O que Nicolae Ceauşescu não conseguiu ensinar a Jair Bolsonaro?

    Num artigo curso e histórico, Luis Nassif explicou como e porque a Lei do Teto de Gastos contribuiu para construir o buraco em que estamos sendo enterrados:

    “A cada queda, como existe uma Lei do Teto, mais contingenciamento orçamentário, induzindo a mais queda e mais contingenciamento.”
    https://jornalggn.com.br/coluna-economica/os-genios-que-entraram-na-garrafa-e-toparam-com-a-lei-do-teto-por-luis-nassif/

    Essa análise não merece nenhum reparo. Mas creio que ela pode ser expandida, pois Nassif esqueceu algo importante.

    Após derrubar Dilma Rousseff, o usurpador Michel Temer fez duas coisas:

    1) pagou a dívida contraída no STF aumentando os salários dos juízes.
    2) pagou a dívida contraída com a imprensa aumentando os gastos com publicidade.

    Bolsonaro manteve os gastos com publicidade e começou a aumentá-los assim que percebeu que não conseguiria facilmente aprovar seu pacote de maldades contra os pobres. Portanto, podemos dizer que estamos vivendo numa espiral dupla extremamente destrutiva.

    Assim como a realidade econômica impõe mais queda e mais contingenciamento orçamentário (em virtude da aplicação da Lei do Teto de Gastos), o aumento da temperatura social decorrente da destruição programática dos sistemas de saúde e de educação obriga o governo a elevar as despesas com publicidade para tentar salvar a reforma da previdência (cuja aprovação seria indispensável para a retomada econômica).

    A expansão do abismo entre realidade e aparência, entretanto, é extremamente perigoso e prejudicial para qualquer regime político. Foi assim que a Romênia explodiu na cara de Nicolae Ceauşescu. É assim que o Brasil já começou a explodir no colo do clã Bolsonaro.

    Leia também:  Um Tarantino atarantado