência da República Velha, quando o país viveu uma tardia transição da longeva sociedade agrária escravista para o novo modo de produção capitalista. Naquela época, especialmente entre as décadas de 1890 e 1920, a vida pública se complexificou substancialmente com o surgimento de novas forças sociais, apesar da política da República Velha ter sido conduzida por atores que buscavam se metamorfosearem de antiquados senhores de escravos em modernos capitalistas. Não deu muito certo, com governos destoantes do sentido de nação apontado por novas forças sociais identificadas com os anseios da sociedade urbana e industrial, não mais agrária.

Leia também:  A posição de Trump diante do complexo industrial-militar, por Rogério Mattos

Por conta disso que os governos do ciclo da Nova República, inspirado pela herança dos atores da sociedade urbana e industrial, podem ter representado crescente dissintonia com as novas forças sociais que emergem da passagem para a sociedade de serviços. Atualmente, o curso da substituição das antigas cidades agrárias e industriais pelas de serviços traz consigo uma nova leva de forças sociais que seguem ainda desorganizadas frente ao desamparo das instituições tradicionais.

Incrivelmente, as igrejas, sobretudo as neopentecostais, e o crime organizado, parecem mais conectados aos anseios oriundos das novas forças da sociedade de serviços em transformação. Ao mesmo tempo se entrelaçam às instituições existentes da velha sociedade industrial, cada vez mais presentes nos atuais sistemas públicos de segurança, judicial, legislativo e executivo.

O resultado tem sido o aprisionamento da vida pública ao rebaixado princípio da economia para a organização da sociedade. Com isso, a valorização fundamental passa a ser o imediato que emana dos anseios de mundo do dinheiro, especialmente aquele improdutivamente gerado pela desmaterialização das relações de produção.   

A reconstrução da política tem por desafio, a remodelização de sua superestrutura ancorada na estrutura da sociedade que emerge das modificações profundas do sistema produtivo nacional e suas interlocuções com o mundo. Mas para isso, o presente da economia impõe base de geração da riqueza que seja incapaz de abandonar a atualização da infraestrutura da manufatura.

A incorporação na política das novas forças sociais recoloca parâmetros superiores de organização da vida pública. A convergência entre o velho que resiste e o novo que emerge sem dominância na passagem para a sociedade de serviços recoloca papel chave à reconstrução da nação pela via política em novas bases. 

*Professor do Instituto de Economia e pesquisador do Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho, ambos da Universidade Estadual de Campinas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. Encruzilhada

    Estamos numa encruzilhada. Se os governos anteriores erraram se esquecendo dos mais pobres, os últimos se lembraram mais dos amigos e compadres. Enquanto não se acabarem todos os privilégios em todos os cantões do país, não poderemos avançar com peso morto, que são os que não gozam desses privilégios. Não adianta excluir as elites, as minorias, os evangélicos, os caretas, os fundamentalistas, os intelectuais, os artistas, os analfabetos, os políticos, os militares, os sindicalistas, etc. Ou vamos todos ao século XXI, ou não haverá reconstrução. Os semeadores do ódio é que tem de ser excluídos.

  2. Reconstrução do futuro?

    Não tem como o Brasil pensar um futuro do jeito que está organizado.

    Primeira coisa é dividir o país, o Brasil é grande demais para um pensamento futurista organizado.

  3. Brasil o gigante sob ataque

    Hoje somos um país literalmente em guerra. Guerra mesmo. Guerra contra o tráfico. no trânsito, nas favelas, nas ruas, no campo, nos presídios. Pensa que acabou? Não, absolutamente. Hoje vivemos uma guerra também contra nações poderosas do mundo que tentam se apoderar das nossas riquezas utilizando-se para isso de armas muito mais poderosas tais como o poder econômico. Esta última por ser mais virtual, do que real é vista pela sociedade com menos letal, porém os seus efeitos são muito piores para o país. O triste de tudo é que mesmo sob forte ataque predatório, aqueles que deveriam nos proteger, alertar o povo, tomar as providências cabíveis, se omitem, fazem que está tudo na normalidade e o mais trágico, como traídores, escancaram as portas para o saque. Quando vamos acordar? Quando nada mais restar?

  4. Comentário.

    De fato. As igrejas neopentecostais dão aquela sustentação moral e de justificação individual e, ao mesmo tempo, dão a sensação de comunidade.

    Só que este espaço foi construído também pelo finado João Paulo II, que fazia de conta sobre a situação da América Latina. Em particular no Brasil, que tinha uma boa parte de sua igreja leiga, ecumênica e afinada com a situação das pessoas pobres. 

    Em termos de América Latina, talvez o vovô Karol preferisse o Jimmy Swaggart ao Jon Sobrino. 

    Valeu, Karol, apodreça no inferno (opinião minha, pode cortar se quiser, senhor moderador, grato). 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome