Países que discriminam por gênero registram mais mortes de meninas em idade precoce

Foto: EBC
 
Por Valentina Gallo
 
 
O número de crianças que morrem antes dos cinco anos é alarmante. Enquanto a taxa de mortalidade infantil varia em todo o mundo, 5,9 milhões de crianças nessa faixa etária morreram em 2015. Mais da metade dessas mortes precoces foram devidas a doenças evitáveis ​​e doenças que poderiam ser tratadas, como diarréia e desnutrição. Isso significa que as mortes são causadas pela desigualdade socioeconômica e, consequentemente, pela dificuldade de acesso a assistência médica acessível.
 
Em um novo estudo , analisamos dados de 194 países e concluímos que a taxa de desigualdade de gênero de um país está relacionada a um número maior de mortalidade infantil, no qual as meninas são muito mais afetadas, especialmente em países com nível de renda médio-baixo.
 
No nível global, as crianças correm um risco maior de morrer antes dos cinco anos de idade se forem nascidas em áreas rurais, se forem de famílias pobres e se a mãe não tiver acesso à educação básica. O gênero tem um impacto maior no acesso ao empoderamento social , o que, por sua vez, interfere nos processos de tomada de decisão e na distribuição de recursos nos domicílios. Em alguns países, as vidas de mulheres e homens não têm o mesmo valor.
 
Para cada 107 crianças que vêm ao mundo, nascem 100 meninas. Os homens experimentam maior mortalidade na primeira infância, um achado que tem sido relacionado a uma maior predisposição biológica em crianças a sofrer de doenças. Por exemplo, meninas são menos propensas a sofrer de doenças perinatais, anomalias congênitas e doenças infecciosas.
 
Em 2015, uma média de 120 crianças menores de cinco anos morreram por cada 100 meninas. A mortalidade infantil naquele ano antes dessa idade foi maior em crianças em todos os países do mundo, exceto para Tonga e Índia, onde 81 morreram e 94 meninos para cada 100 meninas, respectivamente.
 
A maior mortalidade em crianças menores de cinco anos em comparação com as meninas foi registrada na Mongólia (148 meninos por 100 meninas), Turquemenistão (144) e Vietnã (140). Verificou-se que o número de mortes de homens em comparação com o das mulheres foi maior em países com renda alta e média-alta, embora não houvesse padrão comum a todos. O mapa abaixo divide os países em quatro grupos de acordo com a taxa de mortalidade por sexo antes de cinco anos. O verde mais claro indica os países em que morreram 117 crianças ou menos por cada 100 meninas, enquanto o verde escuro mostra os países em que morreram 124 crianças ou mais por 100 meninas.
 
A taxa de mortalidade por sexo em menores de cinco anos para cada 1.000 nascimentos, desenvolvida a partir de dados do UNICEF para 2015.
 

 

Localizando a desigualdade de gênero
 

Leia também:  Programa on-line para mulheres ensina o passo a passo para estruturar uma empresa

Nosso estudo comparou dados de mortalidade em crianças menores de cinco anos com um índice global de desigualdade de gênero publicado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. O Índice de Desigualdade de Gênero mede essas diferenças examinando três características do desenvolvimento humano: saúde reprodutiva, empoderamento e situação econômica. O índice reflete o custo de desenvolvimento na desigualdade de gênero, que tem sido associado com maior mortalidade infantil. Isso pode ter sua explicação se nos voltarmos para fatores culturais, sociais e econômicos, como a riqueza de um país e o acesso a cuidados médicos.

No gráfico abaixo, apresentamos a taxa de mortalidade em crianças (pontos verdes) e em meninas (pontos azuis) menores de cinco anos, comparada ao Índice de Desigualdade de Gênero. Ele mostra como, em geral, a mortalidade aumenta nos países onde a desigualdade de gênero é maior, como o Iêmen e Tonga, localizados no lado direito do gráfico. No entanto, entendemos que alguns países têm maiores diferenças entre a mortalidade de meninos e meninas em comparação com outros.

A relação entre o índice de desigualdade de gênero no eixo X, ea taxa de mortalidade masculina (verde) e feminino (azul) entre as crianças menores de cinco anos no eixo Y, por países de todo o mundo.

 

Meninas estão em maior risco

Nossa análise também mostra que a desigualdade de gênero de um país está relacionada às taxas desproporcionais de mortalidade de meninas com menos de cinco anos, comparadas com as dos meninos. Ou seja, quanto maior o Índice de Desigualdade de Género, menor a mortalidade por sexo em crianças menores de cinco anos, o que significa que menos crianças morrem do que as raparigas.

No gráfico inferior, o eixo horizontal representa a desigualdade do género (com países mais iguais do lado esquerdo) e o eixo vertical mostra a comparação da taxa de mortalidade de crianças com menos de cinco (onde 1,2 é a média: 120 mortes de crianças por 100 de meninas). Cada ponto representa um país, o que mostra que em países com um nível de renda média e baixa (nuvem de pontos verde claro e azul claro), desigual maior sexo está associado com menor mortalidade em crianças por 100 garotas.

Leia também:  Gramática da manipulação: o jornalismo que esconde a motivação de atos contra o Carrefour

A relação entre o Índice de Desigualdade de Género, no eixo X, e a taxa de mortalidade masculina e feminina em crianças menores de cinco anos, no eixo Y, por países de todo o mundo. 

Dadas as características específicas do desenho do nosso estudo, não pudemos afirmar que as mortes de meninas com menos de cinco anos são o resultado da desigualdade de gênero em cada país. Pode haver fatores adicionais que influenciam o relacionamento que estabelecemos.

No entanto, a desigualdade de gênero pode aumentar a probabilidade de sobrevivência das crianças além de cinco anos, em comparação com uma menina. Isto é devido ao impacto da desigualdade sobre as mães. desnutrição materna, exposição à violência e à dificuldade de acesso à educação pode tornar as crianças têm pior saúde, o que poderia ser causada pelo aumento da suscetibilidade a doenças infecciosas, tais como infecções das vias aéreas ou complicações no parto e acesso limitado à medicina preventiva.

A fim de reduzir a mortalidade infantil em geral, as políticas devem colocar o foco além do desenvolvimento econômico para reduzir a desigualdade de gênero por meio de uma série de pontos, incluindo assistência médica, educação, higiene. trabalho e empoderamento político. Até que essas questões sejam abordadas, os efeitos prejudiciais da desigualdade de gênero entre as gerações não serão reduzidos, levando à alta mortalidade de crianças e, especialmente, de meninas.

Valentina Gallo é professora Sênior em Epidemiologia da Queen Mary University of London.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Dados nao podem ser verdadeiros

    100 meninas em cada 107 crianças? Óbvio que isso é impossível, mesmo sendo verdade que sobrevivem mais meninas no nascimento do que meninos. E como maior mortalidade de crianças comparada à mortalidade de meninas? Meninas nao estao incluídas em crianças? Quem traduziu essa joça?

  2. Números ???

    Números completamente incompreensíveis, alguém pode explicar ou corrigir isso aí ?

    Diminui a credibilidade da blog todo esse tipo de falha.

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome