A ciência brasileira

Por paulo frança

Ontem eu disse aqui que o Brasil atual figura sempre entre os três ou os cinco únicos em atividades científicas, tecnológicas e sociais de ponta, e a matéria de hoje do Estado repete o que afirmei. Basta perceber na leitura a colocação do país nesses assuntos. Mas aí, alguém sempre fala que a violência aqui é grande, sem condiderar que, no nosso caso, é conjuntural, enquanto que nos demais países violentos é estrutural. Ou seja: podemos diminuir bastante a violência com aplicações políticas, enquanto nos demais a situação é praticamente insolúvel, por ser histórica, vir das colonizações, do espoliamento sobre os mais fracos, do abandono posterior, do fechar-se em si mesmo para crescer e enriquecer sem dar a mão ao vizinho pobre.

E, no caso do Rio de Janeiro, quebra-se mais um preconceito, por sempre se dizer que o Rio não produz cientistas de alta qualidade. É porque não conhecem a fundo instituições como a UFRJ, a UFF, o Oswaldo Cruz e outros. Alguns desses, inclusive, são os únicos na AL a ter determinado curso ou pesquisa em andamento.

Ponto para o Rio!

Comentário

Anos atrás li um estudo comparativo entre Estados Unidos, China e Brasil. Havia uma linha sobre ciência e tecnologia americana – lá no alto. Depois, a da China, com alguns pontos muito altos e outros quase inexistentes. Depois, o Brasil, praticamente acompanhando toda a linha dos EUA, isto é, todos os ramos do conhecimento, obviamente em um patamar inferior.

39 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

luiz botelho

- 2009-03-15 20:24:08

Prezado Nassif e
Prezado Nassif e comentaristas Em relação ao grave problema da Ciência e Tecnologia Brasileiras serem "co-autoras" em grande parte das pesquisas científicas e tecnológicas avançadas , e corroborando tal assertiva ,observo-lhes que para a descoberta do petroleo na camada abaixo do pré-sal ,a Petrobras teve que arrendar duas sondas : A Ocean Clipper (feita em Kobe pela Mitsubishi ) e pertencente a Diamond Offshore e a segunda , A Paul Wolff, construida em Mississipi pela Ingalls e pertencente à Noble Corporation.O tratamento dos dados Geofísicos foram realizados pela Halliburton,Schlumberger,Subsea 7, Aker Solutions-todas empresas "genuinamente brasileiras" (?). (Mainardi Diogo, Revista Veja-" A Inteligência Brasileira",edição 2103/11/03/2009.)A propósito, o Presidente daSilva inaugurará o Poço de Tupi -no pré-sal-; agora em primeiro de Maio. Entretanto deverá ir de Helicoptéro porque a nau-capitânea da MGB-o porta-aviões São-Paulo ("ex-sucata" da Marinha Francesa ) está parado (com pane).Pelo menos os famosos" Complexos Aéreos-Táticos" da FAB (vulgo Bases Aéreas ) não quebram!.Agora voçes podem avaliar a grande quantidade de dinheiro público Brasileiro envolvido nestes "feitos " da Inteligência Brasileira e a guerra de Bastidores subjacentes e as suas terríveis conseqûencias políticas ,conforme exposto nos meus comentários acima.

luiz botelho

- 2009-03-14 15:01:41

Prezado Nassif e
Prezado Nassif e comentaristas Infelizmente a ideologificação de má-fé na Ciencia nos últimos 25 anos (depois da queda do muro de Berlim ) tem levado ao que eu chamo de modelos matematicos patológicos (cheios de rigor técnico ,mas totalmente irrelevantes-"Teomatematicológicos" :Teorias de Física em muitas dimensões , Teoremas Matemáticos Complexos e corretos , mas totalmente estèreis para o desenvolvimento da Matemática (Teoremas estes pertencendo a Matemática do fulano ou sicrano,etc...) e régiamente recompensados pelo erário público.Adiciono este fenômeno na Ciencia da Economia:Em 1609, Galileu Galilei, (1564-1642) depois de ter aperfeiçoado um instrumento construído um pouco antes por óticos holandeses, produziu uma luneta que chamou de “Perspicillum”. Com ela deu origem a uma revolução na astronomia. Por isso, a União Astronômica Internacional e a Unesco elegeram 2009 como o Ano Internacional da Astronomia. Qual é a profunda importância de Galileu? A resposta é simples, como nos informa o ilustre prof. Antonio Augusto Passos Videira (revista “Ciência Hoje”, jan./fev. 2009: 18): “Suas descobertas contribuíram para minar a primazia da concepção aristotélica do cosmo, baseada na beleza dos corpos celestes e na imutabilidade dos céus. Em longo prazo, suas ideias - sustentadas pela matemática, por medidas e por uma retórica afiada - ergueram uma visão do mundo na qual se buscavam leis para os fenômenos naturais”. Mas qual a importância disso agora, há de perguntar-se, irritado, um daqueles economistas que se pensa portador da “verdadeira” ciência econômica? Eu também uso a matemática! A pequena diferença é que o seu “tipo” de conhecimento tem muito mais a ver com Aristóteles esteticamente matematizado do que com Galileu. Em lugar de tentar entender como funciona o sistema econômico, tenta ensiná-lo como deveria funcionar em resposta à beleza dos seus axiomas… Essa é uma crítica antiga, mas que a corrente majoritária dos economistas (que à falta de nome melhor chama-se a si mesma de neoclássica) recusava-se a considerar diante do aparente sucesso da sua teoria na “explicação” do mundo dos últimos 25 anos. A cavalar crise financeira (em parte produzida pelos equívocos propagados pela própria “teoria”) desconstruiu essa ilusão. Um grupo de oito importantes economistas (todos um pouco mais ou um pouco menos críticos, mas sem dúvida, competentes membros do “mainstream” e senhores da mais sofisticada matemática e econometria) acabam de publicar um trabalho, “A Crise Financeira e o Fracasso Sistêmico da Economia Acadêmica”. É um verdadeiro réquiem de corpo presente para a economia pré-galileliana, que foi dominante na última geração. A síntese do artigo (em tradução livre) é a seguinte: “A profissão dos economistas parece ter ignorado a longa construção que terminou nesta crise financeira internacional e ter significativamente subestimado as suas dimensões quando ela começou a manifestar-se. Na nossa opinião, essa falta de entendimento foi devida à má alocação dos recursos de pesquisa na economia. Fixamos as raízes profundas desse fracasso na insistência da profissão em produzir modelos que - por construção - ignoram elementos fundamentais que controlam os resultados no mundo dos mercados reais. A profissão falhou, lamentavelmente, na comunicação ao público das limitações e fraquezas e, mesmo, dos perigos que caracterizam os modelos de sua preferência. Esse estado de coisas deixa claro a necessidade de uma fundamental reorientação das pesquisas que devem ser feitas pelos economistas e, também, do estabelecimento de um código de comportamento ético, que exija deles o conhecimento e a comunicação (para o público) das limitações e dos maus usos potenciais possíveis de seus modelos”. O final do trabalho é ainda mais preocupante: “Acreditamos que a teoria econômica caiu numa armadilha de um equilíbrio subótimo, no qual o grosso do esforço de pesquisa não foi dirigido para as mais angustiantes necessidades das sociedade. Paradoxalmente, um efeito retroativo, que se autorreforça dentro da profissão, levou à dominância de um paradigma que tem base metodológica pouco sólida e cuja performance empírica é, para dizer o menos, apenas modesta. Pondo de lado os mais prementes problemas da moderna economia e fracassando na comunicação das limitações e das hipóteses contidas nos seus modelos mais populares, a profissão dos economistas tem certa responsabilidade na produção da crise atual. Ela falhou na sua relação com a sociedade. Não produziu tanto conhecimento quanto seria possível sobre o comportamento da economia e não a alertou dos riscos implícitos nas inovações que criava. Além do mais, relutou em enfatizar as limitações da sua análise. Acreditamos que o seu fracasso em sequer antecipar os problemas gerados pela crise do sistema financeiro e a sua incapacidade de prover qualquer sinal antecipado dos eventos que iriam se passar exigem uma reorientação fundamental dessas áreas e uma reconsideração de suas premissas básicas”.

luiz botelho

- 2009-02-27 03:39:31

Prezado Nassif. Aqui vai uma
Prezado Nassif. Aqui vai uma 'Tradução": "Sucessos Academicos Mérito intelectual baseado em políticas com o único objetivo de alcançar metas estatísticas e assim não ter dificuldades em obter financiamento público , sempre produz com rapidez, distorções irreparáveis e profundas em qualquer programa acadêmico sério.Infelizmente , uma vez que a mediocridade acadêmica tenha prevalecido, faz-se necessário trabalho duro e esperar um longo tempo até que todo este esforço de recuperação de mérito começe a germinar. Por séculos , tem sido uma atitude sábia considerar que o progresso intelectual provém unicamente do trabalho acadêmico sério e do total (DEDICAÇÃO EXCLUSIVA !) envolvimento ao trabalho de pesquisa e atividades acadêmicas , sem se preocupar em tornar os resultados das pesquisas "medalha de ouro" ( prata e bronze também tem o seu valor!).Em face de tais argumentos , torna-se óbvio que simples reformas administrativas ( incluindo trazer pesquisadores estrangeiros-Visitantes com o único intuito de melhorar estatísticas de publicações em revistas da moda!) nunca serão suficientes por si mesmo para trazer real reconhecimento científico duradouro e impessoal, desde que é uma verdade basilar que excelência acadêmica nunca aparece repentinamente como a Deusa Atenas , a qual nasceu diretamente da cabeça de Zeus já crescida , totalmente armada e totalmente sábia".A propósito acho tambèm importante observar que as atividades científicas e tecnológicas no âmbito internacional são suscetíveis dos seguintes comentários: É curiosa a insistência de alguns comentaristas em perceber processos conspiratórios em muitos eventos políticos .Infelizmente estes processos de espionagem,conspiração e ações ilícitas de grupos políticos e não-políticos, institucionais e não-institucionais são poucos conhecidos dos cidadãos comuns, porque quase todos eles são de viés ilícitos e criminosos -muitas das vezes classificados como Segredo de Estado! . Não é sem propósito que grande parte do atrativo dos cargos públicos eletivos é aquele relacionado a “zona cinzenta ” da utilização “corrupta” e portanto criminosa das verbas públicas . Nos USA ,é de se espantar o desnível salarial existente entre o salário do Mr Presidente e qualquer Boss de Multinacional ! -é óbvio que existem ganhos gigantescos indiretos para os tomadores oficiais das decisões administrativas com o manuseio do dinheiro público.Deste modo , todo um “ecossistema” de atividades de “inteligência” (espionagem, sabotagem e conspiração )instaura-se cancerosamente nas Instituições de Governo de todos os naipes e esferas governamentais e também Privadas (incluindo veículos da Mídia!) . No Brasil , é um fato de que todo investimento estrangeiro , fora do “Mercado Financeiro”, é na maioria das vezes ,com o próprio capital subsidiado do Tesouro Público Brasileiro, através do BNDES ´por exemplo , e com juros abaixo de 6% ao ano ! .Como você pode constatar, toda uma gama de guerras de caráter “mafioso” são as verdadeiras regentes da concretização dos atos políticos e administrativos de muitas ações governamentais nos Presidencias de Países Republicanos Constitucionalistas .E pessoas sofrem isqêmias e infartos, e muitas das vezes morrem por ação criminosa de tais “turmas” (lembre-se do antigo SNI!).É a minha opinião que devido a grande complexidade de análise e tomada de decisões dos Titulares dos Cargos de Liderança Governamentais, os quais muitas das vezes carecem de real carisma de liderança, )lembre-se do Bush filho!) l são simplesmente tutelados por estes grupos ( em relação ao Brasil,lembro-me-através de declarações na Mídia, de um Agente Secreto que vangloriava-se de estar “grudado em seu cargo , ou de outros agentes que tutelam os Presidentes através do seu conhecimento institucional dos Gastos e Vida Pessoal da família Presidencial , ou o tristemente famoso Dossiê Cayman.É uma lista interminavel. E só para finalizar , aqueles comentaristas que gostam de fazer especulações sobre o bastidores do Poder , sugestiono a leitura do livro :”Executive Orders ” por Tom Clancy,New York best Seller, onde toda uma instigante estória ficcional (editada em 1996,portanto bem antes de 2001! ) de um atentado terrorista com aviões comerciais se chocando com a Casa Branca é apresentada!. Mas nem tudo está “conspirado” , já que espera-se que a funçâo da Imprensa Séria é vigiar -sempre através da legalidade- a ação destas “turmas” e o seus atos terroristas de “Big Brother”.

luiz botelho

- 2009-02-26 22:40:18

Prezado Nassif e
Prezado Nassif e comentaristas Tomo a liberdade de citar-lhe uns dos meus "pensamentos' ,retirado de um dos meus livros e que parace extremamente apropriado para as discussões acima : Intellectual Accomplishments Intellectual merit based in “Political Needs” to fulfill statistics and get easily public funding, always produces short time unreparable deep distortions in any serious Advanced Academic Program. Unfortunately, once academic mediocrity takes over, the only way to recover the true merit academic path again is to work harder and expect to see another time (after a long period !) the seeds germinates. For centuries, since the appearance of those firsties Universities in Medieval Europe, that It always has been a wise rule that intellectual progress comes only from academic work seriousness and strong committement for soundness in research, regardless the Journal’s statistics ranking where it has been published . It is clear now that no way administrative reforms (including the borrow of academic merit from others through co-authorships!) will be ever sufficient by themselves to bring academic soundness and peer’s recognizing, since it is trivial ( in the mathematical jargon!) that academic excellence never suddenly appears, like Pallas Athena’s from Zeus head : fully grown, fully armed, full of academic excellence! Luiz C L Botelho –Theoretical Quantum Physicst Full Professor of Mathematics Luiz, não poderia nos passar em português para que todos pudessem aproveitar?

luiz botelho

- 2009-02-26 01:50:31

Caro Nassif Uma informação
Caro Nassif Uma informação adicional a esta importante discussão sobre valorização científica é aquela relacinada aos indíces de citação de artigos .Você sabe muito bem que o índice de citações dos autores revela realmente se uma dada pesquisa originou outras , independente do errôneo índice de citações dos Jornais científicos .Porexemplo :a maioria ( cerca de 80%) dos artigos publicados nas assim chamadas "revistas de alta impactação" possuem o mesmo índice de citação de artigos publicados em revistas "de menor visibilidade", a saber 0 (zero!) - É só ir no Web of Sciences , e fazer as devidas comparações .O que realmente existe em relação aos Jornais cientìficos é uma suposta (errônea!) quantificação de prestìgios dos mesmos e baseada em uma contagem geral de índices dos autores que publicaram artigos naquele Jornal -incluindo as citações nas revistas de menor visibilidade .Resumindo : é impossìvel avaliar currìculos cientìficos sem uma cuidadosa anàlise individual .: o resto é "manipulação" .

luiz botelho

- 2009-02-25 22:22:06

Caro Nassif , Maria Isabel
Caro Nassif , Maria Isabel ,Warody e demais comentaristas .Somente hoje (25/02/2008) tomei conhecimento de suas observações. Em primeiro lugar, agradeço as informações .Em relação a Maria Isabel, é óbvio que precisa-se de se ter um ambiente adequado para o florescimento de talentos científicos e tecnológicos nas Universidades e Institutos de Pesquisa. Mas note que a existência de um ambiente sadio é OBRIGAÇÃO CONSTITUCIONAL, e não uma benesse de forte viès político de administradores PÚBLICOS para com os cientistas produtivos.Quanto ao Warody , infelizmente a visão desastrosa e neo-capitalista de que a pesquisa científica teórica é também um simples processo comercial -Produtos, leva a uma intensa propaganda das atividades acadêmicas teoricas e que muitas das vezes não correspondem a realidade .Cito-lhe um exemplo de um engenheiro nuclear brasileiro ,durante as construções das usinas nucleares de Angra , detalhava ao seu ex orientador acadêmico americano visitante todo os processosindustriais (incluindo aqueles supostamente segredos industriais ). Ao ser-lhe chamada a atenção , cândidamente respondeu que tudo que ele sabia era do conhecimento mais avançado do ex-orientador! .Entretanto concordo que as industrias brasileiras ainda são muitos relutantes em chamar cientistas e engenheiros para contribuir com as suas competencias técnicas no pleno desenvolvimento (incluindo o sucesso!) dos projetos científicos-industriais avançados de um modo independente

Maria Isabel

- 2009-01-27 13:03:41

Prof. Luiz Botelho, Concordo
Prof. Luiz Botelho, Concordo que o talento é primordial mas um ambiente propício ao talento é fundamental. Não só as mentes brilhantes, a ciência que desenvolvem sofre a estrutura dos Centro de Pesquisa também. Se o menino ou menina Mente Brilhante chega em determinado centro e diz querer desenvolver tal pesquisa e ele ouve, olha é por sua conta e risco e ainda recebe o seguinte conselho nem comenta pelos corredores... O que ela ou ele faz: a) desiste e volta para casa b) enqudra seu projeto e o submete c) reformula seu projeto e toca o barco esperando um dia ser reconhecido d) Submete sua pesquisa e estratégicamente vai estudar fora para complementar com o que aqui não existe e não volta. e) nenhuma das respostas acima.

Brazuca

- 2009-01-26 14:08:10

So para provocar o legal, O
So para provocar o legal, O Estado do Amazonas vem aplicando desde de 2003, através da Fapeam (Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado do Amazonas) o valor de 1% do Orcamento Estadual. Eu sei é pouco e estamos atrasados em relação ao centro-sul do país, mas esta sendo feito. http://www.fapeam.am.gov.br Sobre Investimentos atuais: http://www.fapeam.am.gov.br/noticias/noticia_3560.html

Warody

- 2009-01-26 09:00:45

Caro luiz c.l. botelho Não
Caro luiz c.l. botelho Não tenho certeza se o LNCC faz pesquisas na area de controle de sistemas dinâmicos, mas posso citar, por exemplo, a UFSC, UNICAMP, USP, UFRGS, entre outras. Existem muitos professores e excelentes trabalhos, tanto para sistemas lineares quanto para não-lineares, controle robusto, processos estocasticos, robotica, etc.

Prof. João Batista do Nascimento

- 2009-01-26 04:14:12

Caro Nassif e todos O que
Caro Nassif e todos O que vou relatar já enviei para Diretor e docentes do IMPA, MEC, MCT, SBPC, ABC, SBM, etc. Entretanto, não tenho notícia que algum tenha achado haver qualquer gravidade, espero que alguém perceba e vale como mais uma alerta. O caso é o seguinte: no relatório do IMPA, www.impa.br/opencms/pt/downloads/gestao_2005.pdf, no item Receitas/Despesas (IMPA - 2005), aparecem na Atividade Fim os gastos: Pessoal – R$ 431.886,53, pessoal sem vínculo - R$ 4.963,60. Já na atividade secundária, OBMEP(Olimpíada Brasileira das Escolas Públicas) esses são: Pessoal – R$ 481.539,63, pessoal sem vínculo - R$ 1.469.506,28 Não precisa ser nenhum expert em gestão para saber que quando atividade até de intermediária para baixo envolve dispêndio salarial, porquanto possibilita maiores ganhos, acima da atividade fins, como no caso, estão simplesmente decretando a falência dos meios fins. Isso fica desesperador pelo fato de que no meio fins do IMPA, pesquisa, desconheço haver qualquer grupo em matemática no Brasil que sequer seja próximo da qualificação do IMPA e compense tais desgastes. Menos ainda, para compensar e mantermos pelo menos o nível atual de pesquisa na área, caso tais distorções desgastem mais o IMPA, além do que já fez. Isso fica mais preocupante ainda, quando a atividade intermediária que desgasta o meio fins não tem qualificação que possa compensar qualquer perda, como o seguinte quesito da OMBEP, acho, prova desta: 10. (N1) Contas do papagaio - Rosa tem um papagaio que faz contas de um modo estranho. Cada vez que Rosa diz dois números ele faz a mesma conta, veja: - Se Rosa diz ¨4 e 2¨ o papagaio responde ¨9¨ - Se Rosa diz ¨5 e 3¨ o papagaio responde ¨12¨ - Se Rosa diz ¨3 e 5¨ o papagaio responde ¨14¨ - Se Rosa diz ¨9 e 7¨ o papagaio responde ¨24¨ - Se Rosa diz ¨0 e 0¨ o papagaio responde ¨1¨ Se Rosa diz ¨1 e 8¨ o que responde o papagaio? www.obmep.org.br/obmepcontent/banco_de_questoes/mainColumnParagraphs/015/document/712nivel3.pdf

Prof. João Batista do Nascimento

- 2009-01-26 01:57:17

E já que Luiz Botelho -
E já que Luiz Botelho - acheiseu comentário própria de quem conhece o tema - citou haver até patologia matemática, eis uma questão da prova dita de matemática que a USP aplicou no pasusp para que aluno da rede pública tivesse uma pontuação extra para ingressar: --------------------- 38. Duas meninas gastam, juntas, 22 reais em uma lanchonete, cabendo, a cada uma delas, pagar 11 reais. No caixa, uma dá 2 notas de 5 reais e uma nota de 2 reais,e outra dá uma nota de 20 reais. O rapaz do caixa, que está com a gaveta vazia, tira do próprio bolso três moedas de 1 real e junto com o dinheiro recebido faz o troco, dando 1 real para a primeira e 9 reais para a segunda. Quando as meninas se afastam, ele pensa: ¨A conta das meninas era 22 reais, mas eu paguei do meu bolso 3 reais. A conta delas ficou em 19 reais. Mas aqui no caixa há 25 reais¨. Ele, então, conclui que 6 reais do caixa são dele e decide tomá-los para si. A decisão do rapaz do caixa está a) certa, pois as meninas pagaram 6 reais a mais. b) certa, pois as meninas pagaram 3 reais a menos. c) certa, pois as meninas pagaram 3 reais a mais. d) errada. Se fizer isso, ficará com 3 reais, indevidamente. e) errada. Se fizer isso, ficará com 6 reais, indevidamente. www.fuvest.br/vest2009/provas/pasusp2008v.pdf -----------------------

luiz c.l. botelho

- 2009-01-26 00:38:04

1. Enviado por: luiz c.l.
1. Enviado por: luiz c.l. botelho -versão revisada Prezado Julio Não leve os meus comentários (passíveis de equívoco sim -mas não neste caso! ) sobre a nossa terrível falta de autonomia científica de forma sistematizada, e assim esconder desvios tão desastrosos no fomento da Ciência Nacional como todo. Por exemplo: o Programa do Bio-Diesel foi alardeado como de domínio unicamente Brasileiro!.Ora , até os Cubanos tinham tecnologia para extrair combustível da “titica de galinha!.As células- troncos da Usp são parceria com Laboratórios Americanos!. A tecnologia do Brasília -especialmente na vital parte da aviônica é inteiramente de domínio de patentes estrangeiras!, assim como as turbinas dos mesmos.Voltemos ao IMPA: você sabia que o David Ruelle é um Físico de Campos? (Teoria LSZ).Deixemos de Provincianismo em considerar Áreas Científicas com pseudo hierarquias. Por exemplo, o desenvolvimento da Matemática Aplicada e INDUSTRIAL no Brasil é ainda extremamente reduzido!.Quanto a matemática pura, serei mais forte em meus comentários: Ainda somos extremamente setorializados em sub-sub áreas que muitas das vezes já perderam a sua grande importância no contexto internacional e que melhor deveriam ser estudadas no campo da patologia matemática!.E os seus tão importantes desenvolvimentos no campo aplicado e industrial (teoria de controles de sistemas e processos industriais não-lineares e estocàsticos-Sistemas Dinamicos na Mecatrônica) simplesmente são inexistentes no IMPA e em outros lugares (com provável exceção de alguns pesquisadores no LNCC/MCT) (corriga-me por favor se eu estiver errado!) .O investimento em disciplinas de Matemática Pura em grupos científicos é sempre melhor justificado quando se vê com antecipação, aplicações (até em “modelos Financeiros de derivativos”-sic).Não é inveja não , (já que me considero um matemático puro também) e admiro a estória de sucesso científico do IMPA - especialmente no contexto Sul-Americano. Mas instituições de Ponta só crescem através de talentos, e não através de planejamentos rígidos, como é sugestionado pelo relatório que você apontou. A propósito, do ponto de vista da contribuição para a contagem estatística de produção científica , não é levado em consideração a diferença entre co-autorias e autorias principais, tanto quanto esta desastrosa qualificação “Tupiniquim” de artigos em periódicos INTERNACIONAIS (através da classificação de Qualis), que tanto boçalmente “desqualifica” frente aos órgãos de fomento, pesquisadores produtivos brasileiros.E o grande teste de sucesso da prática científica de um País necessariamente vê-se em suas conquistas tecnológicas avançadas!. Que a USP, IMPA,UFRJ,UFF,etc cumpram com os seus deveres de fomento ao domínio da Ciência e Tecnologia Avançada praticada internacionalmente., como vem fazendo com dificuldades ao longo destes anos

luiz c.l. botelho

- 2009-01-26 00:21:44

Prezado Julio Não leve os
Prezado Julio Não leve os meus comentários (passíveis de eqívocos sim -mas não nste caso! ) sobre a nossa terrível falta de autonomia científica de forma sistematizada, e assim esconder desvíos tão desaatrosos no fomento da Ciência Nacional como todo. Por exemplo: o Programa do Bio-Diesel foi alardeado como de domínio unicamente Brasileiro!.Ora , até os Cubabnos tinham tecnologia para extrair combustível da "titica de galinha!.As células- troncos da Usp são parceria com Laboratórios Americanos!. A tecnologia do Brasilia -especialmente na vital parte da aviônica é inteiramente de dominío de patentes estrangeiras!, assim como as turbinas dos mesmos.Voltemos ao IMPA: você sabia que o David Ruelle é um Físico deCampos? (Teoria LSZ).Deixemos de Provincianismo em considerar Aréas Científicas com pseudo hierarquias. Por exemplo, o desenvolvimento da Matemática Aplicada e INDUSTRIAL no Brasil é ainda extremamente reduzido!.Quanto a matemática pura, serei mais forte em meus comentários: Ainda somos extremamente setorializados em sub-sub areas que muitas das vêzes já perderam a sua grande importancia no contexto internacional e que melhor deveriam ser estudadas no campo da patologia matemática!.E os seus tão importantes desenvolvimentos no campo aplicado e industrial (teoria de controles de sistemas e processos industriais não-lineares e estocàsticos-Sistemas Dinamicos na Mecatrônica) simplesmente são inexistentes no IMPA e em outos lugares (com provável excessâo de algunspesquisadores no LNCC/MCT) (corriga-me por favor se eu estiver errado!) .O investimento em disciplinas de Matemática Pura em grupos cientìficos é sempre melhor justificado quando se ver com antecipação aplicações (até em "modelos Financeiros deDerivativos"-sic).Náo é inveja não , (já que me considero um matemático puro tambèm) e admiro a estória de sucesso científico do IMPA-especialmente no contexto Sul-Americano. Mas instituições de Ponta só crescem através de talentos, e não através de planejamentos rígidos, como é sugestionado pelo relatório que você apontou. A propósito, do ponto de vista da contribuição para a contagem estatística de produção científica , não é levado em consideração a diferença entre co-autorias e autorias principais, tanto quanto esta desastrosa qualificação "Tupiniquim" de artigos em periódicos INTERNACIONAIS, que tanto boçalmente "desqualifica" frente aos orgãos de fomento, pesquisadores produtivos brasileiros.E o grande teste de sucesso da prática científica de um País necessariamente vê-se em suas conquistas tecnológicas avançadas!. Que a USP, IMPA,UFRJ,UFF,etc cumpram com os seus deveres de fomento ao dominio daCiência e Tecnologia Avançada

Gesil Amarante

- 2009-01-25 22:53:44

Primeiro, vamos parar de
Primeiro, vamos parar de ufanismos. A última declaração que li do Ministro Sérgio Rezende era de que o Brasil ocupava a 15a posição em artigos publicados. Como estamos entre as 10 maiores economias e populações do mundo, já estamos atrasados. Segundo, vamos com calma com os bairrismos. A FAPESP é importantíssima como motor da C&T em SP, mas é um dos piores estados em termos de qualidade de ensino público, o que é uma vergonha. Outrso estados têm problemas semelhantes. De uma maneira geral, o baixo nível educacional da maioria absoluta dos brasileiros tem dificultado em muito nosso desenvolvimento em vários aspectos. A vida universitária também sofre com isso. A China investe muitíssimo mais que nós, a Coréia também. Nem vamos falar de países mais desenvolvidos economica e socialmente. Não precisamos nos apequenar. Temos muito potencial. Algumas coisas tem melhorado, mas temos muito chão pela frente para correr. Muito mesmo. Especialmente em termos de liberar os pesquisadores da burocracia e agilizar a realização dos projetos (tem equipamentos chegando 2 depois que o projeto foi escrito. Às vezes já não é maia viável.

Julio

- 2009-01-25 22:50:10

LN, Quero refutar alguns
LN, Quero refutar alguns equívocos mencionados aqui. Pelo menos nas ciêcias exatas e no contexto paulista, a maior parte da produção científica nãp é atrelada à líderes estrangeiros. Evidentemente há colaborações, mas em geral os autores brasileiros tem tanta importância quanto os de fora. é ridículo pensar que sempre somos inferiores aos de fora, como quer um colega comentarista aqui. Qunato ao IMPA, é verdade que a avaliação externa é feita por pessoas que frequentam o instituto. Mas que pessoas! Não há outrs instituição brasileira que possa reunir um time deste porte de pessoas dispostas a colocar o seu nome em um relatório elogioso. Isto em geral gera uma inveja... sobretudo de físicos, pois apesar da física brasileira ser muito mais consolidada nacionalmente que a matemática, não há um "ÏMPA"da física, nem nenhuma instituição de tamanho prestígio.

Marcos Doniseti

- 2009-01-25 22:33:32

E a Embrapa? Até o Colin
E a Embrapa? Até o Colin Powell a elogiou num artigo publicado no New York Times.

Marko

- 2009-01-25 21:52:24

E por falar em violência no
E por falar em violência no Brasil, http://www.youtube.com/watch?v=Po0-rHPP3N8&feature=related

luiz c.l. botelho

- 2009-01-25 21:45:14

Prezado Vitor Araujo Apesar
Prezado Vitor Araujo Apesar de todo o respeito acadêmico ao IMPA e sua importancia única no contexto da matemática do Hemisfério Sul do Planeta (AL,África e Austrália) , observo-lhe que seria certamente mais auspicioso para a solidez do relatório acadêmico apontado por você,se a maioria dos membros estrangeiros (e tambèm nacionais!) avaliadores não tivesem relações profissionais e pessoais de longa data e profundas com a Instituição a ser avaliada.Cito-lhe como exemplo: David Ruelle,Blaine Lawson, Jean-Cristophe Yoccoz- Medalha Field, (com quem o Jacob Pallis e W .de Mello colaboram), etc...Seria interessante que o "PAI CIENTÍFICO" do IMPa, o destacado matemático Stephan Smale tivesse participado de tal relatório!. Note que este matemático americano é bem conhecido nos meios acadêmicos internacionais por sua independência de vínculos políticos-científicos-sentimentais.

Julio

- 2009-01-25 21:25:39

LN, Tenho acompanhado de
LN, Tenho acompanhado de dentro a comunidade científica brasileira desde o início dos anos 80. Uma iniciativa que realmente teve um impacto positivo imenso é o PortaL de Periódicos da CAPES. Para quem não conhece, é um portal que permite o acesso online a revistas científicas ( que normalmente teriam que ser assinadas por cada instituição) a todas as univerisdades públics brasileiras. Você acessa de seu computador, Tudo na ponta dos dedos, Um fato distintivo no Brasil é que o MEC faz a ssinatura para todas as instituições. Não conheço outro lugar do mundo que seja assim. Em geral, mundo afora cada universidade faz as suas assinaturas, em geral de forma a focar nos interesses prioritários. No Brasil, todos temos acesso a tudo. É fantástico. Vários colegas estrangeiros me pedem para obter artigos para eles. Este portal fez mais para a interiorização e desconcentração da ciência brasileira que todos os programas de indução regional juntos. Antes dele, ir para uma universidade emergente era se enterrar em termos de produtividade científica. Você estava literalmente fora do sistema. Agora não, do fundo sertão, da Amazônia, você tem tdoas as revistas, E mais, anteriormente se você tinha interesses interdisciplinares, estava lascado. Um matemátco não tinha acesso a revistas de, digamos, biologia. O biólogo, não tinha como consultar periódicos de engenharia. Etc etc. Agora, todos tem tudo. E o Brasil é uma dos lugare aonde se pode fazer pequisa multidisciplinar por causa disto.

luiz c.l. botelho

- 2009-01-25 21:10:46

Prezado Nassif e
Prezado Nassif e comentaristas Infelizmente não compartilho da opinião sobre a relevância generalizada internacional da Ciência Brasileira. A maioria das pesquisas e publicações são realizadas no sistema de CO-AUTORIA (não autoria principal!) com fortes grupos científicos internacionais que carreiam todo o mérito dos resultados obtidos em "parceria" e com um alto custo para o erário público Brasileiro, em uma simples análise custo/ benefício.È bem sabido que nos meios internacionais , sempre pergunta-se aos cientistas nacionais com quem eles colaboram e não quem são os seus colaboradores!.É claro que existem algumas poucas excessôes -na maioria individuais, bastante conhecidas no cenário internacional por suas contribuições.Este fato é melhor corroborado pela participação minimal dos cientistas nacionais no desenvolvimento dos processos científicos-tecnológicos avançados que exigem um alto grau de autonomia nacional(Aviões, satélites, submarinos, plataforma submarinas, reatores nucleares, Fármacos Avançados, etc...) . Infelizmente ainda somos uma nota de rodapé nas Biografias e Bibliografias das contribuições de relevância internacional para a ciência e tecnologia avançada

Mario Abramo

- 2009-01-25 20:57:04

Caro Jorge, Peço perdão,
Caro Jorge, Peço perdão, essa informação tá defasada mais ou menos de dez anos, quando o Luis Hildebrando voltou da França e trabalhava no Departamento de Parasitologia do Instituto de Ciências Biomédicas da USP, naquele tempo dirigida pelo Erney Camargo. Não sei se a produção científica brasileira fica entre os três primeiros, os cem primeiros, e nem me importa isso. O importante é que a gente tem que se empenhar para essa produção ser "apropriada" pela sociedade, sem imediatismos e "propagandismos".

Jorge

- 2009-01-25 20:01:21

Posto avançado da USP??? De
Posto avançado da USP??? De onde saiu essa? Que eu saiba o Prof. Hildebrando trabalha atualmente na UFRO e no IPEPATRO em Rondônia. Quanto a estar entre os três ou cinco em ciência, menos... menos... sem ufanismo. Eu diria entre os 30 primeiros.. e olhe lá.

Prof. João Batista do Nascimento

- 2009-01-25 20:00:50

Caro Nassif É por isso,
Caro Nassif É por isso, qualidade da ciência brasileira, que fiquei preocupado com o que disse a reitora da USP na entrevista da Renata Cafardo, reportagem - No aniversário, USP se volta para o ensino básico, http://www.estadao.com.br/vidae/not_vid311954,0.htm -, quando falava do Pasusp ( cerca de 50 mil se inscreveram e só 8 mil apareceram para fazer a prova), e, portanto, do educando da rede pública: “Por que eles não vieram? Se inscreveram, têm uma oportunidade real. Não basta olhar apenas o aluno do ensino médio, não vai conseguir incluí-lo. Há uma cultura de autoexclusão.” Ou seja, pelo menos na USP, esse não quer fazer curso superior. Se não quer numa das melhores do país, fica induzido que só quer, se quer, é diploma apenas. Além disso: se esse nem faz questão por isso, quem então são os que estão fazendo movimento como o de cota? Como fica isso quando os educandos de cota não apresentam desempenho acadêmico inferior e, em muitos dos casos, até superior aos demais. E, havendo até teses científicas que justifica ser o educando da rede pública muito mais qualificado para fazer curso superior, como esta ¨Seria possível também fazer uma interpretação antropológica, concluindo que o ambiente da escola pública, mais hostil e adverso, torna o aluno mais determinado a se superar quando chega à universidade¨, de doceente da Unicamp, Renato Pedrosa, : http://www.comunicacao.sp.gov.br/sis/lenoticia.php?id=93613&c=5224

José Antonio Meira da Rocha

- 2009-01-25 20:00:36

Não esqueçam a Embrapa! Ponta
Não esqueçam a Embrapa! Ponta mundial...

Vitor Araujo

- 2009-01-25 19:58:50

Gostaria só de mencionar que
Gostaria só de mencionar que o IMPA (Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada) no Rio de Janeiro, é um dos institutos de pesquisa mais importantes do mundo nesta ciência. Vejam o relatório de avaliação http://www.impa.br/opencms/pt/downloads/avaliacoes_cient_pt.pdf (notem bem os nomes dos autores, tem um Medalha Fields, por exemplo, e tem nomes famosíssimos na Física Teórica/Matemática). Outras publicações publicamente disponíveis e muito informativas sobre as atividades do IMPA são http://www.impa.br/opencms/pt/publicacoes/livro_pesquisa_no_impa/index.html http://www.impa.br/opencms/pt/publicacoes/livro_impa_50_anos/index.html http://www.impa.br/opencms/pt/publicacoes/doutores_pdf/index.html e também, claro, um resumo da sua história: http://www.impa.br/opencms/pt/institucional/historia.html Só pra que este instituto de nível mundial seja menos desconhecido.

Mario Abramo

- 2009-01-25 19:08:33

Caro Paulo França, Ponto
Caro Paulo França, Ponto pro Rio? Com certeza. Mas o ponto é pro Brasil(il-il-il). Não podemos mais ficar nesse bairrismo idiota q puxa os recursos financeiros pra C&T apenas pro eixo Rio-São Paulo. Existe muita coisa rolando. O Luis Hildebrando tem um posto avançado da USP lá em Rondônia. Existe pesquisa séria sendo feita no Raso da Catarina. Com verba da UFBa. Campina Grande é o Silicon Valley do Brasil. Manguinhos é fera, Butantã é fera. IPT já foi um dos maiores centros de pesquisa do Brasil. Tem mais lá fora, vamos criar mais.

Marcos Doniseti

- 2009-01-25 18:14:11

Pelo que me consta, a
Pelo que me consta, a Petrobras e a UFRJ fazem, há muitos anos, um trabalho fantástico para desenvover e aperfeiçoar tecnologias, principalmente as ligadas à extração de petróleo em águas profundas. Sem falar do CTA, sem o qual a Embraer não existiria.

Marko

- 2009-01-25 17:49:54

D novo, aqui tb cada um tem
D novo, aqui tb cada um tem uma definição, se conversar com Israelenses e Palestinos por ex. a maioria vai dizer a mesma coisa à respeito d si : q lá o problema é pontual e d resolução "simples" q, cedo ou tarde virá, ao contrário, na visão deles, do q seria em países como o nosso ou o México ( http://www.infowars.com/?p=7302 )

Jacques Bernardes

- 2009-01-25 17:44:24

A violencia no Brasil eh
A violencia no Brasil eh estrutural sim.

Legal

- 2009-01-25 17:36:13

Certissimo o comentario do
Certissimo o comentario do Danilo sobre a vilencia no Brasil. Ja dizia um amigo meu que nos anos 60, la na Augusta, era muito dificil achar quem ficasse trabalhando por la. O motivo? Os clientes, nao raro, davam tapa na cara dos trabalhadores. Vai dar tapa na cara do pessoal hj em dia, vai. Se a pessoa conhecer o "Sebastiao" ..... E bom o pessoal colocar "as barbas de molho". A violencia teve o lado positivo de civilizar os barbaros da elite ....

Legal

- 2009-01-25 17:30:56

"Nome importante pro
"Nome importante pro surgimento da Fapesp foi o FHC? Cara, onde vc estava na decada de 70?" Eu estava no ventre da minha mamae. Ja que eu nasci APOS a lei da anistia. O que me impossibilita de dizer que fui um "perseguidinho" da ditadura e ganhar uma boa aposentadoria, como fazem alguns politicos que "esquerdistas' que fugiram pra Franca, pros States .... Nos anos 80, eu brincava de "mae da rua", "cabra-cega" e alguns anos depois "medico". Bons tempos aqueles ..... E a informacao de que o FHC foi importante pra Fapesp foi divulgada pela revista da propria instituicao. E a contribuicao dele foi la nos anos 50-60. Ta la na revista (edicao especial dos 50 anos). Participou sim, mas não no primeiro escalão dos fundadores, que inclui Oscar Sala, Paulo Vanzolini, Luiz Hildebrando, do lado de dentro, e Plinio de Arruda Sampaio, junto ao governador Carvalho Pinto.

Vera Borda

- 2009-01-25 17:10:05

O Cebrap foi fundado em 1969
O Cebrap foi fundado em 1969 e a Fapesp é de 1962, depois de décadas de discussões e projetos parlamentares que se iniciaram, se não me engano, em 1949.

Warody

- 2009-01-25 17:02:29

Nassif, realmente é uma ótima
Nassif, realmente é uma ótima notícia para o Brasil em geral. Mas infelizmente a produtividade acadêmica da USP tem caído, como mostra a reportagem da Folha. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff2501200901.htm Os índices de publicação, como forma de mesurar a pesquisa, tem uma realidade cruel no Brasil. Publicar custa caro, e geralmente as instituições (entenda-se agências de fomento, universidades e centros de pesquisa) não querem ficar a cargo disso. Muitas vezes os doutorandos e professores publicam com recursos do próprio bolso. Experiência própria.

Danilo

- 2009-01-25 16:57:48

Só não me fez o menor sentido
Só não me fez o menor sentido a afirmação de que a violência no Brasil é um "fator conjuntural". Ora, a violência contra "os de baixo", como diria Florestan Fernandes (por falar em cientista), própria de TODA a história brasileira, apenas se escancarou na forma da "crise social". Nada mais estrutural da sociedade brasileira do que a violência contra sua própria população.

Guilherme

- 2009-01-25 16:51:20

Bom, mas a china esta
Bom, mas a china esta correndo atras! Esta enviando milhares de estudantes para o exterior, de forma a trazer o conhecimento de ponta nas mais diversas areas. Aqui em Bonn por exemplo, onde curso meu doutorado, a fracao de estudantes brasileiros (em relacao ao total de estudantes estrangeiros) é somente 0.7%. Chineses, sao 10% (mais de 500 estudantes somente aqui em Bonn!!)! E esta fracao tem crescido muito nos ultimos anos. Ja a fracao dos brasileiros, somente diminuido... E este mesmo efeito esta ocorrendo em diversas outras universidades europeias ...

anarquista

- 2009-01-25 16:29:26

este é um post pra ateus.
este é um post pra ateus. Não é possível acender uma vela pra Deus e outra pro diabo. quem acredita em Deus,precisa de ciência? Como agnóstico( uma versão moderada do ateísmo)tenho interesse neste post. E TODOS QUE COMENTAREM TBM. Seguindo: Chegará o dia que a ciência será a grande e fulminante arma contra todos que são enganados por MACEDÃO e seus derivados. A existência de DEUS é uma possibilidade .MAS mesmo ele existindo,não deve estar gostando como o seu '''santo nome em vão'' é pronunciado por esses PICARETAS RELIGIOSOS. No inferno DANTESCO, meu amigo(a),por mais pecado que tenha,não chegarás ao sétimo( o mais cuel). Mas esses vigariistas terão um inferno especial:O OITAVO( que nem DANTI previu) Aqueles estupendo casal de vigaristas que estão presos nos EUA por cometerm a mais sórdida de todas as heresias pra um pastor( guardar dinheiro na bíblia) um conselho: FAÇA UMA BÍBLIA MAIOR PRA CABER MAIS DINHEIRO

Cascudo

- 2009-01-25 16:27:57

Nome importante pro
Nome importante pro surgimento da Fapesp foi o FHC? Cara, onde vc estava na decada de 70?

Kruel

- 2009-01-25 16:12:57

Falo por experiencia propria.
Falo por experiencia propria. Acho que o cientista brasileiro esta´ em vantagem em relacao ao do dito primeiro mundo. O que nos diferencia e a maneira de pensar e de resolver problemas. Enquanto que la´se valorisa mais o primor tecnico e a bagagem de conhecimento, aqui se prioriza a interpretacao e a criatividade. O cientista, assim como outros profissionais, de la´ e´mais como um "homo habilis", aqui somos mais "homo sapiens". Mas isso acaba tambem sendo nossa fraqueza, ie, precisamos aprimorar nosso conhecimento tecnico para quem sabe um dia chegarmos no mesmo nivel de desenvolvimento.

Legal

- 2009-01-25 16:02:11

Se quiserem, realmente,
Se quiserem, realmente, melhorar a ciencia nacional ha muito a fazer. Embora, como disse o Paulo Franca, o Rio faca boa ciencia; a verdade e que tanto o Rio como o restante do pais sofre com problemas de infra-estrutura como sobrecarga do sistema eletrico, infiltracoes, bioterios inadequados e falta de seguranca das pessoas e do patrimonio. O caso mais evidente e o da Fiocruz que deveria ser IMEDIATAMENTE transferida pra outro local. Nao acredite em mim, va la e olhe. Quatro acoes deveriam ser nortear o Ministerio da Ciencia com o objetivo de melhorar a ciencia nacional: 1- modernizar a infra-estrutura fisica 2- voltar a conceder bolsas de doutorado sanduiche decentes (2 anos no exterior) e bolsas de pos doc no exterior (3-5 anos e nao 1 como hoje). Bolsas de pos doc em empresas e interessante tambem. Acho ate que o programa existe, mas e pouco divulgado e nao tem muitas bolsas. 3- Agora a parte mais dificil. Acabar com o mestrado academico e modernizar os cursos de doutorado. Em geral, as disciplinas cursadas nao servem pra nada. Principalmente nas areas de biologia e saude. 4- agilizar os processos de compra de material. Hj se vc importa alguma coisa, so recebe em 6 meses - 1 ano. Assim nao da Ministro !!!!!! Podem falar o que for, mas o melhor exemplo pra Ciencia e Educacao do Pais e Sao Paulo. O estado foi pioneiro ja na decada de 60 ao criar a primeira faculdade de medicina no interior (USP de Ribeirao). Foi pioneiro a criar a primeira faculdade focada em ciencia e tecnologia e nao nos cursos de sempre (Unicamp). Foi pioneiro ao criar uma agencia de fomento a pesquisa que transformou a faculdade de um clubinho de compadres numa insituicao que faz pesquisa (Fapesp). Importante, um dos nomes mais importantes pro surgimento da Fapesp foi o do ex-presidente Fernando Henrique. E a Fapesp, digam o que quiser, foi de uma felicidade imensa nas duas ultimas gestoes. Comecaram com o projeto infra-estrutura dos laboratorios. Partiram pro Biblioteca Essencial, que dotou os labs dos livros mais importantes. Teve uma felicidade enorme ao apostar no genoma e transformar as universidades paulistas em centros de excelencia em biomol. E acertou mais uma vez ao instituir os Projetos Tematicos, que a meu ver poderiam ser melhor administrados. Esta partindo agora pra fase mais dificil, as Tecnopolos; sao 4 ao todo no Estado. O que vai colocar Sao Paulo anos-luz a frente dos outros estados (eu sou mineiro). E a vantagem de Sao Paulo nao fica so ai nao. O estado tem tres universidades: a Unicamp (pesquisa), a Unesp (mais tradicional) e a USP (dispesa comentarios). Conta ainda com as Fatecs (ensino tecnologico), o Butanta (pesquisa voltada pra saude publica), alem de um instituto de pesquisa focado na industria (esqueci o nome, ali do lado da USP). E como Sao Paulo conseguiu isto? Destinando 10% do ICMS ao ensino superior e a pesquisa (o percentual da FApesp e de 1% do ICMS). A pesquisa no Brasil daria um salto enorme se os governadores parassem de fazer planos e mais planos e cumprissem a lei que determina a transferencia de 1% do ICMS pro Fundo de Financiamento a Pesquisa. Ninguem cumpre a lei. Minas nao cumpre, o Rio nao cumpre e mais um monte de gente nao cumpre. E o governo federal nao cobra. Uma vergonha.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador